Réu sai após in­dem­ni­za­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - KÍLSSIA FER­REI­RA |

O Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da, no Dis­tri­to do Ki­lam­ba Ki­a­xi, con­de­nou à pe­na de dois anos de pri­são, com pe­na sus­pen­sa por um pe­río­do de três anos, o réu Luís Ma­teus Mo­na, de 18 anos, pe­lo cri­me de fur­to qua­li­fi­ca­do.

O réu foi tam­bém con­de­na­do ao pa­ga­men­to de uma in­dem­ni­za­ção ao ofen­di­do no va­lor 300 mil kwan­zas, ta­xa de jus­ti­ça no va­lor de 60 mil kwan­zas e 30 mil kwan­zas ao de­fen­sor ofi­ci­o­so. A juí­za da cau­sa es­cla­re­ceu que o tri­bu­nal te­ve em con­ta que no mo­men­to dos acon­te­ci­men­tos o réu ti­nha 17 anos, a 1 de Ou­tu­bro de 2015, pe­lo que usou da ate­nu­an­te mo­di­fi­ca­ti­va es­pe­ci­al. A juí­za da 12ª Sec­ção da Sa­la dos Cri­mes Co­muns ex­pli­cou que o réu só vai ser pos­to em li­ber­da­de de­pois de pa­gar a in­dem­ni­za­ção ao ofen­di­do.

O cri­me ocor­reu às três ho­ras da ma­dru­ga­da no dia 1 de ou­tu­bro de ano 2015, no bair­ro Dan­ge­reux. O réu, com dois ami­gos, que es­tão fo­ra­gi­dos, apro­vei­tan­do-se da au­sên­cia da fa­mí­lia do vi­zi­nho, for­çou a en­tra­da da ca­sa do mes­mo e rou­ba­ram um te­le­vi­sor plas­ma, com­pu­ta­dor, re­ló­gi­os, dois anéis de ou­ro, va­ri­nha má­gi­ca (uten­sí­lio do­més­ti­co), bo­ti­ja de gás e ou­tros, to­dos trans­por­ta­dos pa­ra a ca­sa do réu por es­tar mais pró­xi­mo do lo­cal do cri­me.

Luís Ma­teus Mo­na con­fes­sou os fac­tos, mas ne­gou ter rou­ba­do a va­ri­nha má­gi­ca, os anéis e os re­ló­gi­os. O réu Jorge Ta­va­res João, de 19 anos, foi acu­sa­do de cri­me de rou­bo qua­li­fi­ca­do e es­tá de­ti­do há no­ve me­ses. A juí­za es­cla­re­ceu que na ava­li­a­ção que fez do pro­ces­so no­tou que não se ve­ri­fi­cam os re­qui­si­tos do cri­me de rou­bo qua­li­fi­ca­do, mas rou­bo sim­ples. A juí­za sa­li­en­tou que à da­ta dos fac­tos, no dia 6 de No­vem­bro de 2015, o réu di­ri­giu-se à ca­sa do ofen­di­do, Pa­mo Ma­ku­qui­na, e cons­ta­tan­do que a por­ta da re­si­dên­cia não se en­con­tra­va tran­ca­da en­trou e re­ti­rou al­guns per­ten­ces do mes­mo. O ofen­di­do Pa­mo Ma­ku­qui­na dis­se que na­que­la noi­te en­con­tra­va-se no in­te­ri­or da re­si­dên­cia a dor­mir e não tran­cou a por­ta por­que aca­bou por ador­me­cer. A juí­za sa­li­en­tou que pa­ra con­si­de­rar cri­me de rou­bo qua­li­fi­ca­do exi­ge-se de­ter­mi­na­das cir­cuns­tân­ci­as que não es­tão pre­sen­tes, pois, es­cla­re­ceu, “o réu es­ta­va so­zi­nho e não for­çou a por­ta da re­si­dên­cia co­mo cons­ta dos au­tos”.

Em fa­se de ale­ga­ções fi­nais a juí­za re­fe­riu que pe­lo fac­to de o cri­me ter si­do co­me­ti­do an­tes do dia 11 de No­vem­bro de 2015, fi­ca abran­gi­do pe­la lei nº 11/16, Lei da Am­nis­tia, man­dan­do o réu em li­ber­da­de, por be­ne­fi­ci­ar da mes­ma. A juí­za acon­se­lhou ao réu a não vol­tar a rou­bar. Ain­da na fa­se dos con­se­lhos, a ma­gis­tra­da acres­cen­tou que “a sor­te só apa­re­ce uma vez na vi­da e a lei de am­nis­tia não é to­dos anos”. A lei da am­nis­tia vai apa­gar to­do o ca­das­tro cri­mi­nal, mas psi­co­lo­gi­ca­men­te não é pos­sí­vel. Pa­ra não dei­xar o ofen­di­do Pa­mo Ma­ku­qui­na de­sa­pon­ta­do, pe­lo fac­to de o réu ter be­ne­fi­ci­a­do da am­nis­tia, acon­se­lhou o mes­mo a in­ten­tar uma ac­ção por da­nos na sa­la do ci­vil no Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da. Os da­nos fo­ram ava­li­a­dos em 771 mil kwan­zas. O re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co dis­se que é um di­rei­to do ofen­di­do re­cor­rer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.