Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta na pre­ven­ção da cri­mi­na­li­da­de

SE­GU­RAN­ÇA NO ES­PA­ÇO PÚ­BLI­CO Pa­tru­lha­men­to ao lon­go de to­da a or­la ma­rí­ti­ma aju­da a re­du­zir cri­mes na Baía de Lu­an­da

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - AN­DRÉ DA COS­TA |

A Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta cons­ti­tui um no­vo mo­de­lo de pa­tru­lha­men­to de pro­xi­mi­da­de lan­ça­do pe­lo Co­man­do-Ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. São 70 efec­ti­vos, 21 dos quais mu­lhe­res, que dão cor­po a es­ta for­ça po­li­ci­al con­cen­tra­da na Pri­mei­ra Es­qua­dra da Ilha de Lu­an­da, afec­ta à Di­vi­são da In­gom­bo­ta. O com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de e a ma­nu­ten­ção da or­dem e tran­qui­li­da­de nos es­pa­ços pú­bli­cos cons­ti­tu­em os mo­ti­vos es­sen­ci­ais da sua cri­a­ção.

A equi­pa tem vá­ri­os ro­tei­ros pa­ra pa­tru­lhar, do Pon­to Fi­nal na Ilha do Ca­bo até ao Por­to, di­vi­di­dos por vá­ri­as equi­pas. A pa­tru­lha é ex­ten­si­va à No­va Mar­gi­nal, Me­mo­ri­al Agos­ti­nho Ne­to e As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Um dos ob­jec­ti­vos des­ta Bri­ga­da é in­ter­pe­lar ci­da­dãos sus­pei­tos que cir­cu­lam na cal­ça­da e re­ti­ram a tran­qui­li­da­de dos ci­da­dãos que se en­con­tram a re­la­xar pe­los ban­cos ao lon­go da Baía de Lu­an­da. A in­ter­pe­la­ção dos agen­tes é vi­ra­da tam­bém pa­ra ci­da­dãos que cir­cu­lam com pas­tas vo­lu­mo­sas ou com bol­sos com enor­mes vo­lu­mes sus­cep­tí­veis de trans­por­ta­rem ar­mas de fo­go ou ou­tros ob­jec­tos proi­bi­dos, co­mo fa­cas e ca­ta­nas.

In­di­ví­du­os apa­nha­dos sen­ta­dos a fu­mar ou a co­mer­ci­a­li­zar li­am­ba e ou­tras dro­gas na cal­ça­da tam­bém são au­tu­a­dos pe­los agen­tes da or­dem que se fa­zem trans­por­tar em bi­ci­cle­tas. A Bri­ga­da de­te­ve já vá­ri­os jo­vens que aca­ba­ram por ser pro­ces­sa­dos por cri­mes de pos­se e ven­da de es­tu­pe­fa­ci­en­tes, ten­do si­do ins­tau­ra­dos pro­ces­sos­cri­me e en­ca­mi­nha­dos a tri­bu­nal pa­ra jul­ga­men­to.

Ou­tras apre­en­sões fei­tas por efec­ti­vos da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta são de mo­to­ri­za­das que cir­cu­lam no passeio, quan­do são in­ter­pe­la­dos por agen­tes da or­dem pú­bli­ca e ten­tam fu­gir, vi­o­lan­do o es­ti­pu­la­do no Có­di­go de Es­tra­da. As mo­to­ri­za­das e os uten­tes são de­ti­dos e en­ca­mi­nha­dos ao pi­que­te de Po­lí­cia pa­ra for­mar pro­ces­so-cri­me. A Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta aten­de tam­bém pre­o­cu­pa­ções de ci­da­dãos ao lon­go da via pú­bli­ca, que sen­tem que a sua se­gu­ran­ça cor­re ris­co. A ac­tu­a­ção dos ele­men­tos da Bri­ga­da de­pen­de mui­to da gra­vi­da­de do pro­ble­ma. Ca­so se­ja ur­gen­te, a ac­tu­a­ção é ime­di­a­ta. Ca­so não se­ja de in­ter­ven­ção ime­di­a­ta é ano­ta­da a pre­o­cu­pa­ção pa­ra pos­te­ri­or­men­te se to­ma­rem as me­di­das mais ade­qua­das, me­di­an­te in­for­ma­ção en­vi­a­da ao co­man­dan­te do ter­ri­tó­rio cor­res­pon­den­te, se­gun­do o co­man­dan­te da Bri­ga­da, ins­pec­tor Da­vid João.

A Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta fun­ci­o­na com 70 efec­ti­vos, dos quais 21 são do se­xo fe­mi­ni­no, em dois tur­nos e vá­ri­as pa­tru­lhas de ma­nhã e à noi­te.

Na épo­ca bal­ne­ar, so­bre­tu­do aos fi­nais de se­ma­na, o tra­ba­lho é re­do­bra­do de­vi­do ao aflu­xo de pes­so­as que pro­cu­ram o la­zer na praia. A fra­ca ilu­mi­na­ção noc­tur­na di­fi­cul­ta o tra­ba­lho.

O co­man­dan­te da Pri­mei­ra Es­qua­dra da Ilha de Lu­an­da, su­pe­rin­ten­den­te che­fe João To­más, fri­sou que os efec­ti­vos da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta têm da­do um enor­me con­tri­bu­to pa­ra a ma­nu­ten­ção da or­dem e tran­qui­li­da­de pú­bli­ca.

Pron­ti­dão das tro­pas

An­tes de saí­rem pa­ra mais uma mis­são, os efec­ti­vos re­ce­bem ori­en­ta­ções do co­man­dan­te, ins­pec­tor Da­vid João, so­bre o tra­ba­lho a re­a­li­zar em dis­tin­tos pos­tos.

La­dis­lau Men­don­ça, Jú­lia Bam­bo, An­gé­li­ca Nas­ci­men­to, Ha­mil­ton Fran­cis­co, Be­a­triz Sal­va­dor, Cá­cio He­bo, He­le­na Ber­nar­do, Adil­som Jorge, Et­som Jo­a­quim, An­tó­nio Gomes, Ma­nu­el Bar­ros, Ad­mil­som Ne­ves re­ce­bem ins­tru­ções an­tes de co­me­ça­rem o tra­ba­lho. Ca­da um ou­viu as re­co­men­da­ções do co­man­dan­te e pro­cu­ra co­lo­cá-las em prá­ti­ca, vi­san­do man­ter a or­dem e tran­qui­li­da­de pú­bli­cas ao lon­go da or­la ma­rí­ti­ma. Mes­mo o sol abra­sa­dor não re­ti­ra a de­ter­mi­na­ção dos jo­vens que so­men­te pre­ten­dem con­tri­buir pa­ra a se­gu­ran­ça dos ci­da­dãos. An­tó­nio Gomes, re­cém-for­ma­do, co­me­çou a tra­ba­lhar na Es­qua­dra do Ma­cu­lus­so. Foi se­lec­ci­o­na­do pa­ra a for­ma­ção de três me­ses na Uni­da­de Ope­ra­ti­va de Lu­an­da e ago­ra per­ten­ce à Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta. Gos­ta do tra­ba­lho que faz ape­sar das di­fi­cul­da­des de adap­ta­ção. O co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do per­mi­te-lhe fa­zer ma­nu­ten­ção da bi­ci­cle­ta, o prin­ci­pal meio de tra­ba­lho. A jor­na­da la­bo­ral é ár­dua. Já de­te­ve ci­da­dãos sus­pei­tos de an­dar com ar­ma bran­ca e cau­sar de­sor­dem na Ilha.

A agen­te He­le­na Ber­nar­do es­tá na Po­lí­cia Na­ci­o­nal há qu­a­se um ano e pa­tru­lha a or­la ma­rí­ti­ma, man­ten­do a or­dem e tran­qui­li­da­de pú­bli­cas. A agen­te olha de um la­do pa­ra o ou­tro, en­quan­to des­can­sa. Aos fi­nais de se­ma­na o tra­ba­lho é ár­duo de­vi­do à pre­sen­ça de mui­tas pes­so­as que pro­cu­ram o la­zer na Ilha de Lu­an­da. Os dis­túr­bi­os na via pú­bli­ca, co­mo as ri­xas en­tre gru­pos de jo­vens, cha­mam a aten­ção pa­ra a sua in­ter­ven­ção, com a aju­da da pa­tru­lha au­to­mó­vel, e con­se­gue evi­tar si­tu­a­ções pi­o­res.

In­ter­pe­la­ção de sus­pei­tos

O Jor­nal de An­go­la acom­pa­nhou o tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­la Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta na Ilha de Lu­an­da. Al­ber­to Chi­tu­la e Ad­mil­som Ne­ves in­ter­pe­lam dois jo­vens com mo­chi­las às cos­tas, iden­ti­fi­ca­dos co­mo Ana­cle­to Fran­cis­co, 24 anos, e Jo­sé Vi­cen­te, da mes­ma ida­de. Os agen­tes re­vis­tam as pas­tas no sen­ti­do de en­con­trar ob­jec­tos proi­bi­dos por lei, co­mo ar­mas de fo­go. En­con­tram ma­te­ri­al de ca­na­li­za­ção e uni­for­me de ser­vi­ço. Os agen­tes ex­pli­ca­ram aos dois jo­vens o mo­ti­vo da in­ter­pe­la­ção e de­se­ja­ram boa ca­mi­nha­da.

Ana­cle­to Fran­cis­co dis­se ao Jor­nal de An­go­la que é im­por­tan­te o pa­pel que os jo­vens da Po­lí­cia Na­ci­o­nal têm es­ta­do a le­var a ca­bo em prol da se­gu­ran­ça e or­dem pú­bli­ca em Lu­an­da. Jo­sé Vi­cen­te con­si­de­rou a re­vis­ta à sua mo­chi­la um ac­to nor­mal que vi­sa fun­da­men­tal­men­te pre­ve­nir ac­tos de­li­tu­o­sos. Bar­to­lo­meu Guimarães con­si­de­rou que o sur­gi­men­to des­ta Po­lí­cia cons­ti­tui no­vi­da­de pa­ra mui­tos mu­ní­ci­pes da Ilha, e mos­trou a sua sa­tis­fa­ção pe­lo tra­ba­lho que tem si­do re­a­li­za­do. Os agen­tes Be­a­triz Cor­reia e Cá­cio He­bo acon­se­lha­ram o ci­da­dão Ar­man­do Jo­sé, de 51 anos, ven­de­dor ambulante de me­di­ca­men­tos de ra­tos, a en­con­trar um es­pa­ço apro­pri­a­do pa­ra re­a­li­zar as ven­das. O ci­da­dão agra­de­ceu a for­ma edu­ca­da co­mo os agen­tes o abor­da­ram.

Ven­de­do­res am­bu­lan­tes

O co­man­dan­te da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta, ins­pec­tor Da­vid João, con­si­de­ra que os seus efec­ti­vos têm uma ver­ten­te pe­da­gó­gi­ca, que pas­sa es­sen­ci­al­men­te por acon­se­lhar os ven­de­do­res am­bu­lan­tes pa­ra co­mer­ci­a­li­zar pro­du­tos em lo­cais pró­pri­os e evi­tar fa­zer pra­ci­nhas ao lon­go do passeio da or­la ma­rí­ti­ma. O ins­pec­tor acres­cen­tou que to­dos os efec­ti­vos têm pri­ma­do pe­lo res­pei­to aos ci­da­dãos, sen­do que o diá­lo­go tem si­do uma ar­ma fun­da­men­tal pa­ra a sen­si­bi­li­za­ção dos ci­da­dãos. Ar­nal­do Jo­sé, ven­de­dor ambulante, apre­cia o tra­ba­lho fei­to pe­los efec­ti­vos da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta e sen­te-se se­gu­ro, quan­do ca­mi­nha pe­la Baía de Lu­an­da, por­que es­tá con­ven­ci­do de que em ca­so de as­sal­to, os jo­vens da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta po­dem in­ter­vir em sua de­fe­sa.

Do­min­gas An­tó­nio vi­ve na No­cal e ven­de óleo e mas­sa ali­men­tar. A for­ma co­mo foi abor­da­da pe­los efec­ti­vos da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta dei­xou-a con­ten­te e faz com­pa­ra­ções com os fis­cais. Nor­mal­men­te, os fis­cais só sa­bem re­ce­ber o ne­gó­cio, “mas es­tes po­lí­ci­as con­ver­sam e sen­si­bi­li­zam pa­ra en­con­trar um lu­gar ide­al pa­ra ven­der”, dis­se.

Bri­ga­da Bi­cle­ta

A Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta foi lan­ça­da no dia 25 de Maio des­te ano e é com­pos­ta por 70 efec­ti­vos, dos quais 21 são mu­lhe­res. Os efec­ti­vos fo­ram sub­me­ti­dos a uma for­ma­ção de três me­ses na Uni­da­de Ope­ra­ti­va de Lu­an­da, on­de apren­de­ram téc­ni­cas ine­ren­tes ao do­mí­nio da bi­ci­cle­ta. A bi­ci­cle­ta es­tá equi­pa­da com ma­te­ri­al apro­pri­a­do, co­mo um kit com fer­ra­men­ta, ca­der­ne­ta de pa­tru­lha, on­de es­tá o ro­tei­ro de tra­ba­lho a de­sen­vol­ver, e um kit com­ple­to de chu­va. A cri­a­ção des­ta Bri­ga­da cons­ti­tui uma no­vi­da­de na gre­lha do po­li­ci­a­men­to de pro­xi­mi­da­de. Os efec­ti­vos têm ves­tes di­fe­ren­tes das de­mais es­pe­ci­a­li­da­des da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. A in­du­men­tá­ria é cons­ti­tuí­da por cal­ção, ca­mi­so­la e té­nis de co­res di­ver­sas. O co­man­dan­te da Bri­ga­da Bi­ci­cle­ta acres­cen­tou que o ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal das for­ças é o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de e ma­nu­ten­ção da or­dem pú­bli­ca ao lon­go da or­la ma­rí­ti­ma, trans­mi­tin­do se­gu­ran­ça aos ci­da­dãos.

MO­TA AMBRÓSIO

Ven­de­dor ambulante re­ce­be con­se­lhos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.