O triun­fo da sa­be­do­ria afri­ca­na

Jornal de Angola - - OPINIÃO - FAUSTINO HENRIQUE |

Con­vo­ca­do no dia 28 de No­vem­bro de 2015, o Diá­lo­go Na­ci­o­nal na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), por ini­ci­a­ti­va do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, co­nhe­ceu sá­ba­do o seu pon­to mais al­to com de­ci­sões e re­co­men­da­ções so­bre o fu­tu­ro po­lí­ti­co ime­di­a­to do país.

De­pois de al­gu­mas vo­zes ins­ta­rem, in­clu­si­ve me­di­a­ção es­tran­gei­ra, pa­ra que as par­tes che­gas­sem a acor­do so­bre elei­ções, fi­chei­ro elei­to­ral, pa­pel da Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te (CENI), ges­tão do pe­río­do 28 de De­zem­bro, da­ta em que for­mal­men­te ter­mi­na o ac­tu­al man­da­to do Pre­si­den­te Ka­bi­la, os con­go­le­ses sou­be­ram su­pe­rar bar­rei­ras.

En­tre “cons­tran­gi­men­tos téc­ni­cos”, co­mo pre­fe­re cha­mar a CENI e a ba­se que su­por­ta o Go­ver­no, e os “adi­a­men­tos po­lí­ti­cos”, co­mo ale­ga a opo­si­ção, os ac­to­res po­lí­ti­cos na RDC con­se­gui­ram o en­ten­di­men­to com ba­se num acor­do cu­jos con­tor­nos es­tão ain­da a ser ge­ri­dos com re­ser­vas.

Afi­nal, con­tra­ri­a­men­te à ideia de um fi­nal fe­liz, até à vés­pe­ra do fim de se­ma­na ti­nham si­do ape­nas adop­ta­das as re­co­men­da­ções das três co­mis­sões do “Diá­lo­go Na­ci­o­nal”, no­me­a­da­men­te, a Co­mis­são de Elei­ções, a Co­mis­são de Se­gu­ran­ça e a Co­mis­são de Con­fi­an­ça e Equi­da­de. A pri­mei­ra co­mis­são de­fi­niu que o pro­ble­ma da ba­se de da­dos elei­to­rais se­rá de­vi­da­men­te ge­ri­do a fa­vor da trans­pa­rên­cia e da ac­tu­a­li­za­ção e que, além da pre­vi­são da si­mul­ta­nei­da­de das elei­ções presidenciais, le­gis­la­ti­vas e lo­cais, a CENI de­ve ser re­for­ma­da. O tem­po pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma não foi to­tal­men­te con­sen­su­al aten­den­do a que, em qual­quer uma das hi­pó­te­ses, a CENI ca­re­ce­ria de tem­po pa­ra fa­zer uma re­vi­são com­ple­ta da a ba­se de da­dos elei­to­rais, co­mo de­fen­dem mui­tos, tem­po pa­ra a re­vi­são par­ci­al e ex­clu­são de mi­lhões de elei­to­res, com to­das as des­van­ta­gens.

A Co­mis­são de Se­gu­ran­ça, por sua vez, de­fen­de que as for­ças de de­fe­sa e se­gu­ran­ça de­vem de­sem­pe­nhar o seu pa­pel res­pei­tan­do a sua di­men­são apo­lí­ti­ca e re­pu­bli­ca­na, iden­ti­fi­car os des­lo­ca­dos in­ter­nos, ze­lar pa­ra que as fron­tei­ras do país es­te­jam se­gu­ras e sen­si­bi­li­zar as po­pu­la­ções so­bre o pro­ces­so.

Por úl­ti­mo, a Co­mis­são de Con­fi­an­ça e Equi­da­de de­fen­de a cri­a­ção de um co­mi­té pa­ra acom­pa­nhar a im­ple­men­ta­ção do acor­do ago­ra as­su­mi­do, res­pei­tan­do os di­ta­mes da Cons­ti­tui­ção e as con­clu­sões da re­so­lu­ção 2.277 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU.

Fa­ci­li­ta­do pe­lo an­ti­go pri­mei­ro­mi­nis­tro do To­go, os efei­tos do acor­do, in­de­pen­den­te­men­te do qua­dro em que as par­tes che­ga­ram, tem ain­da lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer.

A for­ma­ção do Go­ver­no in­te­ri­no, se­gun­do o si­te em fran­cês “Con­go Ac­tu­el”, se for com­pos­ta em fun­ção das con­clu­sões do acor­do, pre­ven­do a no­me­a­ção de um pri­mei­ro-mi­nis­tro, po­de vi­o­lar dis­po­si­ções cons­ti­tu­ci­o­nais. Se­gun­do a lei mãe da RDC, a cons­ti­tui­ção do Go­ver­no de­ve ter em con­ta a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de na­ci­o­nal, sen­do a As­sem­bleia Na­ci­o­nal o ór­gão que in­ves­ti­rá o fu­tu­ro exe­cu­ti­vo, cu­ja cons­ti­tui­ção de­ve­rá igual­men­te im­pli­car a for­ma­ção de uma no­va mai­o­ria par­la­men­tar.

A ba­se par­la­men­tar que sus­ten­ta­va o Go­ver­no do Pre­si­den­te Ka­bi­la co­nhe­ceu ero­são, na me­di­da em que se re­ti­ra­ram al­gu­mas for­ças po­lí­ti­cas, en­quan­to ou­tras de­ram luz ver­de ao pre­sen­te for­ma­to de Go­ver­no que se pre­ten­de. Exis­tem du­as prin­ci­pais for­ças po­lí­ti­cas da opo­si­ção que acu­sam os par­cei­ros de “par­ti­rem pa­ra es­ta pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to pa­ra pro­por­ci­o­nar o ter­cei­ro man­da­to a Jo­seph Ka­bi­la.”

Mas Vi­tal Ka­merhe, an­ti­go pre­si­den­te do Par­la­men­to e ex-ali­a­do de Ka­bi­la, ho­je uma das fi­gu­ras de re­le­vo da opo­si­ção, de­fen­de que, con­tra­ri­a­men­te aos ou­tros lí­de­res da opo­si­ção, não hou­ve ne­ces­si­da­de de se evi­tar o diá­lo­go com re­pre­sen­tan­tes do po­der. Es­te po­lí­ti­co de­fen­de que es­tão mais em cau­sa os in­te­res­ses da RDC, a es­ta­bi­li­da­de e a ma­nu­ten­ção da paz na mai­o­ria do país, en­tre ou­tros fac­to­res con­si­de­ra­dos re­le­van­tes.

O “Diá­lo­go Na­ci­o­nal”, con­vo­ca­do no dia 28 de No­vem­bro por ini­ci­a­ti­va do Pre­si­den­te da RDC, en­vol­veu cer­ca de 200 pes­so­as, di­vi­di­das por 69 de­le­ga­dos re­pre­sen­tan­tes do Go­ver­no, igual nú­me­ro da opo­si­ção,39 re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil e 25 “per­so­na­li­da­des con­go­le­sas” de­sig­na­das pe­lo fa­ci­li­ta­dor do diá­lo­go, o to­go­lês Edem Kod­jo.

Os pró­xi­mos tem­pos vão ser de­ci­si­vos pa­ra a for­ma­ção do Go­ver­no, no­me­a­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro e a ma­te­ri­a­li­za­ção em tem­po ra­zoá­vel do acor­da­do pa­ra que os con­go­le­ses se­jam con­vo­ca­dos pa­ra a ida às ur­nas, nu­ma al­tu­ra em que os cus­tos das elei­ções ul­tra­pas­sam as re­cei­tas do Es­ta­do con­go­lês.

Pa­ra já, fi­ca mais um exem­plo do triun­fo da sa­be­do­ria afri­ca­na, com a con­clu­são do Diá­lo­go Na­ci­o­nal em que re­pre­sen­tan­tes do Go­ver­no do Pre­si­den­te Ka­bi­la e da opo­si­ção, fa­ci­li­ta­dos por uma per­so­na­li­da­de bas­tan­te co­nhe­ce­do­ra do mun­do po­lí­ti­co fran­có­fo­no, Edem Kod­jo, que não te­ve ta­re­fa fá­cil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.