A con­fi­an­ça após o “Bre­xit”

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CÉ­DRIC SIMON TO­NI CERDÀ

e

Os di­ri­gen­tes eu­ro­peus ini­ci­a­ram sex­ta-fei­ra em Bra­tis­la­va as ac­ções pa­ra re­cu­pe­rar a con­fi­an­ça num gru­po re­gi­o­nal en­fra­que­ci­do por uma sé­rie de cri­ses, du­ran­te uma ci­mei­ra com 27 paí­ses des­ti­na­da a pro­mo­ver um pro­jec­to eu­ro­peu sem o Rei­no Uni­do.

A von­ta­de dos bri­tâ­ni­cos de aban­do­na­rem o gru­po, ex­pres­sa no re­fe­ren­do de 23 de Ju­nho, im­põe um no­vo de­sa­fio à União Eu­ro­peia, que ain­da so­fre os efei­tos da cri­se fi­nan­cei­ra de 2008, além da ac­tu­al ques­tão mi­gra­tó­ria, pas­san­do pe­los aten­ta­dos ex­tre­mis­tas no co­ra­ção da Eu­ro­pa.

Pa­ra res­pon­der à pre­o­cu­pa­ção de 500 mi­lhões de ci­da­dãos e dar um no­vo im­pul­so, os lí­de­res che­ga­ram a um acor­do so­bre me­di­das eco­nó­mi­cas, de se­gu­ran­ça e de de­fe­sa. Es­sas me­di­das de­vem ser apro­va­das em Mar­ço, nu­ma ci­mei­ra em Ro­ma, por oca­sião do 60º ani­ver­sá­rio do tra­ta­do fun­da­dor do pro­jec­to eu­ro­peu.

Os pon­tos acor­da­dos na ca­pi­tal es­lo­va­ca pre­vêem ac­ções pa­ra pro­te­ger as fron­tei­ras ex­ter­nas do gru­po re­gi­o­nal, lu­tar con­tra o ter­ro­ris­mo e es­ti­mu­lar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e o em­pre­go, es­pe­ci­al­men­te en­tre os jo­vens.

Os di­ri­gen­tes de Fran­ça, se­gun­da po­tên­cia mi­li­tar do blo­co atrás do Rei­no Uni­do, e a Ale­ma­nha, prin­ci­pal eco­no­mia da zo­na do eu­ro, com­pro­me­te­ram-se a tra­ba­lhar jun­tos “in­ten­sa­men­te” nos pró­xi­mos me­ses pa­ra al­can­ça­rem o “su­ces­so” da Eu­ro­pa.

A ta­re­fa é ár­dua, já que, co­mo as­si­na­lou a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, à sua che­ga­da a Bra­tis­la­va, a União Eu­ro­peia en­con­tra-se nu­ma “si­tu­a­ção crí­ti­ca”. De­ve-se “cor­ri­gir er­ros pas­sa­dos e avan­çar pa­ra no­vas so­lu­ções”, pe­diu o pre­si­den­te do Con­se­lho Eu­ro­peu, o po­la­co Do­nald Tusk, pa­ra qu­em a pri­o­ri­da­de pas­sa pe­lo con­tro­lo “to­tal” das fron­tei­ras da União Eu­ro­peia. “A de­fe­sa eu­ro­peia é o de­sa­fio pa­ra a Eu­ro­pa”, as­si­na­lou o Pre­si­den­te fran­cês, Fran­çois Hollande. Jun­ta­men­te com Mer­kel, Hollande de­fen­deu uma ini­ci­a­ti­va pa­ra lan­çar mais fa­cil­men­te ope­ra­ções da União Eu­ro­peia e ob­ter um mai­or fi­nan­ci­a­men­to eu­ro­peu em ma­té­ria de de­fe­sa.

Es­sas me­di­das vão ao en­con­tro das pro­pos­tas da Co­mis­são Eu­ro­peia, que so­li­ci­ta re­cur­sos mi­li­ta­res co­muns en­tre paí­ses do gru­po, com­ple­men­ta­res aos da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN), as­sim co­mo a cri­a­ção de “um quar­tel-ge­ne­ral úni­co” pa­ra “es­ti­mu­lar ac­ti­va­men­te a in­ves­ti­ga­ção e a ino­va­ção” nes­sa área.

O pre­si­den­te do Exe­cu­ti­vo eu­ro­peu, Je­an-Clau­de Junc­ker, pre­sen­te na ca­pi­tal es­lo­va­ca, apro­vei­tou pa­ra pro­por aos paí­ses eu­ro­peus a apro­va­ção, em Mar­ço de 2017, da sua pro­pos­ta de am­pli­ar o seu pla­no de in­ves­ti­men­tos pa­ra 630 mil mi­lhões de eu­ros.

Ain­da que o “Bre­xit” re­pre­sen­te a saí­da de uma das prin­ci­pais po­tên­ci­as mi­li­ta­res da União Eu­ro­peia, tam­bém sig­ni­fi­ca a re­ti­ra­da de um dos paí­ses mais re­ti­cen­tes ao avan­ço no sen­ti­do de um Exér­ci­to co­mum.

O “Bre­xit” não es­ta­va na agen­da da ci­mei­ra, mas os lí­de­res eu­ro­peus des­fru­ta­ram de um al­mo­ço de tra­ba­lho a bor­do de um cru­zei­ro pe­lo fa­mo­so Da­nú­bio, com as fu­tu­ras re­la­ções com Lon­dres co­mo pra­to prin­ci­pal. “Não ha­via mui­ta coi­sa a di­zer, já que Lon­dres ain­da não ac­ti­vou o pro­ce­di­men­to de separação” que é exi­gi­do pe­los 27 paí­ses pa­ra co­me­çar a ne­go­ci­ar, in­di­cou um di­plo­ma­ta eu­ro­peu. Ca­so is­so se­ja fei­to, Tusk as­se­gu­rou que es­tão pron­tos pa­ra ne­go­ci­ar a saí­da do Rei­no Uni­do a par­tir de “ama­nhã”.

“A ci­mei­ra de Bra­tis­la­va tem si­do até ao mo­men­to uma con­ver­sa fran­ca so­bre as op­ções pa­ra fa­zer a União Eu­ro­peia avan­çar. Es­ta­mos no mes­mo bar­co, li­te­ral­men­te”, dis­se o pri­mei­ro­mi­nis­tro de Mal­ta, Jo­seph Mus­cat, du­ran­te o al­mo­ço. A de­fe­sa da uni­da­de por par­te do che­fe de go­ver­no mal­tês não dei­xa es­que­cer, no en­tan­to, que os lí­de­res tem à fren­te o de­sa­fio de ul­tra­pas­sar as su­as di­fe­ren­ças, prin­ci­pal­men­te em as­sun­tos co­mo a dis­tri­bui­ção dos re­fu­gi­a­dos na União Eu­ro­peia.

Os paí­ses do cha­ma­do Gru­po de Vi­se­gra­do (Po­ló­nia, Hun­gria, Re­pú­bli­ca Che­ca e Es­lo­vá­quia) rei­te­ra­ram sex­ta-fei­ra a sua opo­si­ção so­bre um me­ca­nis­mo obri­ga­tó­rio de di­vi­são dos re­fu­gi­a­dos, co­mo o adop­ta­do em Se­tem­bro de 2015 pe­la União Eu­ro­peia a pe­di­do da Itá­lia e Gré­cia, en­vol­vi­das na ges­tão da cri­se mi­gra­tó­ria.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro hún­ga­ro, Vik­tor Or­ban, que or­ga­ni­za em Ou­tu­bro pró­xi­mo um re­fe­ren­do so­bre a “re­a­lo­ca­ção” dos re­fu­gi­a­dos, exi­giu que tra­tem “os hún­ga­ros com res­pei­to”, após um en­con­tro com o pre­si­den­te do Par­la­men­to Eu­ro­peu, Mar­tin Schulz.

Ape­sar das di­fe­ren­ças, os 27 lí­de­res mos­tra­ram-se, se­gun­do a sua de­cla­ra­ção, de­ci­di­dos a con­ti­nu­a­rem com o “in­dis­pen­sá­vel” pro­jec­to eu­ro­peu, o qu­al vai ga­ran­tir a “paz” após as “guer­ras e pro­fun­das di­vi­sões” no con­ti­nen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.