Ni­co Ros­berg e Ha­mil­ton dis­cu­tem o pri­mei­ro lu­gar

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ni­co Ros­berg ob­te­ve on­tem à tar­de a sua 29ª “po­le-po­si­ti­on” (sé­ti­ma de 2016, igua­lan­do Lewis Ha­mil­ton) da car­rei­ra, “aper­tan­do” ain­da mais com is­so a lu­ta pe­lo tí­tu­lo mun­di­al con­tra o co­le­ga de equi­pa na Mer­ce­des.

O mé­ri­to do ale­mão não es­tá em cau­sa, de­pois de ter do­mi­na­do a qua­li­fi­ca­ção da Q1 à Q3, mas a cor­ri­da de ho­je às 13h00 es­tá lon­ge de ser fa­vas con­ta­das, não só pe­la es­tra­té­gia dis­tin­ta da Red Bull e de Da­ni­el Ric­ci­ar­do, mas so­bre­tu­do por­que o ac­tu­al tri­cam­peão do mun­do é exí­mio em dar a vol­ta ao re­sul­ta­do.

Há ain­da ou­tro pro­ble­ma que tem afec­ta­do os pro­ble­mas da Mer­ce­des es­ta tem­po­ra­da, e que tem a ver com o ar­ran­que na gre­lha de par­ti­da as­sim que as lu­zes se des­li­gam pa­ra o iní­cio da cor­ri­da. Tan­to Ros­berg co­mo Ha­mil­ton não têm con­se­gui­do ti­rar ple­no par­ti­do da "po­le-po­si­ti­on" em di­ver­sas provas des­ta tem­po­ra­da, e is­so po­de con­fi­gu­rar-se co­mo uma van­ta­gem pa­ra as hos­tes do in­glês.

Par­tin­do do ter­cei­ro pos­to, Ha­mil­ton es­tá ain­da do la­do de den­tro da pis­ta pa­ra a tra­va­gem pa­ra a pri­mei­ra cur­va e po­de fa­cil­men­te apro­vei­tar um des­li­ze de Ros­berg pa­ra ul­tra­pas­sá-lo e co­lar-se ao la­do de Da­ni­el Ric­ci­ar­do, ca­so o ar­ran­que do aus­tra­li­a­no tam­bém não lhe cor­ra de fei­ção. Mas pa­ra is­so é im­pe­ra­ti­vo que o in­glês não se dis­traia. O pró­prio Ha­mil­ton re­co­nhe­ce es­ta di­fi­cul­da­de. “Se ana­li­sa­res a mi­nha tem­po­ra­da, per­ce­be-se que pos­so per­der o cam­pe­o­na­to pe­las par­ti­das”, dis­se o tri­cam­peão, que ape­nas con­ver­teu três das su­as se­te “po­le-po­si­ti­on” em triun­fos.Os 30 mi­nu­tos que per­deu nos trei­nos li­vres de­vi­do a um pro­ble­ma eléc­tri­co, e de­pois o blo­queio, por du­as ve­zes, das ro­das no mo­men­to da tra­va­gem pa­ra a cur­va se­te, nes­te ca­so com os ul­tra-ma­ci­os mon­ta­dos, ex­pli­cam, em par­te, o de­sem­pe­nho de Lewis Ha­mil­ton na qua­li­fi­ca­ção e a dis­tân­cia pa­ra Ni­co Ros­berg. Mas a seu fa­vor es­tá o his­to­ri­al na pro­va, com o bri­tâ­ni­co a re­gis­tar dois triun­fos, em 2009 e 2014, con­tra ze­ro do ri­val.

O ale­mão sa­be, no en­tan­to, que es­te é um cir­cui­to em que as ul­tra­pas­sa­gens são mui­to di­fí­ceis (re­gis­ta­ram­se ape­nas 11 na edi­ção do ano pas­sa­do), e tam­bém que, em seis de oi­to oca­siões, o ven­ce­dor da pro­va sur­giu da pri­mei­ra linha da gre­lha.

Pi­rel­li pre­o­cu­pa­da

A Pi­rel­li es­tá pre­o­cu­pa­da com o programa de de­sen­vol­vi­men­to dos no­vos pneus pa­ra 2017, por­que os mo­no­lu­ga­res “mu­la” da Fer­ra­ri, Red Bull e Mer­ce­des não es­tão a ge­rar apoio ae­ro­di­nâ­mi­co su­fi­ci­en­te pa­ra que os pneus se­jam de­sen­vol­vi­dos com in­for­ma­ção su­fi­ci­en­te pa­ra não ha­ver sur­pre­sas.

Os ita­li­a­nos ma­ni­fes­ta­ram a sua pre­o­cu­pa­ção jun­to da FIA, ale­gan­do que os mo­no­lu­ga­res da Mer­ce­des, Fer­ra­ri e Red Bull es­tão a ge­rar um apoio ae­ro­di­nâ­mi­co que fi­ca a cer­ca de 20 por cen­tro do ne­ces­sá­rio. Pa­ra além dis­so, ten­do em con­ta que os pneus não po­dem ser de­sen­vol­vi­dos ao lon­go do ano, a Pi­rel­li sa­be que as equi­pas evo­lu­em sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os seus car­ros, ain­da mais com no­vas re­gras, e por is­so o que é ho­je uma mar­gem de 20 por cen­tro po­de tor­nar-se fa­cil­men­te 40 por cen­to du­ran­te a tem­po­ra­da de 2017.

A ques­tão é sim­ples, sem apoio ae­ro­di­nâ­mi­co, os pneus não são for­ça­dos ao ní­vel ne­ces­sá­rio e por is­so não “de­vol­vem” in­for­ma­ção ade­qua­da. Se a Pi­rel­li ti­ves­se de tra­ba­lhar com a in­for­ma­ção ac­tu­al iria de­sen­vol­ver pneus sem sa­ber exac­ta­men­te se se­ri­am du­ros de­mais ou, pe­lo con­trá­rio, fi­ca­ri­am to­tal­men­te aquém do ne­ces­sá­rio. Um bi­co de obra que pre­o­cu­pa os ita­li­a­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.