Se­lec­ci­o­na­dor elo­gia atle­tas

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ape­sar da fa­lha do ob­jec­ti­vo de al­can­çar a fi­nal, o ba­lan­ço da par­ti­ci­pa­ção de An­go­la nos XV Jo­gos Pa­ra­lím­pi­cos do Rio'2016 é po­si­ti­vo, pe­la su­pe­ra­ção das mar­cas, afir­mou on­tem o téc­ni­co na­ci­o­nal, Jo­sé Ma­nu­el.

Em de­cla­ra­ções à An­gop, rei­te­rou es­tar sa­tis­fei­to com o com­por­ta­men­to dos atle­tas e ex­pli­cou que o mo­ti­vo se de­ve à me­lho­ria das mar­cas e, so­bre­tu­do, pe­los in­di­ca­do­res de evo­lu­ção na pers­pec­ti­va de su­bi­da ao pódio em To­kio'2020.

Re­fe­riu es­tar a tra­ba­lhar com atle­tas des­co­ber­tos no âm­bi­to do programa de de­sen­vol­vi­men­to do Co­mi­té Pa­ra­lím­pi­co An­go­la­no, de­no­mi­na­do “Pro­jec­to Cri­an­ça”, e que pe­lo com­por­ta­men­to na pro­va, o sen­ti­men­to é de sa­tis­fa­ção.

“Ho­je per­de­mos com atle­tas que já es­tão com al­gu­ma ida­de e que no pas­sa­do per­de­ram con­nos­co. Que­ro di­zer que es­ta­mos no bom ca­mi­nho, ain­da mais por­que a pro­gres­são é vi­sí­vel”, sus­ten­tou o tam­bém co­or­de­na­dor na­ci­o­nal de atle­tis­mo.

Jo­sé Ma­nu­el diz ter cons­ci­ên­cia de que a pre­pa­ra­ção foi boa, mas re­co­nhe­ce e com­pre­en­de que os ou­tros tam­bém trei­na­ram e es­ti­ve­ram me­lhor des­ta vez, sen­do a con­ti­nu­a­ção dos tra­ba­lhos a úni­ca op­ção. Quan­to ao fu­tu­ro, dis­se es­tar o Co­mi­té Pa­ra­lím­pi­co An­go­la­no a pen­sar já em Tó­kio’2020. Ex­pli­cou que os tra­ba­lhos de­vem ini­ci­ar o quan­to an­tes, com um gru­po de 38 atle­tas jo­vens já iden­ti­fi­ca­dos, e even­tu­al­men­te ou­tros que ve­nham des­pon­tar.

Acres­cen­tou que em 2017, An­go­la par­ti­ci­pa­rá no Cam­pe­o­na­to do Mun­do no mês de Se­tem­bro, em Lon­dres. Con­si­de­rou as con­di­ções de trei­no in­fe­ri­o­res re­la­ti­va­men­te ao da mai­or par­te dos paí­ses, ci­tan­do co­mo exem­plo o fac­to de os atle­tas se­lec­ci­o­na­dos es­ta­rem su­jei­tos a tra­ba­lhos com­pa­tí­vel à al­ta com­pe­ti­ção só em re­gi­me de se­lec­ção.

“Es­tes atle­tas não têm nas res­pec­ti­vas pro­vín­ci­as con­di­ções mí­ni­mas. Só trei­nam em pis­ta quan­do es­tão na se­lec­ção. Trei­nam em cam­po de fu­te­bol, cor­rem na es­tra­da, mui­tos vêm com le­sões e aca­bam por fa­zer o bá­si­co na se­lec­ção, além da re­cu­pe­ra­ção a que têm de ser sub­me­ti­dos an­tes”, re­fe­riu.

Ou­tro es­tran­gu­la­men­to é o fac­to de An­go­la par­ti­ci­par anu­al­men­te ape­nas em uma ou du­as provas in­ter­na­ci­o­nais, quan­do o re­co­men­dá­vel se­ri­am seis no mí­ni­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.