Bru­na Ta­ti­a­na dis­pu­ta pré­mio

TE­A­TRO NA ES­CO­LA ALDA LA­RA Con­fli­tos no can­don­guei­ro abor­da­dos no es­pa­ço cé­ni­co

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL AL­BA­NO |

O con­fli­to e os des­res­pei­tos du­ran­te uma vi­a­gem de tá­xi são a pro­pos­ta do es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro “A ma­trí­cu­la” que a Com­pa­nhia de Te­a­tro Ama­zo­nas exi­be ho­je, às 20h00, e dia 25, à mes­ma ho­ra, no au­di­tó­rio da Es­co­la Alda La­ra, em Lu­an­da.

Ins­pi­ra­da na re­a­li­da­de lu­an­den­se, a pe­ça “A ma­trí­cu­la (LD-75-61VN)” abor­da a vi­vên­cia dos ci­ta­di­nos, na pers­pec­ti­va so­ci­al, eco­nó­mi­ca e cul­tu­ral, as­sen­te nu­ma lin­gua­gem co­mum e sim­ples den­tro de um tá­xi, vul­go qua­dra­di­nho, que faz o tra­jec­to, 1º de Maio-Vi­a­na.

Du­ran­te a vi­a­gem, os per­so­na­gens nar­ram as di­fi­cul­da­des que vi­vem no dia-a-dia, ana­li­san­do os mo­ti­vos que le­vam os ta­xis­tas a au­men­tar o pre­ço da cor­ri­da, de­vi­do ao trân­si­to caó­ti­co que se ve­ri­fi­ca de um tem­po a es­ta par­te na ci­da­de ca­pi­tal, par­ti­cu­lar­men­te na­que­le tra­jec­to.

O ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de, o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas du­ran­te a con­du­ção e as cons­tan­tes vi­o­la­ções às re­gras do Có­di­go de Es­tra­da são apon­ta­dos na pe­ça co­mo uma das cau­sas que le­vam con­se­quen­te­men­te ao au­men­to da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria no país.

Em de­cla­ra­ções, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, o en­ce­na­dor Chan­ce El­cha­dai dis­se que a ideia é con­ti­nu­ar a ex­plo­rar em pal­cos os prin­ci­pais as­sun­tos ocor­ri­dos no quo­ti­di­a­no do an­go­la­nos, por for­ma a aju­dar a des­per­tar a cons­ci­ên­cia dos ci­da­dãos. O es­pec­tá­cu­lo, ex­pli­cou o en­ce­na­dor, apre­sen­ta vá­ri­as vi­cis­si­tu­des a que mui­tos dos cli­en­tes dos can­don­guei­ros são sub­me­ti­dos du­ran­te uma cor­ri­da de tá­xi até ao seu lo­cal de des­ti­no.

“A ideia da pe­ça não é cul­par nin­guém, mas mos­trar a im­por­tân­cia de cri­ar-se um cli­ma de har­mo­nia e res­pei­to mú­tuo.”

O gru­po Ama­zo­nas Te­a­tro é com­pos­to por 15 in­te­gran­tes e foi fun­da­do em 2013, já foi dis­tin­gui­do com os pré­mi­os “Me­lhor Tex­to” no con­cur­so “An­go­la In­de­pen­den­te” e se­gun­do clas­si­fi­ca­do no con­cur­so “Ce­na Li­vre”.

Além des­te es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro con­ta tam­bém com as pe­ças “Se não fos­sem as mu­lhe­res” e “Li­ção nú­me­ro 61 à 75”.

A vi­ce-go­ver­na­do­ra da Huí­la pa­ra o sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al, Ma­ria João Chi­pa­la­ve­la, con­si­de­rou, quin­ta-fei­ra, no Lu­ban­go, de cri­a­ti­va e ino­va­do­ra a ex­po­si­ção in­di­vi­du­al do ar­tis­ta plás­ti­co Agui­nal­do Fa­ria, que re­tra­ta a vi­da e a obra de Agos­ti­nho Ne­to.

A apre­ci­a­ção foi fei­ta à im­pren­sa à mar­gem da inau­gu­ra­ção da ex­po­si­ção de­no­mi­na­da “Psi­co­pa­to­lo­gia e a cri­se na vi­são do he­rói”, pa­ten­te no Shop­ping Xya­mi, com­por­ta 13 obras con­ce­bi­dos em acrí­li­co so­bre te­la, re­tra­tan­do os pro­ble­mas psi­cos­so­ci­ais por meio da pin­tu­ra e o in­te­res­se de tra­zer a me­mó­ria de Agos­ti­nho Ne­to.

A res­pon­sá­vel ex­pli­cou que os qua­dros re­tra­tam a fi­gu­ra do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, a par­tir da po­e­sia e de cân­ti­cos, en­tre ou­tros fei­tos do He­rói Na­ci­o­nal em prol da pá­tria an­go­la­na, cu­jo le­ga­do tem si­do bem di­rec­ci­o­na­do.

“O ar­tis­ta trou­xe na te­la a opor­tu­ni­da­de de os ci­da­dãos po­de­rem apre­ci­ar o que de bom exis­te, atra­vés da His­tó­ria de An­go­la e de Agos­ti­nho Ne­to, nu­ma fa­se em cri­se eco­nó­mi­ca”, re­al­çou a di­ri­gen­te.

De acor­do com Ma­ria João Chi­pa­la­ve­la, Agos­ti­nho Ne­to foi uma fi­gu­ra in­con­tor­ná­vel e um apre­ci­a­dor da ar­te e da li­te­ra­tu­ra. Pa­ra os ci­da­dãos, é uma gran­de ale­gria ar­tis­tas co­mo o jo­vem Agui­nal­do Fa­ria po­de­rem co­lo­car a sua po­e­sia nas te­las com tin­tas e cer­tas con­fi­gu­ra­ções ge­o­mé­tri­cas.

Os qua­dros con­tam com co­res vi­vas que cri­am uma con­ti­nui­da­de que bus­ca o di­vi­si­o­nis­mo en­tre tons quen­tes e fri­os, re­tra­tan­do um con­teú­do psi­co­mo­ral, com te­mas poé­ti­cos de Agos­ti­nho Ne­to co­mo “Noi­te de cárcere”, “O ver­de das pal­mei­ras”, “Na pe­le do tam­bor”, “A mú­si­ca e a re­sis­tên­cia a mu­dan­ça” e “Ha­ve­mos de vol­tar”.

Es­ta é a se­gun­da ex­po­si­ção que o ar­tis­ta plás­ti­co re­a­li­za no es­pa­ço de um ano, de­pois de “Psi­co­ar­te­o­lo­gia e ecos da In­de­pen­dên­cia”, em 2015, que com­por­tou 16 qua­dros que re­tra­tam os 40 anos da nos­sa Di­pan­da.

Nas­ci­do em 1976, na pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, Agui­nal­do Fa­ria é ac­tu­al­men­te es­tu­dan­te do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co Tun­da­va­la na Huí­la (IST).

Ini­ci­ou-se no mun­do das ar­tes co­mo au­to-di­dac­ta, par­ti­ci­pan­do em vá­ri­as ex­po­si­ções co­lec­ti­vas e em al­gu­mas in­di­vi­du­ais em 2000 e já efec­tu­ou 10 en­tre co­lec­ti­vas e in­di­vi­du­ais.A pre­sen­te ex­po­si­ção, que fi­ca pa­ten­te até 15 de Ou­tu­bro, en­qua­dra-se nas fes­ti­vi­da­des do Dia do He­rói Na­ci­o­nal, que ho­je se as­si­na­la.

MO­TA AMBRÓSIO

Can­to­ra es­tá in­di­ca­da a pré­mio em Lagos

DR

O ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de e o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas du­ran­te a con­du­ção re­flec­ti­dos no es­pec­tá­cu­lo de te­a­tro do gru­po Ama­zo­nas

JO­SÉ KRITHINAS | AN­GOP

Ar­tis­ta plás­ti­co re­tra­ta por meio da pin­tu­ra os pro­ble­mas psi­cos­so­ci­ais do quo­ti­di­a­no na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.