Ban­co pú­bli­co exi­ge che­ques em No­vem­bro

Ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra de­cla­ra pre­ten­der ob­ter mais con­tro­lo das tran­sac­ções

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to (BPC) anun­ci­ou sex­ta-fei­ra que, a par­tir de No­vem­bro, pas­sa a acei­tar ape­nas che­ques pa­ra os le­van­ta­men­tos nos seus bal­cões, uma me­di­da des­ti­na­da a ob­ter mai­or con­tro­lo e fi­a­bi­li­da­de nas tran­sac­ções, no­ti­ci­ou a An­gop. “A par­tir de 1 de No­vem­bro de 2016, to­das as ope­ra­ções de le­van­ta­men­to nos seg­men­tos de em­pre­sas e par­ti­cu­la­res em mo­e­da na­ci­o­nal de­ve­rão ser efec­tu­a­das ex­clu­si­va­men­te com o uso de che­ques”.

O Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to (BPC) anun­ci­ou sex­ta-fei­ra que, a par­tir de No­vem­bro, pas­sa a acei­tar ape­nas che­ques pa­ra os le­van­ta­men­tos nos bal­cões, uma me­di­da des­ti­na­da a ob­ter mai­or con­tro­lo e fi­a­bi­li­da­de nas tran­sac­ções, no­ti­ci­ou sex­ta-fei­ra a An­gop.

“A par­tir de 1 de No­vem­bro de 2016, to­das as ope­ra­ções de le­van­ta­men­to nos seg­men­tos de em­pre­sas e par­ti­cu­la­res em mo­e­da na­ci­o­nal de­ve­rão ser efec­tu­a­das ex­clu­si­va­men­te com o uso de che­ques”, afir­ma um co­mu­ni­ca­do ci­ta­do pe­la agên­cia.

O do­cu­men­to ad­ver­te que os cli­en­tes de­vem, a par­tir de ago­ra, pro­ce­der à re­qui­si­ção das ca­der­ne­tas de che­ques.

O BPC tem agên­ci­as em 95 mu­ni­cí­pi­os do país e, só em 2015, inau­gu­rou 36 bal­cões, to­ta­li­zan­do 406 pon­tos de aten­di­men­to. A car­tei­ra de de­pó­si­tos do ban­co cres­ceu 4,5 por cen­to em 2015, ao atin­gir 911,4 mil mi­lhões de kwan­zas, in­di­cam da­dos do re­la­tó­rio e con­tas do ban­co re­fe­ren­te àque­le pe­río­do.

O re­sul­ta­do lí­qui­do do ano pas­sa­do to­ta­li­zou 8,3 mil mi­lhões de kwan­zas e o rá­cio de sol­va­bi­li­da­de fi­xou-se em 11,3 por cen­to, abai­xo do má­xi­mo per­mi­ti­do pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la.

Aque­le pe­río­do foi mar­ca­do por uma evo­lu­ção mais mo­de­ra­da dos ac­ti­vos, de 11,1 por cen­to, influenciado pe­la ex­pan­são do cré­di­to a cli­en­tes e apli­ca­ções em tí­tu­los de 42,3 mil mi­lhões de kwan­zas (mais 4,8 por cen­to) e 33,3 mil mi­lhões de kwan­zas (mais 72,1 por cen­to).

Em 2015, o ban­co lan­çou os pro­du­tos BPC In­ter­net e Mobile Ban­king e o BPC DAR Elec­tró­ni­co pa­ra con­fe­rir aos cli­en­tes mai­or se­gu­ran­ça nas su­as tran­sac­ções.

Com o ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir a qua­li­da­de dos ser­vi­ços, o BPC cri­ou, no ano pas­sa­do, o ga­bi­ne­te de pro­ve­do­ria do cli­en­te e adop­tou uma po­lí­ti­ca pa­ra pro­mo­ver a re­du­ção do ris­co am­bi­en­tal e so­ci­al dos pro­jec­tos fi­nan­ci­a­dos pe­lo ban­co.

Na apre­sen­ta­ção dos re­sul­ta­dos de 2015, em Abril, o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do BPC, Pai­xão Jú­ni­or, re­fe­riu que as ac­tu­ais pre­o­cu­pa­ções do ban­co pren­dem-se com a fal­ta de re­cur­sos pa­ra au­men­tar os in­ves­ti­men­tos (ex­pan­são da ac­ti­vi­da­de a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal), me­lho­ra­men­to da qua­li­da­de de pres­ta­ção de ser­vi­ço, bem co­mo o am­bi­en­te eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro (a ofer­ta não sa­tis­faz a pro­cu­ra dos cli­en­tes).

KINDALA MA­NU­EL

Cli­en­tes da ins­ti­tui­ção ban­cá­ria são acon­se­lha­dos a pro­ce­der à re­qui­si­ção de che­ques pa­ra evi­tar cons­tran­gi­men­tos no mês de No­vem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.