Bombardeamentos dos EUA põem em ris­co o ces­sar-fo­go

Mos­co­vo acu­sa Washing­ton de ne­gli­gên­cia cri­mi­nal

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Rús­sia ape­lou on­tem a Washing­ton pa­ra que fa­ça um inqué­ri­to com­ple­to so­bre os ata­ques aé­re­os da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal con­tra uma po­si­ção do exér­ci­to sí­rio que ma­tou, no sá­ba­do, pe­lo me­nos 60 sol­da­dos.

“Mos­co­vo es­tá pro­fun­da­men­te in­qui­e­to em re­la­ção ao que se pas­sou. Ape­la­mos aos nos­sos par­cei­ros nor­te-ame­ri­ca­nos pa­ra que fa­çam um inqué­ri­to, o mais com­ple­to pos­sí­vel, e to­mem me­di­das pa­ra evi­tar tais in­ci­den­tes no fu­tu­ro”, dis­se o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros rus­so num co­mu­ni­ca­do.

“As ac­ções dos pi­lo­tos, se co­mo es­pe­ra­mos, não obe­de­ci­am a or­dens de Washing­ton, apon­tam pa­ra a ne­gli­gên­cia cri­mi­nal de apoio di­rec­to aos ter­ro­ris­tas do Es­ta­do is­lâ­mi­co”, pros­se­gue a no­ta.

No sá­ba­do, a por­ta-voz da di­plo­ma­cia rus­sa, Ma­ria Zakha­ro­va, dis­se que a Rús­sia ia con­vo­car uma reu­nião de ur­gên­cia do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU após os ata­ques mor­tais da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal con­tra uma po­si­ção do exér­ci­to sí­rio.

“O em­bai­xa­dor da Rús­sia jun­to da ONU es­tá en­car­re­gue de con­vo­car uma reu­nião de ur­gên­cia do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça so­bre es­ta ques­tão”, dis­se Ma­ria Zakha­ro­va ao ca­nal pú­bli­co Ros­sia-24. Mais tar­de, o em­bai­xa­dor rus­so na ONU, Vi­taly Chur­kin, dis­se que se vi­ve na Sí­ria um “mo­men­to ex­tre­ma­men­te cru­ci­al” após o ata­que aé­reo de sá­ba­do dos Es­ta­dos Uni­dos, es­tra­nhan­do que se te­nha tra­ta­do de um er­ro, co­mo as­se­gu­ra Washing­ton. Já a em­bai­xa­do­ra dos EUA nas Na­ções Uni­das, Sa­mantha Power, con­si­de­rou a reu­nião de ur­gên­cia do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, que de­cor­reu na se­de das Na­ções Uni­das, em No­va Ior­que, a pe­di­do de Mos­co­vo por cau­sa do ata­que, uma “ar­ti­ma­nha” e uma “dis­trac­ção da­qui­lo que se es­tá a pas­sar na Sí­ria”.

Es­tas con­si­de­ra­ções fo­ram fei­tas aos jor­na­lis­tas à mar­gem da reu­nião do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU. Os di­plo­ma­tas cos­tu­mam fa­zer de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas an­tes e de­pois das reu­niões, mas des­ta vez tan­to Power co­mo Chur­kin fa­la­ram à im­pren­sa en­quan­to de­cor­ri­am os de­ba­tes e de­li­be­ra­ções à por­ta fe­cha­da. Power dis­se que Washing­ton es­tá a in­ves­ti­gar o ata­que aé­reo con­tra po­si­ções do exér­ci­to sí­rio na ci­da­de de Deir al Zor, no qual, se­gun­do Mos­co­vo, mor­re­ram pe­lo me­nos 60 mi­li­ta­res da Sí­ria. Os EUA já la­men­ta­ram a per­da “não in­ten­ci­o­nal” de vi­das hu­ma­nas e ex­pli­ca­ram que, pro­va­vel­men­te, se tra­tou de um er­ro e que as for­ças nor­te-ame­ri­ca­nas acre­di­ta­ri­am que es­ta­vam a ata­car um gru­po dos ex­tre­mis­tas do Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Chur­kin, que saiu da reu­nião pa­ra res­pon­der às de­cla­ra­ções da em­bai­xa­do­ra dos EUA, dis­se que o ata­que de sá­ba­do po­de pôr em ris­co a tré­gua na Sí­ria acor­da­da en­tre Washing­ton e Mos­co­vo a 9 de Se­tem­bro. Se­gun­do o em­bai­xa­dor rus­so, com es­ta ac­ção mi­li­tar os EUA vi­o­la­ram dois com­pro­mis­sos: res­pei­tar o ces­sar­fo­go e res­pei­tar as po­si­ções das For­ças Ar­ma­das sí­ri­as.

AFP

Ata­que aé­reo dos EUA con­tra for­ças go­ver­na­men­tais sí­ri­as ame­a­ça o acor­do de ces­sar-fo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.