Em­bai­xa­dor de Por­tu­gal con­fir­ma paz em Ca­bin­da

Di­plo­ma­ta re­fu­ta im­pren­sa que diz ha­ver um cli­ma de in­se­gu­ran­ça na re­gião

Jornal de Angola - - POLÍTICA - BERNARDO CAPITA |

O em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em An­go­la con­si­de­rou, no sá­ba­do, es­tá­vel o ac­tu­al qua­dro po­lí­ti­co mi­li­tar na província de Ca­bin­da. João Ca­e­ta­no da Sil­va fa­la­va à im­pren­sa na co­mu­na de Mi­con­je, 220 qui­ló­me­tros a nor­te da se­de pro­vin­ci­al de Ca­bin­da, no fi­nal de uma visita ao in­te­ri­or do Al­to Mai­om­be.

Na com­pa­nhia da go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al Al­di­na da Lom­ba Ca­tem­bo, o di­plo­ma­ta lu­so per­cor­reu em cor­te­jo au­to­mó­vel as lo­ca­li­da­des de Ne­cu­to (mu­ni­cí­pio de Bu­coZau) e Mi­con­je (Be­li­ze), on­de de­cor­reu o ac­to pro­vin­ci­al alu­si­vo ao Dia do He­rói Na­ci­o­nal.

De­pois da visita, João Ca­e­ta­no da Sil­va con­cluiu não ter ob­ser­va­do na­da de anor­mal ao lon­go do per­cur­so de apro­xi­ma­da­men­te 300 qui­ló­me­tros que lhe des­se si­nais de ins­ta­bi­li­da­de ou de guer­ra, con­tra­ri­an­do as­sim al­gu­ma im­pren­sa que sis­te­ma­ti­ca­men­te vei­cu­la in­for­ma­ções so­bre uma su­pos­ta ins­ta­bi­li­da­de política e mi­li­tar na província de Ca­bin­da, so­bre­tu­do na flo­res­ta do Mai­om­be.

“Eu só pos­so fa­lar da­qui­lo que vi. Re­a­li­zá­mos vi­si­tas que abran­ge­ram não só as pro­fun­di­da­des do Al­to Mai­om­be (Bu­co-Zau e Be­li­ze), mas tam­bém ou­tras zo­nas fron­tei­ri­ças da província e, sin­ce­ra­men­te, con­fes­so não ter vis­to ab­so­lu­ta­men­te qual­quer in­se­gu­ran­ça”, dis­se o em­bai­xa­dor lu­so, que diz ter ob­ser­va­do “ple­na li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens”. João Ca­e­ta­no da Sil­va con­si­de­rou que as no­tí­ci­as vei­cu­la­das por aque­la im­pren­sa e que tam­bém as tem li­do não con­di­zem com a re­a­li­da­de dos fac­tos cons­ta­ta­dos no ter­re­no.

As For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) já ti­nham as­se­gu­ra­do, re­cen­te­men­te, que a si­tu­a­ção po­lí­ti­co-mi­li­tar em Ca­bin­da era cal­ma. O che­fe do Es­ta­do-Mai­or das FAA, ge­ne­ral Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da, dis­se no mês pas­sa­do, à mar­gem do úl­ti­mo Con­gres­so do MPLA, que os mi­li­ta­res da FLEC nun­ca re­a­li­za­ram quais­quer ope­ra­ções mi­li­ta­res em Ca­bin­da e que os ór­gãos de im­pren­sa que trans­mi­tem es­sas in­for­ma­ções po­dem vi­si­tar a província e cir­cu­lar em to­dos os lu­ga­res pa­ra ob­ter in­for­ma­ções so­bre a si­tu­a­ção.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da ga­ran­tiu, na oca­sião, que a si­tu­a­ção po­lí­ti­co­mi­li­tar em Ca­bin­da era “com­ple­ta­men­te tran­qui­la e a FLEC não re­a­li­zou e nem po­de re­a­li­zar ne­nhu­ma ac­ção, tan­to que as pes­so­as po­dem ir até Ca­bin­da, Ni­con­ge, Bu­coZau, Be­li­ze, a to­dos os sí­ti­os e al­dei­as, pois não hou­ve ne­nhu­ma ac­ção da FLEC.”

“Mai­om­be Re­sort”

Na co­mu­na de Mi­con­je, o em­bai­xa­dor de Por­tu­gal rei­nau­gu­rou o “Moi­om­be Re­sort”, um cen­tro tu­rís­ti­co com lu­xu­o­sas con­di­ções pa­ra o la­zer. O re­sort foi cons­truí­do pe­lo Go­ver­no da província e pas­sa a ser ge­ri­do por um gru­po em­pre­sa­ri­al por­tu­guês, no âm­bi­to da par­ce­ria pu­bli­co-pri­va­da.

Pa­ra pro­var a es­ta­bi­li­da­de exis­ten­te mo Al­to Mai­om­be, João Ca­e­ta­no da Sil­va per­noi­tou no re­sort, no se­gun­do dia da sua es­ta­da na província de Ca­bin­da.

Ao fa­zer o ba­lan­ço da sua visita à província mais a nor­te do país, o em­bai­xa­dor con­si­de­rou a mes­ma de po­si­ti­va, por­quan­to per­mi­tiu con­cre­ti­zar a sua agen­da de tra­ba­lho que pre­via três ob­jec­ti­vos fun­da­men­tais, fa­zer o ba­lan­ço bi­la­te­ral com as au­to­ri­da­des lo­cais pa­ra re­for­çar a co­o­pe­ra­ção, co­nhe­cer a ca­pa­ci­da­de eco­nó­mi­ca de em­pre­sas por­tu­gue­sas que ope­ram em Ca­bin­da e, fi­nal­men­te, reu­nir com os seus con­ci­da­dãos aqui re­si­den­tes.

“Te­mos em Ca­bin­da uma co­o­pe­ra­ção mui­to im­por­tan­te com o Go­ver­no da província. No sec­tor da edu­ca­ção apoi­a­mos o pro­gra­ma “Sa­ber Mais”, que tem co­mo ob­jec­ti­vo for­mar pro­fes­so­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa e pa­ra tal, te­mos qua­tro pro­fes­so­res em per­ma­nên­cia em Ca­bin­da”, re­fe­riu o di­plo­ma­ta. Pa­ra pro­var as ex­ce­len­tes re­la­ções com Ca­bin­da, João Ca­e­ta­no da Sil­va anun­ci­ou a cri­a­ção, na província, do Con­su­la­do ho­no­rá­rio de Por­tu­gal, que pas­sa a cons­ti­tuir uma pre­sen­ça per­ma­nen­te do país eu­ro­peus na­que­la par­ce­la do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

O iní­cio do fun­ci­o­na­men­to do con­su­la­do, dis­se o em­bai­xa­dor, es­tá ape­nas a de­pen­der da apro­va­ção, pe­los dois paí­ses, da per­so­na­li­da­de a di­ri­gir o con­su­la­do.

ANTÓNIO SOARES

Du­ran­te a sua es­ta­da em Ca­bin­da o em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em An­go­la foi re­ce­bi­do em au­di­ên­cia pe­la go­ver­na­do­ra Al­di­na da Lom­ba Ca­tem­bo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.