ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA RE­GIÃO SUL Com­ba­te à se­ca exi­ge so­lu­ções de­fi­ni­ti­vas

Go­ver­na­dor da Huí­la la­men­ta fal­ta de re­cur­sos pa­ra cons­tru­ção de bar­ra­gens de re­ten­ção

Jornal de Angola - - POLÍTICA - DO­MIN­GOS MUCUTA |

O aque­ci­men­to glo­bal e su­as con­sequên­ci­as, co­mo es­ti­a­gens pro­lon­ga­das e avan­ço dos de­ser­tos, re­per­cu­te-se em mui­tas zo­nas ru­rais an­go­la­nas, on­de au­men­ta a po­bre­za das po­pu­la­ções. As pro­vín­ci­as da re­gião sul do país já en­fren­tam a for­ça das trans­for­ma­ções am­bi­en­tais, com re­a­li­da­des an­ta­gó­ni­cas, en­tre es­ti­a­gens pro­lon­ga­das e chei­as cí­cli­cas, en­tre ou­tros ma­les, com im­pac­to de­vas­ta­dor em vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os da Huí­la, Na­mi­be e Cu­ne­ne.

O mu­ni­cí­pio dos Gam­bos, com mais de oi­to mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos, é a re­gião da Huí­la mais afec­ta­da pe­la se­ca. Com fal­ta de chu­vas há três anos con­se­cu­ti­vos, a re­gião é a pro­va de co­mo as es­ti­a­gens cí­cli­cas in­flu­en­ci­am os sis­te­mas de cul­ti­vo e ma­neio de ga­do. Em épo­cas mais crí­ti­cas, as­sis­te-se à per­da de ani­mais por fal­ta de água e pas­to.

O as­sun­to é do do­mí­nio pú­bli­co e as con­sequên­ci­as tam­bém. Fal­ta de água pa­ra as pes­so­as, ani­mais e pa­ra o cul­ti­vo. Há ca­rên­cia ali­men­tar e mi­lha­res de fa­mí­li­as es­tão de­sa­lo­ja­das. A ava­li­a­ção dos ac­to­res no ter­re­no apon­ta tam­bém pa­ra ou­tros efei­tos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais que mo­bi­li­zam o Es­ta­do an­go­la­no, so­ci­e­da­de ci­vil, sis­te­ma das Na­ções Uni­da­des e ou­tros par­cei­ros.

To­dos es­tão pre­o­cu­pa­dos. Mas as so­lu­ções de­fi­ni­ti­vas de­mo­ram a che­gar e al­guns pro­ble­mas es­tão lon­ge da al­ça­da do ho­mem e ou­tras por fal­ta de re­cur­sos fi­nan­cei­ros. A von­ta­de da na­tu­re­za é de­ter­mi­nan­te e a ca­pa­ci­da­de hu­ma­na li­mi­ta­da.

Que me­di­das po­dem mi­ni­mi­zar os efei­tos das alterações climáticas no sul de An­go­la? Re­pre­sen­tan­tes dos Go­ver­nos das pro­vín­ci­as da Huí­la, Cu­ne­ne e Na­mi­be e par­cei­ros so­ci­ais acre­di­tam que, em­bo­ra o as­sun­to se­ja glo­bal, as so­lu­ções de­vem ser lo­cais.

A bus­ca de so­lu­ções pa­ra a se­ca co­me­çou com a re­a­li­za­ção do pri­mei­ro en­con­tro in­ter­pro­vin­ci­al so­bre alterações climáticas no sul de An­go­la, que reu­niu on­tem no Lu­ban­go mem­bros dos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, go­ver­nos pro­vin­ci­ais, aca­dé­mi­cos, re­pre­sen­tan­tes das Na­ções Uni­das e or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil.

A abor­da­gem de te­mas co­mo “Ce­ná­ri­os e res­pos­tas às alterações climáticas. Se­cas e chei­as a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos”, “Si­tu­a­ção da se­ca nos paí­ses da Áfri­ca Aus­tral”, “A res­pos­ta à se­ca nu­ma vi­são hu­ma­ni­tá­ria, de re­si­li­ên­cia e de ma­cro-fi­nan­ças” do­mi­nou o en­con­tro.

Per­das e da­nos

A ava­li­a­ção de de­sas­tre re­a­li­za­da no ter­re­no pe­lo Go­ver­no e sis­te­ma das Na­ções Uni­das apon­tam pa­ra per­das de cer­ca de 452 mi­lhões de dó­la­res (de 74 mil mi­lhões de kwan­zas) e da­nos de 292 mi­lhões de dó­la­res (49 mil mi­lhões de kwan­zas) nos úl­ti­mos três anos.

O co­or­de­na­dor re­si­den­te das Na­ções Uni­das, Pi­er Pa­o­lo Bal­la­del­li, dis­se que ava­li­a­ção foi re­a­li­za­da nos úl­ti­mos anos nas pro­vín­ci­as da Huí­la, Na­mi­be e Cu­ne­ne. O so­ma­tó­rio de da­nos e as per­das atin­ge cer­ca de 749 mi­lhões de dó­la­res, o que re­a­pre­sen­ta per­to de 300 mi­lhões de dó­la­res por ano.

Pi­er Pa­o­lo Bal­la­del­li dis­se que os úl­ti­mos qua­tro anos de se­ca

Go­ver­na­dor da Huí­la Mar­ce­li­no Tyi­pin­ge (ao cen­tro) e o co­or­de­na­dor re­si­den­te da ONU Pi­er Bal­la­del­li no en­con­tro so­bre alterações climáticas

con­se­cu­ti­va que afec­tou as po­pu­la­ções da re­gião sul em An­go­la dei­xa­ram as fa­mí­li­as sem re­ser­vas ali­men­ta­res, com efei­tos mais acen­tu­a­dos pa­ra as po­pu­la­ções e fa­mí­li­as vul­ne­rá­veis.

Além dos efei­tos eco­nó­mi­cos, a se­ca na re­gião sul afec­tou a saú­de, de­vi­do à má nu­tri­ção, fez cres­cer a ta­xa de aban­do­no es­co­lar e agra­vou a vi­o­lên­cia de gé­ne­ro de­vi­do ao de­ses­pe­ro das fa­mí­li­as.

O fe­nó­me­no das alterações climáticas pre­ci­sa de um tra­ba­lho in­te­gra­do e re­cur­sos do país e dos par­cei­ros, de for­ma a cri­ar si­ner­gi­as pa­ra apoi­ar a pro­du­ção de ali­men­tos e aten­der tam­bém as ques­tões de aban­do­no do lar, cri­an­do con­di­ções pa­ra uma vi­da dig­na.

As Na­ções Uni­das, que dão res­pos­tas em se­te paí­ses afec­ta­dos pe­la se­ca na Áfri­ca Aus­tral, têm so­lu­ções pa­ra ques­tões de emer­gên­cia e tam­bém pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel a lon­go pra­zo.

“As ac­ções re­a­li­za­das nos úl­ti­mos me­ses são res­pos­tas de emer­gên­cia, mas as Na­ções Uni­das es­tão pre­o­cu­pa­das com as re­si­li­ên­ci­as das co­mu­ni­da­des e tam­bém do ti­po ma­cro-eco­nó­mi­co de lon­go pra­zo pa­ra a so­lu­ção de­fi­ni­ti­va dos pro­ble­mas”, dis­se.

Jun­tar si­ner­gi­as

Pi­er Pa­o­lo Bal­la­del­li su­bli­nhou a boa in­te­gra­ção dos par­cei­ros do Go­ver­no das pro­vín­ci­as, que pro­du­ziu re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. Nos úl­ti­mos seis me­ses, as ac­ções co­or­de­na­das en­tre os go­ver­nos pro­vin­ci­ais e par­cei­ros so­ci­ais re­sul­ta­ram no au­men­to de pro­du­tos e ser­vi­ços e da ca­pa­ci­da­de dos afec­ta­dos e in­ter­ve­ni­en­tes.

A se­ca não pro­vo­cou ape­nas si­tu­a­ções ne­ga­ti­vas. Mais de 2.900 fa­mí­li­as me­lho­ra­ram as ca­pa­ci­da­des téc­ni­cas na agri­cul­tu­ra e cin­co mil na saú­de ani­mal, com os apoi­os dis­po­ni­bi­li­za­dos no qua­dro das ac­ções de emer­gên­cia.

Bal­la­del­li in­for­mou tam­bém que 9.800 cri­an­ças fo­ram tra­ta­das da mal­nu­tri­ção agu­da, atra­vés de dis­tri­bui­ção de su­ple­men­tos te­ra­pêu­ti­cos, 220 agen­tes co­mu­ni­tá­ri­os apren­de­ram a iden­ti­fi­car cri­an­ças em si­tu­a­ção de ris­co, 590 téc­ni­cos de saú­de fo­ram for­ma­dos e 14 mil pes­so­as têm aces­so à água po­tá­vel atra­vés de bom­bas ma­nu­ais. Além dis­so, 40 mil pes­so­as vi­vem com la­tri­nas e 70 mil re­ce­be­ram kits de hi­gi­e­ne, 10.300 ado­les­cen­tes fo­ram for­ma­dos em hi­gi­e­ne e saú­de re­pro­du­ti­va, dos quais 2.400 dis­põem de kits de hi­gi­e­ne pes­so­al.

A in­ver­são do im­pac­to da se­ca na re­gião sul de­ve en­vol­ver o Exe­cu­ti­vo e go­ver­nos pro­vin­ci­ais, so­ci­e­da­de ci­vil, União Eu­ro­peia e o Sis­te­ma das Na­ções Uni­das. Tu­do de­pen­de dos pla­nos que as pro­vín­ci­as vão ela­bo­rar ou já dis­põem. Os pla­nos de­pen­dem das evi­dên­ci­as no ter­re­no.

O re­pre­sen­tan­te da ONU de­fen­deu uma for­te ges­tão de in­for­ma­ções pa­ra de­fi­nir pla­nos exequí­veis, por­que as ac­ções con­jun­tas per­mi­tem atin­gir de for­ma efi­caz e efec­ti­va os re­sul­ta­dos de­se­ja­dos.

O en­con­tro in­ter­pro­vin­ci­al é opor­tu­no pa­ra a in­te­rac­ção, no sen­ti­do de olhar pa­ra o fu­tu­ro com ac­ção e op­ti­mis­mo, vi­san­do o bem-es­tar das po­pu­la­ções. “Jun­tos po­de­mos fa­zer uma An­go­la me­lhor”, exor­tou.

Gran­de de­sa­fio

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al da Huí­la, João Mar­ce­li­no Tyi­pin­ge, afir­mou na aber­tu­ra do en­con­tro que a re­gião Sul de An­go­la é ca­rac­te­ri­za­da por um con­tex­to agro-eco­ló­gi­co sen­sí­vel e com­ple­xo, com fre­quen­tes si­tu­a­ções de se­ca, chei­as e es­ti­a­gem, sen­do gran­des os de­sa­fi­os pa­ra for­ta­le­cer a ca­pa­ci­da­de de re­si­li­ên­cia das co­mu­ni­da­des pa­ra su­pe­rar es­tes con­di­ci­o­na­men­tos da na­tu­re­za.

“A se­ca não é um fe­nó­me­no no­vo, nem a res­pos­ta aos seus efei­tos. Há ex­pe­ri­ên­ci­as e ini­ci­a­ti­vas pas­sa­das de in­tui­ções go­ver­na­men­tais e de or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, no in­tui­to de en­con­trar es­tra­té­gi­as e so­lu­ções que aju­dem as co­mu­ni­da­des a li­dar com o pro­ble­ma”, lem­brou.

Vá­ri­os pro­jec­tos es­tão em cur­so, que de for­ma di­rec­ta ou in­di­rec­ta, pro­cu­ram con­tri­buir pa­ra es­ses ob­jec­ti­vos, co­mo as es­co­las agro-pas­to­ris e a re­a­bi­li­ta­ção agrí­co­la, atra­vés do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra em par­ce­ria com o Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção.

Mui­tas me­di­das em cur­so são pa­li­a­ti­vas, in­su­fi­ci­en­tes e ina­de­qua­das, por­que não vão ao fun­do da ques­tão, nu­ma al­tu­ra em que o com­ba­te à se­ca exi­ge me­di­das mais efi­ci­en­tes.

Os Go­ver­nos Pro­vin­ci­ais da Huí­la, Cu­ne­ne e Na­mi­be já re­me­te­ram pro­jec­tos aos Mi­nis­té­ri­os do Pla­ne­a­men­to e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio pa­ra a so­lu­ção de­fi­ni­ti­va dos pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com a se­ca. O go­ver­na­dor da Huí­la de­fen­deu uma ac­ção acu­ti­lan­te da co­mis­são in­ter­mi­nis­te­ri­al pa­ra o com­ba­te à se­ca, so­bre­tu­do, na ava­li­a­ção e de­fi­ni­ção de so­lu­ções pa­ra os efei­tos da se­ca no pe­río­do ade­qua­do, e não ava­li­ar os efei­tos da se­ca no pe­río­do das chu­vas e as des­te pe­río­do no tem­po do Ca­cim­bo.

“A so­lu­ção não es­tá na dis­tri­bui­ção de ali­men­tos, atra­vés de cam­pa­nhas de as­sis­tên­cia hu­ma­ni­tá­ria. O pro­ble­ma da se­ca não se com­pa­de­ce com as me­di­das ac­tu­ais. É pre­ci­so apro­fun­dar a abor­da­gem, tra­çar e exe­cu­tar me­di­das efi­ca­zes pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos”, ar­gu­men­tou.

So­lu­ções de­fi­ni­ti­vas

O go­ver­nan­te acres­cen­tou que exis­tem pro­jec­tos de cons­tru­ção de três bar­ra­gens pa­ra a re­ten­ção da água nos mu­ni­cí­pi­os dos Gam­bos, Chi­bia e Lu­ban­go. Tyi­pin­ge fri­sou ser es­ta “a so­lu­ção de­fi­ni­ti­va pa­ra o pro­ble­ma da es­cas­sez de água” nas lo­ca­li­da­des mais afec­ta­das da província da Huí­la.

O go­ver­na­dor la­men­tou o atra­so no ar­ran­que das obras, lan­ça­das há dois anos, de­vi­do à in­dis­po­ni­bi­li­da­de de re­cur­sos des­ti­na­dos a es­te pro­jec­to de im­pac­to so­ci­al. As bar­ra­gens fo­ram pro­jec­ta­das pa­ra acu­mu­lar água nos tem­pos de abun­dân­cia de mo­do a ser uti­li­za­da nos mo­men­tos de es­cas­sez.

As três bar­ra­gens pro­jec­ta­das pa­ra os ri­os Ca­cu­lu­var, nas lo­ca­li­da­des de Non­ge­lo (Gam­bos), na zo­na do Mu­co­co, co­mu­na da Arim­ba (Lu­ban­go) e no lei­to de Nom­pom­bo, na co­mu­na da Quihi­ta (Chi­bia), vi­sam re­ter no ge­ral cer­ca de 611 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de água pa­ra fa­zer fa­ce às es­ti­a­gens cí­cli­cas re­gis­ta­das nos úl­ti­mos anos.

A in­fra-es­tru­tu­ra de Non­ge­lo, com cer­ca de 16 me­tros de al­tu­ra, foi di­men­si­o­na­da pa­ra uma área de on­ze hec­ta­res e vai acu­mu­lar cer­ca de 400 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de água, num in­ves­ti­men­to ava­li­a­do em 472,5 mi­lhões de kwan­zas.

A mi­ni-hí­dri­ca da lo­ca­li­da­de de Arim­ba, com uma ex­ten­são de 230 hec­ta­res, te­ria 16 me­tros de al­tu­ra e uma área de inun­da­ção com ca­pa­ci­da­de pa­ra cer­ca de 11 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de água. Os cus­tos de cons­tru­ção ron­dam os 469,8 mi­lhões de kwan­zas.

Já a bar­ra­gem da Nom­pom­bo, na Chi­bia, pro­jec­ta­da nu­ma área de 2.270 me­tros qua­dra­dos e 19 me­tros de al­tu­ra, de­ve acu­mu­lar, no tem­po chu­vo­so, cer­ca de 200 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos. As obras es­tão ava­li­a­das em cer­ca de 474,4 mi­lhões de kwan­zas.

A pri­mei­ra fa­se das obras das três em­prei­ta­das, con­sig­na­das a uma em­pre­sa de en­ge­nha­ria e cons­tru­ção da província, na pre­sen­ça dos di­rec­to­res pro­vin­ci­ais e mem­bros das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, vai du­rar 12 me­ses.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal dos Gam­bos, Eli­as So­va, des­ta­cou a im­por­tân­cia das bar­ra­gens por con­tri­buí­rem pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções de dis­tri­bui­ção de água às po­pu­la­ções e pa­ra a prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra, so­bre­tu­do, o cul­ti­vo de hor­tí­co­las, em tem­po de es­ti­a­gem.

Eli­as So­va dis­se que o fe­nó­me­no da se­ca que se ve­ri­fi­ca nos Gam­bos pro­vo­ca ins­ta­bi­li­da­de de­vi­do à fal­ta de ali­men­tos. Es­ti­ma­ti­vas do Go­ver­no da Huí­la apon­tam pa­ra cer­ca de 300 mil pes­so­as afec­ta­das pe­la se­ca na con­di­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de, o que exi­ge uma res­pos­ta ime­di­a­ta em gé­ne­ros ali­men­tí­ci­os.

O ad­mi­nis­tra­dor adi­an­tou que mui­tas ví­ti­mas da es­ti­a­gem no mu­ni­cí­pio já dis­põem de água po­tá­vel a par­tir de pon­tos de cap­ta­ção cons­truí­dos em vá­ri­as lo­ca­li­da­des pe­lo Go­ver­no Pro­vin­ci­al e Fun­do das Na­ções Uni­da pa­ra a In­fân­cia (UNICEF).

Eli­as So­va dis­se que es­ses pon­tos de água es­tão a de­vol­ver es­pe­ran­ça de vi­da à po­pu­la­ção e ao ga­do bo­vi­no.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | LU­BAN­GO

ARIMATEIA BAP­TIS­TA | LU­BAN­GO

Os pon­tos de água es­tão a de­vol­ver es­pe­ran­ça de vi­da à po­pu­la­ção e ao ga­do bo­vi­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.