O rit­mo de cres­ci­men­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

De­pois de dis­cu­ti­do e apro­va­do na es­pe­ci­a­li­da­de, on­tem, pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do Re­vis­to de 2016, os an­go­la­nos pas­sam a con­tar com uma fer­ra­men­ta im­por­tan­te na ga­ran­tia dos ní­veis de cres­ci­men­to. O prin­ci­pal do­cu­men­to de exe­cu­ção da política eco­nó­mi­ca do Es­ta­do foi apro­va­do num mo­men­to em que, co­mo re­a­fir­mou o pre­si­den­te da Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ma­nu­el Nu­nes Jú­ni­or, “(...) o au­men­to dos in­ves­ti­men­tos dos in­ves­ti­men­tos é im­por­tan­te pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co do país”.

Nis­to, os par­la­men­ta­res, na sua mai­o­ria, fo­ram con­ver­gen­tes por­que acre­di­ta­mos to­dos que An­go­la pre­ci­sa de con­ti­nu­ar com os es­for­ços pa­ra pro­jec­tar o sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro pa­ra as­se­gu­rar o cres­ci­men­to de re­cei­tas fo­ra des­te sec­tor. A ex­pe­ri­ên­cia dos úl­ti­mos anos e me­ses de­mons­tra a to­dos a di­men­são vo­lá­til do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, ra­zão pe­la qual as pro­jec­ções do ac­tu­al OGE re­vis­to as­sen­tam nu­ma ba­se em que o pre­ço mé­dio do bar­ril é de USD 40, 90.

Em­bo­ra vi­va­mos uma con­jun­tu­ra me­nos boa, por via da que­da subs­tan­ci­al dos pre­ços do cru­de, não há dú­vi­da de que o fun­da­men­tal é as­se­gu­rar que os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos não es­te­jam em cau­sa, não di­mi­nu­am e com­pro­me­tam com­pro­mis­sos e me­tas. Ga­ran­tir re­cur­sos pa­ra sec­to­res co­mo a Saú­de, a Edu­ca­ção, a Or­dem e Se­gu­ran­ça Pú­bli­cas, a cons­tru­ção de im­por­tan­tes in­fra-es­tru­tu­ras, agri­cul­tu­ra, en­tre ou­tros bens e ser­vi­ços, é o fun­da­men­tal. Aqui re­si­de o es­for­ço do Exe­cu­ti­vo cu­jo com­pro­mis­so pa­ra com o cres­ci­men­to da eco­no­mia e ga­ran­tia do bem-es­tar das fa­mí­li­as não mu­da in­de­pen­den­te­men­te das pres­sões re­sul­tan­tes da con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca.

Da re­vi­são em bai­xa, o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co foi pro­jec­ta­do com ta­xas mo­des­tas, mas, tal co­mo de­mons­tra a ex­pe­ri­ên­cia e as te­o­ri­as eco­nó­mi­cas, mais im­por­tan­te que os nú­me­ros do cres­ci­men­to são a sus­ten­ta­bi­li­da­de e con­ti­nui­da­de. É pre­fe­rí­vel que a eco­no­mia an­go­la­na cres­ça com ta­xas con­tí­nu­as apoi­a­das por fac­to­res que as­se­gu­rem o cres­ci­men­to inin­ter­rup­to da eco­no­mia, ali­vi­em o en­di­vi­da­men­to cres­cen­te do Es­ta­do, aju­dem a con­tro­lar a in­fla­ção e re­du­zam o de­sem­pre­go, do que um cres­ci­men­to com va­riá­veis de­ma­si­a­do im­pre­vis­tas.

Nu­ma eco­no­mia co­mo a nos­sa em que os en­tes pú­bli­cos pos­su­em acres­ci­das res­pon­sa­bi­li­da­des quan­do se tra­ta de des­pe­sas em bens e ser­vi­ços pres­ta­dos à so­ci­e­da­de, é fun­da­men­tal que o Es­ta­do te­nha re­cur­sos. Com uma pre­vi­são de mais de seis mil mi­lhões de kwan­zas de­di­ca­dos aos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos, é nos­sa ex­pec­ta­ti­va que sec­to­res es­tru­tu­ran­tes da eco­no­mia se vão sen­tir bem ser­vi­dos, res­tan­do pa­ra os mes­mos com­pe­ten­te e ri­go­ro­sa ma­te­ri­a­li­za­ção.

É so­bre­tu­do o Es­ta­do o en­te que de­ve as­se­gu­rar re­cur­sos pa­ra a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras que es­ti­mu­lem os in­ves­ti­men­tos pri­va­dos que, por sua vez, ani­mam a eco­no­mia com bens e ser­vi­ços que ge­ram a pro­cu­ra, a ofer­ta e o con­su­mo. É sa­lu­tar sa­ber que a ba­se de re­cei­tas e des­pe­sas do Es­ta­do es­tão a ser as­se­gu­ra­das por um do­cu­men­to le­gal, o OGE, ori­en­ta­do pa­ra per­mi­tir ta­xas de cres­ci­men­to sus­ten­tá­veis da eco­no­mia e ge­rar bem-es­tar das fa­mí­li­as.

A me­lho­ria das con­di­ções de vi­da de sec­to­res de bai­xa ren­da, com a cons­tru­ção de mo­ra­dia, ga­ran­tia do sa­ne­a­men­to, re­a­bi­li­ta­ção ou cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras co­mo as vi­as prin­ci­pais, se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as, en­tre ou­tros, de­ve ser as­se­gu­ra­da es­sen­ci­al­men­te pe­lo Es­ta­do. O au­men­to de des­pe­sas pú­bli­cas com o OGE re­vis­to não cons­ti­tui acrés­ci­mo do far­do ao Es­ta­do na me­di­da em que os ní­veis de en­di­vi­da­men­to pú­bli­co es­tão a ser com­por­tá­veis com per­cen­ta­gens do Pro­du­to In­ter­no Bru­to.

Con­tra­ri­a­men­te a ideia de um or­ça­men­to ir­re­a­lis­ta, es­ta­mos pe­ran­te um ins­tru­men­to de exe­cu­ção da política do Exe­cu­ti­vo que pre­ten­de man­ter o rit­mo de cres­ci­men­to da eco­no­mia no seu to­do. É pre­ci­so que te­nha­mos ní­veis de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas que sus­ten­tem des­pe­sas, com ta­xas acei­tá­veis de en­di­vi­da­men­to, pa­ra que no mé­dio e lon­go pra­zos não es­te­ja­mos a ali­men­tar o cres­ci­men­to ten­do co­mo prin­ci­pal o en­di­vi­da­men­to pú­bli­co a ní­veis ca­da vez cres­cen­tes e in­sus­ten­tá­veis.

É gran­de o es­for­ço pa­ra fa­zer cres­cer a com­po­nen­te não pe­tro­lí­fe­ra das con­tri­bui­ções do OGE, a jul­gar pe­lo cres­ci­men­to con­tí­nuo das re­cei­tas fis­cais não pe­tro­lí­fe­ras. Em­bo­ra pre­ci­se­mos cres­cer a um rit­mo aci­ma dos dois dí­gi­tos e de ma­nei­ra pe­re­ne por lar­gos anos, acre­di­ta­mos que pre­ci­sa­mos de ser bem su­ce­di­dos na ma­nu­ten­ção dos ní­veis de exe­cu­ção or­ça­men­tal.

Es­pe­re­mos que os sec­to­res pri­va­dos se sin­tam es­ti­mu­la­dos, no exer­cí­cio do pa­pel que se es­pe­ra dos mes­mos, pa­ra que os es­for­ços dos en­tes es­ta­tais se­jam com­ple­men­ta­dos com uma ro­bus­ta pre­sen­ça do sec­tor pri­va­do. Os ope­ra­do­res pri­va­dos, ins­tru­men­tos im­por­tan­tes na eco­no­mia que se es­tru­tu­ra em An­go­la, sa­bem que po­dem con­tar com o Es­ta­do, em mui­tas cir­cuns­tân­cia, o mai­or par­cei­ro dos mes­mos. Pe­la fren­te, fi­ca o de­sa­fio de to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes pa­ra que o OGE re­vis­to cum­pra com o seu pa­pel na ori­en­ta­ção da vi­da eco­nó­mi­ca de An­go­la, nu­ma al­tu­ra em que par­te dos seus ob­jec­ti­vos são en­co­ra­ja­do­res, no­me­a­da­men­te ga­ran­tir o rit­mo de cres­ci­men­to.

Se­lec­ção Sub-17

Es­tou sa­tis­fei­to com o de­sem­pe­nho da nos­sa Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Sub-17. A vi­tó­ria de cin­co a ze­ro so­bre as Ilhas Co­mo­res de­ve ter sur­pre­en­di­do mui­ta gen­te. Mas não aque­las pes­so­as que acom­pa­nham os tra­ba­lhos dos téc­ni­cos que vêm pre­pa­ran­do os nos­sos jo­vens e bra­vos jo­ga­do­res da se­lec­ção Sub-17.

Es­pe­ro que se con­ti­nue a dar con­di­ções à equi­pa téc­ni­ca que per­mi­tiu que a nos­sa jo­vem se­lec­ção che­gas­se on­de che­gou. Há mui­tos an­go­la­nos a tra­ba­lhar se­ri­a­men­te em prol do nos­so des­por­to, em par­ti­cu­lar

Vi­o­lên­cia do­més­ti­ca

A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca é ain­da um gran­de pro­ble­ma no nos­so país. Há no país ain­da o pro­ble­ma e as pes­so­as de­vem de­nun­ci­ar às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes os ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

É pre­ci­so que se in­cen­ti­ve as pes­so­as a in­for­ma­rem as au­to­ri­da­des so­bre si­tu­a­ções que são le­si­vas de di­rei­tos dos ci­da­dãos con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção e nas leis.

É pre­ci­so por exem­plo de­nun­ci­ar maus tra­tos in­fli­gi­dos a ido­sos e a cri­an­ças por par­te dos seus fa­mi­li­a­res. Há pes­so­as que apa­ren­te­men­te são bem edu­ca­das, mas co­me­tem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.