CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JUSTINA ANTÓNIO LEONEL SIMBA | MARCELINA ANTÓNIO JUVENAL SIL­VA |

Li­xo no Zan­go 4

Há mui­to li­xo no Zan­go 4, de­pois da Rua Se­te. Há cer­ca de dois me­ses, fo­ram ao lo­cal, on­de ha­via gran­de con­cen­tra­ção de re­sí­du­os só­li­dos, vá­ri­os ca­miões, que re­co­lhe­ram o li­xo que lá se en­con­tra­va con­cen­tra­do há mui­to tem­po. Nós, os mo­ra­do­res, fi­cá­mos sa­tis­fei­tos com aque­la ope­ra­ção de lim­pe­za. Acon­te­ce que o li­xo vol­tou a con­cen­trar-se em gran­de quan­ti­da­de na mes­ma rua.

Es­pe­ro que as ope­ra­do­ras de lim­pe­za con­ti­nu­em a re­ti­rar o li­xo com re­gu­la­ri­da­de do Zan­go 4. Os mo­ra­do­res que ha­bi­tam pró­xi­mo da Rua Se­te es­tão pre­o­cu­pa­dos com os re­sí­du­os só­li­dos. Te­mos re­ceio de que as chu­vas que já co­me­ça­ram a cair ve­nham a cau­sar do­en­ças. do fu­te­bol. Que o tra­ba­lho dos téc­ni­cos an­go­la­nos que di­ri­gem a se­lec­ção Sub-17 se­ja va­lo­ri­za­do.

Com es­ta se­lec­ção Sub-17 po­de-se ini­ci­ar um no­vo ci­clo que nos pos­sa le­var a ter no fu­tu­ro uma e ex­ce­len­te se­lec­ção de hon­ras. É bom ir­mos ao CAN de Sub-17 em Ma­da­gás­car.

Mas é mais im­por­tan­te ain­da co­me­çar­mos a tra­ba­lhar pa­ra que es­tes jo­vens jo­ga­do­res ve­nham a ser gran­des fu­te­bo­lis­tas da­qui a três ou qua­tro anos .Tem de se co­me­çar a va­lo­ri­zar o tra­ba­lho dos téc­ni­cos que es­tão nos es­ca­lões de for­ma­ção. Es­tes téc­ni­cos tra­ba­lham ar­du­a­men­te. Não é fá­cil pre­pa­rar a ba­se. Não de­ve­mos ape­nas va­lo­ri­zar o seu tra­ba­lho quan­do há bons re­sul­ta­dos ao ní­vel das se­lec­ções. O seu tra­ba­lho de­ve ser va­lo­ri­za­do per­ma­nen­te­men­te. nos seus la­res ac­tos re­pro­vá­veis con­tra fa­mi­li­a­res seus.

Gos­ta­va que as en­ti­da­des do Es­ta­do vo­ca­ci­o­na­das pa­ra pro­tec­ção de ve­lhos e cri­an­ças, em par­ti­cu­lar, fos­sem mais aten­tas a si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

Há pes­so­as que so­frem imen­so no seu pró­prio lar. É um so­fri­men­to que por ve­zes se pro­lon­ga por me­ses e até anos.

Pro­du­ção in­ter­na

Fala-se ho­je mui­to de pro­du­ção in­ter­na e é bom que ha­ja in­te­res­se em se pro­du­zir mui­to no nos­so país, pa­ra evi­tar­mos a im­por­ta­ção de mui­tos pro­du­tos.

Que os nos­sos em­pre­sá­ri­os se­jam di­nâ­mi­cos e acre­di­tem que é pos­sí­vel pro­du­zir em gran­de quan­ti­da­de e qua­li­da­de.

Há an­go­la­nos que têm por exem­plo mui­ta ex­pe­ri­ên­cia de tra­ba­lho no cam­po, que po­dem re­sol­ver mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas. O cam­po po­de ser de­ci­si­vo pa­ra re­lan­çar­mos a nos­sa in­dús­tria trans­for­ma­do­ra. Te­mos em An­go­la tu­do pa­ra pro­du­zir­mos ali­men­tos pa­ra to­dos e até ex­ce­den­tes pa­ra ex­por­tar.

De­se­jo que a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al no país ga­nhe um gran­de im­pul­so pa­ra que os an­go­la­nos pos­sam vi­ver ca­da vez me­lhor.As em­pre­sas cri­am tam­bém con­di­ções pa­ra que a eco­no­mia re­sol­va mui­tos pro­ble­mas que te­mos.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.