O prag­ma­tis­mo na di­plo­ma­cia do Dr. António Agos­ti­nho Ne­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BELARMINO VAN-DÚNEM

A ba­se dos dis­cur­sos do Pre­si­den­te António Agos­ti­nho Ne­to po­de ser re­su­mi­da em al­gu­mas fra­ses que se trans­for­ma­ram em ver­da­dei­ros hi­nos a ní­vel na­ci­o­nal e no con­ti­nen­te afri­ca­no. “An­go­la é e se­rá por von­ta­de pró­pria trin­chei­ra fir­me da re­vo­lu­ção em Áfri­ca”, “Na Na­mí­bia, no Zim­babwe e na Áfri­ca do Sul es­tá a con­ti­nu­a­ção da nos­sa lu­ta”. Es­tes prin­cí­pi­os fo­ram im­ple­men­ta­dos até à dé­ca­da de 90, al­tu­ra em que a con­jun­tu­ra política na re­gião aus­tral de Áfri­ca e nas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais de for­ma ge­ral mu­da­ram com o fim do con­fli­to Les­teOes­te. Des­te mo­do, co­me­çou a no­va era pa­ra que An­go­la, de fac­to, se trans­for­mas­se no país pi­vot da paz e da es­ta­bi­li­da­de em to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no.

No pe­río­do em que a lu­ta pa­ra a li­ber­ta­ção do ju­go co­lo­ni­al se en­con­tra­va no au­ge a mai­o­ria dos paí­ses li­mí­tro­fes fa­zia um jo­go du­plo e, em mui­tos ca­sos, tri­plo, não de­fi­nin­do cla­ra­men­te o mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção que me­lhor de­fen­dia os in­te­res­ses dos an­go­la­nos. Mas o Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to pro­cu­rou man­ter bo­as re­la­ções com to­dos os Estados. Ten­do em con­ta es­ta nu­an­ce da política ex­ter­na dos Estados da re­gião, e não só, o Pre­si­den­te Ne­to pro­cu­ra­va ava­li­ar bem os fó­runs in­ter­na­ci­o­nais que de­ve­ri­am me­re­cer a sua pre­sen­ça, tal co­mo cons­ta­tou Iko Car­rei­ra.

“Tu­do quan­to fos­se con­si­de­ra­do pe­los seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os co­mo uma vi­tó­ria di­plo­má­ti­ca, era vis­to por Ne­to com um cer­to de­sen­can­to. Ele nun­ca deu mui­ta im­por­tân­cia à lu­ta di­plo­má­ti­ca. A cur­ta ex­pe­ri­ên­cia que ti­nha da ac­ti­vi­da­de di­plo­má­ti­ca era su­fi­ci­en­te pa­ra con­cluir que a di­plo­ma­cia só era con­si­de­ra­da quan­do cor­res­pon­des­se a uma re­al im­ple­men­ta­ção no ter­re­no ou al­gu­ma ac­ti­vi­da­de prá­ti­ca re­le­van­te. Tal po­si­ção ti­nha a sua jus­ti­fi­ca­ção. Ape­sar de con­si­de­rar pe­lo seu jus­to va­lor as ma­no­bras di­plo­má­ti­cas, de que tan­to se or­gu­lha­vam os di­ri­gen­tes da or­ga­ni­za­ção, só ti­nham va­lor pa­ra Ne­to se des­sem lu­gar, mais ou me­nos ime­di­a­ta­men­te, a uma vi­tó­ria. Pa­ra Ne­to eram du­as as ‘li­nhas mes­tras’ da ac­ti­vi­da­de di­plo­má­ti­ca do MPLA: a pri­mei­ra con­sis­tia em ga­nhar a lu­ta pe­lo re­co­nhe­ci­men­to do MPLA no mun­do co­mo o úni­co, o mai­or e me­lhor or­ga­nis­mo de li­ber­ta­ção do po­vo an­go­la­no. Pa­ra is­so im­por­ta­vam as reu­niões dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da OUA, de on­de de­via sair um apoio in­con­di­ci­o­nal ao seu Co­mi­té de Li­ber­ta­ção e a to­das as Co­mis­sões no­me­a­das por tal or­ga­nis­mo”, es­cre­ve Iko Car­rei­ra no li­vro “O Pen­sa­men­to Es­tra­té­gi­co de Agos­ti­nho Ne­to” (Dom Qui­xo­te, 1996).

Por­tan­to, ha­via no pen­sa­men­to es­tra­té­gi­co do Pre­si­den­te Ne­to uma vi­são de di­plo­ma­cia prag­má­ti­ca. Es­se fac­to fez com que a prin­ci­pal ba­se lo­gís­ti­ca do MPLA fos­se ins­ta­la­da na Tan­zâ­nia, em de­tri­men­to dos paí­ses li­mí­tro­fes, por­que, se­gun­do Iko Car­rei­ra, o país ofe­re­cia mai­or se­gu­ran­ça e ha­via uma em­pa­tia es­pe­ci­al en­tre Ne­to e Ju­lius Nye­re­re. Aliás, a Tan­zâ­nia foi con­si­de­ra­da o “san­tuá­rio” dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção da Áfri­ca Aus­tral, tal co­mo afir­mou Jo­a­quim Chis­sa­no, ex-Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que.

O Pre­si­den­te Ne­to ti­nha uma gran­de ten­dên­cia pa­ra a con­cer­ta­ção tan­to com os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção an­go­la­nos co­mo com os paí­ses afri­ca­nos que an­tes de 1975 já ti­nham al­can­ça­do as res­pec­ti­vas in­de­pen­dên­ci­as.

Mes­mo de­pois de An­go­la ter al­can­ça­do a in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, os Estados afri­ca­nos man­ti­nham re­la­ções ofi­ci­ais de Es­ta­do, mas na prá­ti­ca os gru­pos ar­ma­dos ad­ver­sos ao Go­ver­no an­go­la­no cir­cu­la­vam li­vre­men­te por al­guns paí­ses, in­clu­si­ve ob­ti­nham apoio ma­te­ri­al e po­lí­ti­co. Con­ce­di­am pas­sa­por­tes di­plo­má­ti­cos e fa­ci­li­da­des na pas­sa­gem de ma­te­ri­al bé­li­co pa­ra ali­men­tar o es­for­ço de guer­ra no ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Daí a ori­gem do cep­ti­cis­mo que o Pre­si­den­te Agos­ti­nho ma­ni­fes­ta­va em re­la­ção à di­plo­ma­cia. Os prin­cí­pi­os da política ex­ter­na de An­go­la fo­ram de­vi­da­men­te de­li­ne­a­dos na 3ª Reu­nião Ple­ná­ria do Co­mi­té Cen­tral do MPLA re­a­li­za­da em Lu­an­da de 23 a 29 de 1976, se­gun­do a qual “o apa­re­ci­men­to da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la no con­cer­to das Na­ções pro­nun­cia-se pe­lo res­pei­to e apli­ca­ção dos prin­cí­pi­os da car­ta da ONU e da OUA, o es­ta­be­le­ci­men­to e ma­nu­ten­ção de re­la­ções di­plo­má­ti­cas com to­dos os paí­ses do mun­do, na ba­se do res­pei­to mú­tuo, não agres­são e não in­ge­rên­cia nos as­sun­tos in­ter­nos, igual­da­de e re­ci­pro­ci­da­de de van­ta­gens e co­e­xis­tên­cia pa­cí­fi­ca en­tre os Estados com re­gi­mes so­ci­ais di­fe­ren­tes”.

Es­ses prin­cí­pi­os nor­tei­am a política ex­ter­na de An­go­la até aos nos­sos di­as. A Re­pú­bli­ca de An­go­la já nas­ceu co­mo um Es­ta­do vo­ca­ci­o­na­do pa­ra a paz, a so­li­da­ri­e­da­de e o res­pei­to pe­la so­be­ra­nia dos ou­tros Estados, as­sim co­mo pe­los prin­cí­pi­os do di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal que nor­tei­am as re­la­ções in­ter-es­ta­tais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.