Pros­se­guem os con­fron­tos pe­lo pe­tró­leo

COM­BA­TES ECLODEM NA LÍBIA Po­tên­ci­as oci­den­tais aler­tam pa­ra o ris­co de guer­ra ci­vil en­tre os dois go­ver­nos

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Os com­ba­tes de do­min­go na Líbia pe­lo con­tro­lo dos por­tos pe­tro­lí­fe­ros do les­te do país, en­tre guar­das das ins­ta­la­ções, le­ais ao Go­ver­no de União Na­ci­o­nal de Tri­po­li, re­co­nhe­ci­do pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN) e po­tên­ci­as oci­den­tais, e for­ças do Go­ver­no de To­bruk, li­de­ra­das pe­lo ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar, de­mons­tram que a guer­ra ci­vil nes­te país da Áfri­ca do Nor­te es­tá lon­ge do fim.

As for­ças do Go­ver­no de To­bruk, que ac­tua no les­te e per­deu o re­co­nhe­ci­men­to das Na­ções Uni­das , OTAN e de po­tên­ci­as oci­den­tais pa­ra o Go­ver­no de União Na­ci­o­nal de Tri­po­li, de­pois da for­ma­ção des­te, con­quis­ta­ram na se­ma­na pas­sa­da Zu­ei­ti­na, Bre­ga, Ras La­nuf e Al Se­dra, qua­tro ter­mi­nais da re­gião pe­tro­lí­fe­ra do les­te.

An­tes da ofen­si­va, os qua­tro por­tos es­ta­vam nas mãos de uma mi­lí­cia le­al ao go­ver­no de união na­ci­o­nal, com se­de em Tri­po­li e re­co­nhe­ci­do pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

Após a ofen­si­va, a Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo (NOC) anun­ci­ou que re­to­ma­va as ex­por­ta­ções de pe­tró­leo. Ao mes­mo tem­po que diz ser ao go­ver­no de união na­ci­o­nal, a NOC afir­ma apli­car as ins­tru­ções do Parlamento de To­bruk, ins­ta­la­do no les­te e não re­co­nhe­ci­do pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais. Ao re­a­gir a es­tes acon­te­ci­men­tos, as po­tên­ci­as oci­den­tais que apoi­am o Go­ver­no de União Na­ci­o­nal dis­se­ram es­tar pre­o­cu­pa­das “com os ris­cos de uma guer­ra ci­vil fron­tal” en­tre as for­ças do Go­ver­no de União, com se­de em Tri­po­li, e as do go­ver­no do les­te, com se­de em To­bruk.

As po­tên­ci­as oci­den­tais con­de­na­ram os ata­ques con­tra os por­tos pe­tro­lí­fe­ros e ape­la­ram “a to­das as for­ças mi­li­ta­res que es­tão no Cres­cen­te Pe­tro­lí­fe­ro pa­ra se re­ti­ra­rem ime­di­a­ta e in­con­di­ci­o­nal­men­te.”

Me­di­a­ção da ONU

De­pois da con­quis­ta dos por­tos pe­tro­lí­fe­ros pe­lo Go­ver­no de To­bruk, o emis­sá­rio da ONU e che­fe da Mis­são das Na­ções Uni­das de Apoio à Líbia, Mar­tin Ko­bler, reu­niu, no Cai­ro, Egip­to, com o pre­si­den­te do Con­se­lho Pre­si­den­ci­al do Go­ver­no de União Na­ci­o­nal, Fayez al-Sar­raj, pa­ra en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra a cri­se agra­va­da, de­pois do ata­que das tro­pas li­de­ra­das pe­lo ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar con­tra os por­tos pe­tro­lí­fe­ros do les­te do país.

An­tes do en­con­tro com o en­vi­a­do da ONU, Fayez al-Sar­raj, tam­bém che­fe do Go­ver­no de União Na­ci­o­nal da Líbia, con­vi­dou to­das as par­tes en­vol­vi­das no con­fli­to pa­ra ten­tar ti­rar o país do ca­os.

“Pe­ço a to­das as par­tes a pôr fim aos ac­tos pro­vo­ca­do­res e a reu­nir­nos de emer­gên­cia em tor­no de uma me­sa pa­ra dis­cu­tir um me­ca­nis­mo que per­mi­ta a saí­da da cri­se e aca­bar com o con­fli­to”, es­cre­veu o che­fe do Go­ver­no de União Na­ci­o­nal num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do quar­ta-fei­ra na sua pá­gi­na do Fa­ce­bo­ok.

No co­mu­ni­ca­do, Fayez al-Sar­raj lem­brou que o país atra­ves­sa um pe­río­do de tran­si­ção da sua his­tó­ria e su­bli­nha que não vai acei­tar di­ri­gir “uma par­te do país ou uma guer­ra con­tra uma ou­tra par­te Líbia.”

O con­vi­te de Fayez al-Sar­raj, po­rém, só foi fei­to após o seu Go­ver­no per­der os ter­mi­nais de pe­tró­leo pa­ra o Go­ver­no de To­bruk, que ac­tua no les­te da Líbia sem o res­pal­do das po­tên­ci­as oci­den­tais.

Mi­gran­tes na Líbia

O agra­va­men­to da guer­ra ci­vil na líbia de­vi­do à lu­ta pe­lo con­tro­lo dos por­tos pe­tro­lí­fe­ros do Les­te do país acon­te­ce nu­ma al­tu­ra em que há pe­lo me­nos 235 mil imi­gran­tes na Líbia pron­tos pa­ra irem à Itá­lia, as­sim que a opor­tu­ni­da­de sur­gir, afir­mou, na se­ma­na pas­sa­da, nu­ma en­tre­vis­ta ao diá­rio “La Stam­pa”, o en­vi­a­do da ONU à Líbia.

Mar­tin Ko­bler afir­mou na en­tre­vis­ta que o re­for­ço da se­gu­ran­ça “é a ques­tão mais im­por­tan­te nes­te mo­men­to” e se hou­ver um exér­ci­to for­te e uni­do, não fra­gi­li­za­do, “o pe­ri­go do ter­ro­ris­mo e o trá­fi­co dos se­res hu­ma­nos vão aca­bar.”

Da­dos do Mi­nis­té­rio ita­li­a­no do In­te­ri­or in­di­cam que o nú­me­ro de imi­gran­tes pro­ve­ni­en­tes da Itá­lia pe­lo Me­di­ter­râ­neo, des­de o iní­cio do ano, foi de 128.397.

AFP

Mi­lha­res de lí­bi­os fo­gem da sua ter­ra na­tal de­vi­do ao agra­va­men­to da guer­ra ci­vil no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.