Mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra jun­ta em­pre­sá­ri­os

Fer­ti­li­zan­tes e aces­so às di­vi­sas pre­o­cu­pam em­pre­en­de­do­res li­ga­dos à pro­du­ção aví­co­la

Jornal de Angola - - MUNDO - DO­MIN­GOS DOS SAN­TOS |

O no­vo mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra reu­niu on­tem em Lu­an­da com os em­pre­sá­ri­os agrí­co­las pa­ra ini­ci­ar um diá­lo­go per­ma­nen­te, in­clu­si­vo e útil no sen­ti­do de en­con­trar as so­lu­ções pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas que o sec­tor en­fren­ta.

Mar­cos Ale­xan­dre Nhun­ga abor­dou com os em­pre­sá­ri­os, de for­ma aber­ta e fran­ca, os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com o aces­so às di­vi­sas, o pre­ço das ma­té­ri­as-pri­mas, as ta­xas al­fan­de­gá­ri­as e a fal­ta de fer­ti­li­zan­tes.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do Gru­po Lí­der, João Ma­ce­do, la­men­tou as ta­xas al­fan­de­gá­ri­as ac­tu­al­men­te pa­gas que, a da­da al­tu­ra, che­gam a ser mais ca­ras que o pro­du­to im­por­ta­do.

“Re­cen­te­men­te im­por­tá­mos fer­ti­li­zan­tes e quan­do fo­mos pa­gar a ta­xa al­fan­de­gá­ria no va­lor de 150 mil kwan­zas, aca­bá­mos por pa­gar mais de um mi­lhão, tu­do por­que o pro­du­to chei­ra­va mal”, exem­pli­fi­cou o em­pre­sá­rio.

A ad­mi­nis­tra­do­ra da Fa­zen­da Pé­ro­la do Ki­cu­xi, Eli­za­be­te Di­as dos San­tos, fri­sou que a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas do sec­tor pas­sa por ali­ar a te­o­ria à prá­ti­ca, nu­ma al­tu­ra em que o país pre­ci­sa de re­sul­ta­dos que só são ob­ti­dos com tra­ba­lho e in­for­ma­ção cre­dí­vel.

“Se o Exe­cu­ti­vo nos cha­ma pa­ra es­te ti­po de en­con­tros, nós te­mos que tra­zer in­for­ma­ções que per­mi­tam dar um pas­so pa­ra a fren­te e não dez pas­sos pa­ra trás”, dis­se.

Eli­za­be­te Di­as dos San­tos de­fen­deu con­tac­tos di­rec­tos en­tre o Exe­cu­ti­vo e a clas­se em­pre­sa­ri­al pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to de pra­zos de exe­cu­ção ri­go­ro­sos, pa­ra al­can­ce dos re­sul­ta­dos pre­ten­di­dos. “A re­la­ção exis­ten­te até ho­je en­tre o Exe­cu­ti­vo e os pro­du­to­res fun­ci­o­nou até uma al­tu­ra em que o bar­ril do pe­tró­leo o jus­ti­fi­ca­va. Se so­mos par­cei­ros es­tra­té­gi­cos do Exe­cu­ti­vo, tem que exis­tir um con­tac­to di­rec­to pa­ra abor­dar­mos os nos­sos pro­ble­mas”, dis­se.

A ad­mi­nis­tra­do­ra da Fa­zen­da Pé­ro­la do Ki­cu­xi, con­si­de­ra­da a mai­or pro­du­to­ra de ovos do país, la­men­tou o fac­to de mui­tos dos seus co­le­gas na pro­du­ção aví­co­la te­rem en­cer­ra­do as su­as por­tas co­mo re­sul­ta­do da cri­se que o país vi­ve, nu­ma al­tu­ra em que o mer­ca­do re­gis­ta uma gran­de pro­cu­ra de ovos.

A Fa­zen­da Pé­ro­la de Ki­cu­xi, ex­pli­cou, tem es­ta­do a fa­zer uma ges­tão no sen­ti­do de sa­tis­fa­zer to­dos aque­les cli­en­tes que se di­ri­gem às su­as lo­jas, mas mos­trou-se apre­en­si­va com a che­ga­da da qua­dra fes­ti­va, pe­río­do em que pre­vê mai­o­res di­fi­cul­da­des de­vi­do à es­cas­sez de ovos no mer­ca­do na­ci­o­nal. “Va­mos ter aqui um gran­de pro­ble­ma e não gos­ta­ría­mos de ter o nos­so no­me e tra­ba­lho com­pro­me­ti­do em fun­ção des­sa si­tu­a­ção, por­que não é fal­ta de tra­ba­lho, mas sim de di­fi­cul­da­des que obri­ga­ram os nos­sos co­le­gas a en­cer­ra­rem a sua ac­ti­vi­da­de e is­so vai ter um efei­to ne­ga­ti­vo na pro­du­ção de ovos pa­ra a qua­dra fes­ti­va”, afir­mou, lem­bran­do as di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das por um sec­tor de­pen­den­te de im­por­ta­ções, no­me­a­da­men­te o aces­so às di­vi­sas, pro­ble­mas de ener­gia e au­men­to dos pre­ços dos com­bus­tí­veis, que aca­bam por ter um im­pac­to ne­ga­ti­vo na pro­du­ção aví­co­la.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Agri­cul­tu­ra, Jo­sé Ama­ro Ta­ti, no fi­nal da reu­nião, ad­mi­tiu se­rem co­nhe­ci­dos os pro­ble­mas en­fren­ta­dos pe­los em­pre­sá­ri­os do sec­tor, que têm vin­do a ga­nhar con­tor­nos alar­man­tes com o agra­va­men­to da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, pro­vo­ca­da pe­la que­da acen­tu­a­da do pre­ço do bar­ril do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. Acres­cen­tou que es­ses pro­ble­mas pre­ci­sam de ser ur­gen­te­men­te re­sol­vi­dos com so­lu­ções e ac­ções prá­ti­cas.

“Um dos pro­ble­mas é o aces­so às di­vi­sas e o pre­ço das ma­té­ri­as-pri­mas, co­mo o mi­lho pa­ra a pro­du­ção aví­co­la”, su­bli­nhou Ama­ro Ta­ti, acres­cen­tan­do que o adu­bo é nes­te mo­men­to a ma­té­ria-pri­ma mais im­por­tan­te que de­ve ser co­lo­ca­da no mer­ca­do na­ci­o­nal pa­ra con­tor­nar os pro­ble­mas que se co­lo­cam à pro­du­ção agrí­co­la.

“Adu­bos têm que ha­ver em gran­de quan­ti­da­de no país pa­ra que o pe­que­no e o gran­de pro­du­tor pos­sam ter aces­so fá­cil a es­sa ma­té­ria-pri­ma, de for­ma a ga­ran­tir o sus­ten­to da for­ça da pro­du­ção na­ci­o­nal”, des­ta­cou.

A agri­cul­tu­ra re­gis­tou um gran­de cres­ci­men­to nos úl­ti­mos anos, mas Ta­ti aler­tou que se não fo­rem fei­tos es­for­ços enor­mes, os re­sul­ta­dos já al­can­ça­dos po­dem fi­car com­pro­me­ti­dos. “Os pro­gra­mas exis­tem, mas ago­ra pre­ci­sa­mos de ac­ção”, con­cluiu.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Em­pre­sá­ri­os apre­sen­ta­ram du­ran­te o en­con­tro com o mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra o seu pen­sa­men­to so­bre o re­lan­ça­men­to da pro­du­ção agrí­co­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.