Ki­za­ca po­de ser pre­ju­di­ci­al

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - CÉSAR ESTEVES |

Con­su­mir as fo­lhas de man­di­o­quei­ra, vul­go ki­za­ca, no mes­mo dia em que são co­lhi­das, po­de cons­ti­tuir pe­ri­go pa­ra a saú­de hu­ma­na, dis­se on­tem ao

o mé­di­co na­tu­ro­pa­ta Pas­co­al Mu­e­nho. “O me­lhor mes­mo é con­su­mir a ki­za­ca no dia se­guin­te”, sa­li­en­tou.

De acor­do com Pas­co­al Mu­e­nho, a ki­za­ca e a man­di­o­ca pos­su­em um lí­qui­do (lá­tex) que con­tém uma subs­tân­cia tó­xi­ca cha­ma­da li­na­ma­ri­na. “Es­sa subs­tân­cia, que é mais con­cen­tra­da na ki­za­ca cu­ja man­di­o­ca é mui­to amar­ga, po­de ma­tar uma pes­soa ou ani­mal. E quan­do con­su­mi­mos es­sa ki­za­ca, du­ran­te o pro­ces­so di­ges­ti­vo ela trans­for­ma­se num áci­do cha­ma­do ci­a­ne­to, que cau­sa in­to­xi­ca­ção”, ex­pli­cou.

Um dos pro­ce­di­men­tos que se de­ve adop­tar pa­ra re­du­zir a quan­ti­da­de de to­xi­na, se­gun­do Pas­co­al Mu­e­nho, é fer­ver a ki­za­ca an­tes e de­pois de ser pi­sa­da no pi­lau.

A li­na­ma­ri­na, se­gun­do o na­tu­ro­pa­ta, tam­bém é en­con­tra­da na man­di­o­ca do­ce, só que em me­no­res pro­por­ções que na amar­ga. Por is­so, a in­to­xi­ca­ção por in­ges­tão de man­di­o­ca do­ce não é se­ve­ra, mas, su­bli­nha Pas­co­al Mu­e­nho, po­de ser fa­tal pa­ra uma cri­an­ça que a co­ma co­mo pri­mei­ra re­fei­ção. “Te­mos de con­su­mir a man­di­o­ca do­ce de­pois de já ter pas­sa­do um, dois ou três di­as em casa. Aliás, quan­tos mais di­as pas­sar em casa, me­lhor”, acon­se­lhou. Ain­da so­bre a na­tu­re­za da li­na­ma­ri­na, o na­tu­ro­pa­ta dis­se tra­tar-se de uma subs­tân­cia ter­mo­sen­sí­vel e vo­lá­til. “Is­so quer di­zer que quan­do se ex­põe a ki­za­ca a al­ta tem­pe­ra­tu­ra, ela, a li­na­ma­ri­na, co­me­ça a de­sa­pa­re­cer.”

A ex­po­si­ção des­sa to­xi­na é mai­or quan­do se ti­ra a man­di­o­ca do so­lo ou a ki­za­ca da la­vra e se co­me­ça a co­mer na ho­ra. Pa­ra di­mi­nuir o grau de to­xi­da­de, se­gun­do o na­tu­ro­pa­ta, a ki­za­ca de­ve ser co­zi­da com a pa­ne­la des­ta­pa­da. A to­xi­ci­da­de da li­na­ma­ri­na, ex­pli­cou, é que faz com que mui­tas pes­so­as sin­tam, às ve­zes, um pou­co de azia ou in­ges­tão.

A dis­tin­ção da di­fe­ren­ça en­tre a fo­lha da man­di­o­quei­ra com o grau mais ele­va­do de to­xi­da­de e a com me­nor grau, de acor­do com o tam­bém na­tu­ro­pa­ta Jo­sé Ngue­pe, só é pos­sí­vel atra­vés da man­di­o­ca. “Se pro­var­mos a man­di­o­ca, va­mos en­con­trar umas que são do­ces e ou­tras amar­gas. As man­di­o­cas amar­gas têm as fo­lhas com um grau de to­xi­ci­da­de mais ele­va­do. Es­sas é que fa­zem mal, dis­se.

De acor­do com Jo­sé Ngue­pe, os sin­to­mas por in­to­xi­ca­ção de ki­za­ca con­sis­tem em ton­tu­ra, per­da de ac­ção das per­nas, di­fi­cul­da­de de vi­são, vó­mi­tos e di­ar­reia. Pa­ra evi­tar a mor­te, de­ve-se fa­zer pi­sar um pe­da­ço de car­vão ve­ge­tal, di­luí-lo em água e dar à pes­soa afec­ta­da du­as co­lhe­res de so­pa de uma em uma ho­ra, até che­gar ao hos­pi­tal. “O car­vão ve­ge­tal aju­da mui­to a neu­tra­li­zar o ve­ne­no”, con­cluiu o mé­di­co na­tu­ro­pa­ta Jo­sé Ngue­pe.

SAN­TOS PE­DRO

As fo­lhas de man­di­o­quei­ra es­tão pre­sen­tes na ali­men­ta­ção tí­pi­ca de to­das as re­giões do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.