Ex­po­si­ção in­ti­mis­ta no Ca­mões

Jornal de Angola - - LAZER -

Uma ex­po­si­ção de fo­to­gra­fia in­ti­tu­la­da “Out of box - a vi­da pró­pria dos con­ten­to­res ma­rí­ti­mos”, do ar­tis­ta Bru­no Fon­se­ca, é inau­gu­ra­da dia 27, às 18h30, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da, e fi­ca pa­ten­te até ao dia 11 de Ou­tu­bro.

So­bre a ex­po­si­ção, um co­mu­ni­ca­do do Ca­mões re­fe­re que a mos­tra apre­sen­ta um tra­ba­lho do­cu­men­tal, re­a­li­za­do ao lon­go dos úl­ti­mos qua­tros anos, em 11 paí­ses de três con­ti­nen­tes di­fe­ren­tes.

De An­go­la à Es­can­di­ná­via, pas­san­do pe­la Eu­ro­pa Cen­tral e Amé­ri­ca do Sul, uma vi­a­gem de des­co­ber­ta da di­ver­si­da­de da fun­ção do con­ten­tor, que ao lon­go do tem­po tem re­gis­ta­do gran­des me­ta­mor­fo­ses, ajus­tan­do a sua fun­ção a múl­ti­plas ne­ces­si­da­des hu­ma­nas, de acor­do com a cul­tu­ra de ca­da lu­gar.

O con­cei­to de con­ten­tor, co­mo meio de trans­por­te de mer­ca­do­ri­as no al­to mar, foi evo­luin­do, ao lon­go do tem­po, su­ce­den­do-lhe, em ca­ta­du­pa, ou­tras re­a­li­da­des.

Nas pa­la­vras do ar­tis­ta, “um con­ten­tor é tam­bém, uma mer­ce­a­ria, um bar­bei­ro, um es­cri­tó­rio, um ar­ma­zém, um bar…uma ja­ne­la aber­ta. Os con­ten­to­res li­ber­ta­ram­se da sua uti­li­da­de ini­ci­al e ad­qui­ri­ram vi­da pró­pria, ajus­tan­do-se a ga­nhar di­men­são co­mo ob­jec­tos mul­ti­fun­ci­o­nais”, re­al­ça o co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa.

O co­mu­ni­ca­do des­ta­ca que o tra­ba­lho “Out of box” é uma vi­são in­ti­mis­ta e do­cu­men­tal de Bru­no Fon­se­ca, so­bre os con­ten­to­res ma­rí­ti­mos e as múl­ti­plas reu­ti­li­za­ções de que é ob­jec­to.

Com 21 tra­ba­lhos em fo­to­gra­fia, tan­tos quan­tos os anos que vi­ve em An­go­la, o ar­tis­ta cha­ma aten­ção ao des­per­tar o es­pec­ta­dor pa­ra uma re­a­li­da­de pró­xi­ma e tão pre­sen­te no quo­ti­di­a­no.

A fer­ra­men­ta pa­ra a pro­du­ção das ima­gens foi uma câ­ma­ra de mé­dio for­ma­to 6X6, Mamyia, mo­de­lo 6MF, e fo­ram uti­li­za­dos fil­mes Ko­dak Ek­tar 100 e Fu­ji­ch­ro­me Vel­via 50 e 100. Bru­no Fon­se­ca nas­ceu em 1972 em Por­tu­gal, on­de con­cluiu o cur­so profissional de Fo­to­gra­fia, no Ins­ti­tu­to Por­tu­guês de Fo­to­gra­fia (IPF). De­pois dis­so, co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo fre­e­lan­cer.

So­bre o ar­tis­ta

A vi­ver em An­go­la des­de 1995, co­la­bo­rou com a agên­cia de no­tí­ci­as por­tu­gue­sa (Lu­sa), sen­do re­pre­sen­ta­do pe­la Agên­cia 4SEE des­de 2012. Vi­a­jan­te apai­xo­na­do, as su­as fo­tos cap­tu­ram o no­vo, a sur­pre­sa e res­pon­dem aos sen­ti­dos: olhar, pe­la pri­mei­ra vez, sen­tir, pe­la pri­mei­ra vez, apai­xo­nar-se pe­la pri­mei­ra vez.

O seu tra­ba­lho na fo­to­gra­fia do­cu­men­tal tem in­ci­di­do so­bre­tu­do nos as­pec­tos so­ci­ais e cul­tu­rais de co­mu­ni­da­des em Por­tu­gal e An­go­la. Es­te­ve pre­sen­te em ex­po­si­ções co­lec­ti­vas e in­di­vi­du­ais em Por­tu­gal, Es­lo­vá­quia, An­go­la e Aus­trá­lia e o seu tra­ba­lho é pu­bli­ca­do re­gu­lar­men­te nos prin­ci­pais jor­nais/re­vis­tas por­tu­gue­ses e em vá­ri­os mei­os de co­mu­ni­ca­ção in­ter­na­ci­o­nais.

Re­cen­te­men­te, par­ti­ci­pou nu­ma residência ar­tís­ti­ca da Fun­da­ção Bi­e­nal de Cer­vei­ra, on­de de­sen­vol­veu um tra­ba­lho do­cu­men­tal de me­mó­ria so­bre o sal­to: fe­nó­me­no de emi­gra­ção clan­des­ti­na pa­ra Fran­ça na dé­ca­da de 70, que foi se­lec­ci­o­na­do pa­ra a XVIII Bi­e­nal de Cer­vei­ra de 2015, uma mos­tra co­lec­ti­va que­per­mi­tiu dar con­ti­nui­da­de ao mo­de­lo im­ple­men­ta­do em 1978, aquan­do da sua pri­mei­ra edi­ção, as­sen­te nu­ma es­tra­té­gia de des­cen­tra­li­za­ção cul­tu­ral e na di­men­são in­ter­na­ci­o­nal do even­to, apre­sen­tan­do as mais re­cen­tes re­a­li­za­ções ar­tís­ti­cas e ten­dên­ci­as es­té­ti­cas.

BRU­NO FON­SE­CA

A di­ver­si­da­de da fun­ção e uti­li­da­de do con­ten­tor re­pre­sen­tam a ba­se da ex­po­si­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.