RE­LA­TÓ­RIO DO PRI­MEI­RO TRI­MES­TRE Fun­do So­be­ra­no anun­cia re­sul­ta­dos

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O Fun­do So­be­ra­no de An­go­la (FSDEA) anun­ci­ou on­tem, em co­mu­ni­ca­do, o re­gis­to de 4,56 mil mi­lhões de dó­la­res (760 mil mi­lhões de kwan­zas) em ac­ti­vos no fim do pri­mei­ro tri­mes­tre, 59 por cen­to dos quais des­ti­na­dos a in­ves­ti­men­tos em An­go­la e paí­ses da Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na.

Num re­la­tó­rio so­bre os re­sul­ta­dos do pri­mei­ro tri­mes­tre, o FSDEA de­cla­rou uma car­tei­ra de tí­tu­los e va­lo­res mo­bi­liá­ri­os - obri­ga­ções, ac­ções e fun­dos de co­ber­tu­ra - na­que­le pe­río­do ava­li­a­da em 1,84 mil mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 397 mil mi­lhões de kwan­zas).

O do­cu­men­to re­ve­la a pre­vi­são de con­tri­bui­ções ci­fra­das em 250 mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 42 mil mi­lhões de kwan­zas) pa­ra um pro­gra­ma em que o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra ce­deu ao Fun­do se­te fa­zen­das de lar­ga es­ca­la no Bié, Cu­ne­ne, Ma­lan­je, Mo­xi­co, Cuando Cubango, Uí­ge e Zai­re, ao to­do 72 mil hec­ta­res de pe­rí­me­tros agrí­co­las de­di­ca­dos à pro­du­ção de grãos, ole­a­gi­no­sas e ar­roz.

O FSDEA no­ta que o in­ves­ti­men­to agrí­co­la per­mi­te ace­der aos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais das ma­té­ri­as-pri­mas agrí­co­las, re­du­zir a im­por­ta­ção de ali­men­tos e apoi­ar a di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca na­ci­o­nal, im­pul­si­o­nan­do o agro-ne­gó­cio e a in­dus­tri­a­li­za­ção.

A de­ci­são de in­ves­ti­men­to nes­ses ne­gó­ci­os é ba­se­a­da no fac­to da agri­cul­tu­ra em­pre­gar mais de me­ta­de da po­pu­la­ção an­go­la­na e ter ele­va­do po­ten­ci­al de au­men­tar o ren­di­men­to das po­pu­la­ções ao ní­vel das ba­ses e apoi­ar o sur­gi­men­to de no­vas opor­tu­ni­da­des pa­ra o sec­tor pri­va­do na ca­deia agro-ali­men­tar.

O pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do FSDEA de­cla­rou, ao co­men­tar es­tes de­sen­vol­vi­men­tos, que o in­ves­ti­men­to na ac­ti­vi­da­de agrí­co­la ofe­re­ce re­cei­tas es­tá­veis e de lon­go pra­zo e di­ver­si­fi­ca a car­tei­ra de ac­ti­vos.

Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos es­ti­ma, a es­te pro­pó­si­to, que “a cres­cen­te clas­se mé­dia dos paí­ses emer­gen­tes, a su­bi­da dos ní­veis de ren­di­men­to e a ex­pan­são das zo­nas ur­ba­ni­za­das ten­de a au­men­tar a pro­cu­ra de ali­men­tos” e os pre­ços das ma­té­ri­as­pri­mas agrí­co­las. “A lon­go pra­zo, o FSDEA e ou­tros in­ves­ti­do­res des­te ra­mo al­can­ça­rão ele­va­das re­cei­tas lí­qui­das”, pre­vê.

Sem de­sem­bol­sos

O FSDEA con­cluiu em 2014 a cons­ti­tui­ção de or­ga­nis­mos de in­ves­ti­men­to co­lec­ti­vo em ra­mos de ele­va­do cres­ci­men­to, co­mo os das in­fra-es­tru­tu­ras, imo­bi­liá­rio, agri­cul­tu­ra, sil­vi­cul­tu­ra, saú­de, mi­ne­ra­ção e ca­pi­tal es­tru­tu­ra­do na re­gião sub­sa­a­ri­a­na de Áfri­ca, sem que os de­sem­bol­sos te­nham si­do to­tal­men­te fei­tos de­vi­do à vo­la­ti­li­da­de dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais.

A alo­ca­ção ac­tu­al de 2,7 mil mi­lhões de dó­la­res (450 mil mi­lhões de kwan­zas) con­sis­te em ca­pi­tal so­ci­al re­a­li­za­do nos se­te or­ga­nis­mos de in­ves­ti­men­to co­lec­ti­vo cer­ti­fi­ca­dos e re­gu­la­dos pe­la Co­mis­são de Ser­vi­ços Fi­nan­cei­ros das Mau­rí­ci­as, pa­ra de­sen­vol­ver ne­gó­ci­os em ra­mos es­tra­té­gi­cos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la e da re­gião en­vol­ven­te.

O do­cu­men­to apre­sen­ta nú­me­ros das de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras do FSDEA de 2015, ain­da sob au­di­to­ria, em que se afir­ma que, na­que­le ano, 19 por cen­to dos 1,1 mil mi­lhões de dó­la­res (183 mil mi­lhões de kwan­zas) pre­vis­tos pa­ra o fun­do de in­fra-es­tru­tu­ra fi­ca­ram in­ves­ti­dos em pro­jec­tos lo­ca­li­za­dos em An­go­la e no Qué­nia.

Vin­te e três por cen­to dos 500 mi­lhões (83 mil mi­lhões) do fun­do imo­bi­liá­rio fo­ram in­ves­ti­dos em pro­jec­tos ho­te­lei­ros em An­go­la e Zâm­bia, dez por cen­to dos 220 mi­lhões (cer­ca de 37 mil mi­lhões) do fun­do de sil­vi­cul­tu­ra nu­ma con­ces­são de lar­ga es­ca­la de eu­ca­lip­tos em An­go­la e dois por cen­to dos 245 mi­lhões (41 mil mi­lhões) do fun­do de mi­ne­ra­ção es­tão num pro­jec­to mi­nei­ro na Mau­ri­tâ­nia.

O FSDEA afir­ma que 12 por cen­to dos 190 mi­lhões (32 mil mi­lhões) do fun­do de ca­pi­tal es­tru­tu­ra­do es­tão in­ves­ti­dos num ac­ti­vo lo­ca­li­za­do na Áfri­ca do Sul e gran­de par­te dos 465 mi­lhões de dó­la­res (77 mil mi­lhões) pre­vis­tos pa­ra os fun­dos da agri­cul­tu­ra e saú­de é de­sem­bol­sa­da es­te ano. O Fun­do de­cla­ra que ape­nas fo­ram apli­ca­dos em in­ves­ti­men­tos di­rec­tos em An­go­la e na Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na 407 mi­lhões (67 mil mi­lhões) dos 2,7 mil mi­lhões de dó­la­res (450 mil mi­lhões) pre­vis­tos.

O pe­río­do de in­ves­ti­men­to do pa­tri­mó­nio lí­qui­do des­tes fun­dos de ca­pi­tal de ris­co é de três a cin­co anos, ao pas­so que a du­ra­ção da alo­ca­ção po­de as­cen­der aos dez anos e só em 2020 é que es­tá con­cluí­do o de­sem­bol­so de três mil mi­lhões de dó­la­res (500 mil mi­lhões de kwan­zas) pa­ra os se­te fun­dos de ca­pi­tal de ris­co.

No­vas nor­mas

O Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças au­to­ri­zou o Fun­do So­be­ra­no a adop­tar as Nor­mas In­ter­na­ci­o­nais de Re­la­to Fi­nan­cei­ro (IFRS), nos seus re­gis­tos con­ta­bi­lís­ti­cos e de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras até 2017, anun­cia o co­mu­ni­ca­do.

O FSDEA de­cla­ra no do­cu­men­to que, à luz do seu com­pro­mis­so com as bo­as prá­ti­cas e a trans­pa­rên­cia, pro­jec­ta uma adop­ção cé­le­re que vi­sa per­mi­tir que as de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras do exer­cí­cio de 2015 es­te­jam com­pa­tí­veis com as IFRS.

As nor­mas in­ter­na­ci­o­nais de re­la­to fi­nan­cei­ro são con­si­de­ra­das as mais ri­go­ro­sas na apre­sen­ta­ção de re­sul­ta­dos fi­nan­cei­ros a ní­vel mun­di­al. A tran­si­ção do Pla­no Con­ta­bi­lís­ti­co das Ins­ti­tui­ções Fi­nan­cei­ras (CONTIF) pa­ra o IFRS per­mi­ti­rá ao FSDEA ex­por os da­dos re­la­ti­vos às su­as ope­ra­ções e in­ves­ti­men­tos com mais de­ta­lhe e ri­gor do que an­te­ri­or­men­te, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do.

“O FSDEA pre­ten­de jun­tar-se aos pri­mei­ros ade­ren­tes das IFRS em An­go­la. O fac­to de o CONTIF e o Pla­no Ge­ral de Con­ta­bi­li­da­de (PGC) li­mi­ta­rem a de­mons­tra­ção do es­co­po da es­tra­té­gia, in­ves­ti­men­to e re­cei­tas da ins­ti­tui­ção pre­o­cu­pa-nos bas­tan­te, por­que o FSA per­ten­ce a to­dos os an­go­la­nos e a sua ad­mi­nis­tra­ção de­ve com­pro­me­ter-se com os ní­veis mais ele­va­dos de trans­pa­rên­cia e boa go­ver­na­ção”, de­cla­rou o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do Fun­do.

MAVITIDI MULAZA

Pre­si­den­te do Fun­do So­be­ra­no de An­go­la Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos no Uí­ge

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.