Os tra­ba­lha­do­res do cam­po

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Nu­ma al­tu­ra em que a pa­la­vra de or­dem é di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca faz to­do o sen­ti­do que nos con­cen­tre­mos nos fun­da­men­tos pa­ra efec­ti­var es­te pro­ces­so. To­dos os di­as ou­vi­mos que di­ver­si­fi­car a eco­no­mia le­va­rá o seu tem­po, sen­do im­por­tan­te re­cu­pe­rar gran­de par­te do tem­po per­di­do. A agri­cul­tu­ra, en­quan­to sec­tor pri­má­rio, cons­ti­tui uma ba­se in­subs­ti­tuí­vel pa­ra trans­for­mar a la­vou­ra a to­dos os ní­veis num im­por­tan­te pon­to de par­ti­da pa­ra er­ra­di­car mui­tos in­di­ca­do­res so­ci­ais que nos pre­o­cu­pam a to­dos.

De Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, con­ta­mos es­sen­ci­al­men­te com a agri­cul­tu­ra pa­ra er­ra­di­car a fo­me, a po­bre­za, o de­sem­pre­go e vi­a­bi­li­zar o re­lan­ça­men­to do sec­tor se­cun­dá­rio pa­ra fo­men­tar o em­pre­go, alar­gar a pro­du­ti­vi­da­de, agre­gar va­lor aos nos­sos pro­du­tos e tor­ná-los com­pe­ti­ti­vos.

Não é exa­ge­ra­do di­zer que te­mos ter­ras ará­veis e água em abun­dân­cia que, em con­di­ções nor­mais, ser­vi­ri­am pa­ra trans­for­mar An­go­la num ce­lei­ro da re­gião em que se en­con­tra in­se­ri­da. As nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des, se de­vi­da e ri­go­ro­sa­men­te apro­vei­ta­das, cons­ti­tu­em gran­de par­te da ca­mi­nha­da que fa­ría­mos sem os re­cur­sos de que dis­po­mos, nu­ma al­tu­ra em que o sec­tor pú­bli­co e pri­va­do dão mui­tas pro­vas. Se olhar­mos pa­ra a pro­du­ção por es­co­ar, re­sul­tan­te dos pro­jec­tos de pe­que­na, mé­dia e gran­de di­men­são, pú­bli­cos e pri­va­dos, não há dú­vi­das de que os nú­me­ros são ele­va­dos. E pre­ci­sam de con­ti­nu­ar a ser en­co­ra­ja­dos, ten­do co­mo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo a eli­mi­na­ção dos des­per­dí­ci­os que se re­gis­tam ain­da em de­ter­mi­na­das re­giões do país.

Mui­ta coi­sa já es­tá a ser fei­ta, so­bre­tu­do quan­do olha­mos pa­ra nu­me­ro­sas ini­ci­a­ti­vas, pú­bli­cas e pri­va­das, com re­sul­ta­dos que pre­ci­sam de ser pre­ser­va­dos pa­ra que as apos­tas no sec­tor da agri­cul­tu­ra con­ti­nu­em a ge­rar os fru­tos. O país ca­mi­nha gra­du­al­men­te pa­ra atin­gir me­tas que vão trans­for­mar o sec­tor agrí­co­la, por via do qual to­dos os sec­to­res es­tru­tu­ran­tes da eco­no­mia se vão for­ta­le­cer. A apos­ta na agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar cons­ti­tui em mui­tas co­mu­ni­da­des do in­te­ri­or uma re­a­li­da­de.

A agri­cul­tu­ra re­gis­tou enor­mes pro­gres­sos nos úl­ti­mos anos, co­mo re­co­nhe­ceu o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Ama­ro Ta­ti, no en­con­tro que os res­pon­sá­veis do sec­tor man­ti­ve­ram com os em­pre­sá­ri­os agrí­co­las.

Tra­tou-se em gran­de me­di­da de um fren­te-a-fren­te en­vol­ven­do as en­ti­da­des com poder de de­ci­são na im­ple­men­ta­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas li­ga­das à agri­cul­tu­ra e aque­les que fa­zem da ter­ra o seu ga­nha-pão.

É ver­da­de que mui­to há ain­da por se fa­zer, so­bre­tu­do quan­do olha­mos pa­ra as ne­ces­si­da­des por que pas­sa a mai­o­ria dos em­pre­sá­ri­os agrí­co­las na ho­ra de im­por­ta­ção de ma­té­ri­as-pri­mas, quan­do li­dam com ta­xas al­fan­de­gá­ri­as proi­bi­ti­vas, en­tre ou­tras ca­rên­ci­as.

Nu­ma al­tu­ra de di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das pe­lo sec­tor agrí­co­la, não há dú­vi­das de que o mais im­por­tan­te pas­sa tam­bém pe­la con­gre­ga­ção de es­for­ços e idei­as pa­ra a bus­ca das me­lho­res so­lu­ções. Foi bom sa­ber que os em­pre­sá­ri­os agrí­co­las en­ca­ra­ram no en­con­tro to­tal aber­tu­ra da par­te do mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, Mar­cos Nhun­ga que, jun­to dos “ho­mens do cam­po” re­a­fir­mou o com­pro­mis­so do Exe­cu­ti­vo em fa­zer da agri­cul­tu­ra um dos es­tei­os da nos­sa eco­no­mia. Acre­di­ta­mos que se es­se diá­lo­go en­tre de­ci­so­res pú­bli­cos e em­pre­sá­ri­os agrí­co­las for per­ma­nen­te, me­lhor sa­be­rão am­bas as par­tes en­ten­der di­fi­cul­da­des e cons­tran­gi­men­tos en­fren­ta­dos por ca­da uma de­las.

Em­bo­ra vi­va­mos com pro­ble­mas li­ga­dos ao aces­so às di­vi­sas, da fal­ta de adu­bos, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes cons­tran­gi­men­tos, não é me­nos re­le­van­te re­for­çar a ideia de que as si­tu­a­ções que po­dem ser sa­na­das in­ter­na­men­te de­vi­am há mui­to es­tar re­sol­vi­das sob pe­na de atro­pe­los ao pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção. Não po­de­mos con­vi­ver com si­tu­a­ções que de­vem ser ul­tra­pas­sa­das ao ní­vel das al­fân­de­gas, cu­jas ta­xas aten­tam con­tra o es­pí­ri­to de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, do fi­nan­ci­a­men­to ina­ces­sí­vel pa­ra mui­tos pro­du­to­res, en­tre ou­tras di­fi­cul­da­des. As ins­ti­tui­ções do Es­ta­do de­vem re­for­çar as apos­tas na­que­les em­pre­sá­ri­os agrí­co­las com pro­vas da­das, tal co­mo su­ce­de com ou­tros nu­me­ro­sos que se en­con­tram um pou­co por to­do o país com­pro­me­ti­dos com a pro­du­ção.

Não se po­de es­pe­rar ou­tra ac­tu­a­ção da par­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, sob pe­na de com­pro­me­ter to­dos os es­for­ços da­que­les que se em­pe­nham em ini­ci­a­ti­vas de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. Se por um la­do, são in­tei­ra­men­te com­pre­en­sí­veis os cons­tran­gi­men­tos que de­pen­dem me­nos das ins­ti­tui­ções an­go­la­nas, de­vem ser com­ple­ta­men­te evi­tá­veis ques­tões li­ga­das à se­gu­ran­ça, de­vi­do ao ín­di­ce de rou­bos nas fa­zen­das.

É fun­da­men­tal que ha­ja con­tí­nua con­ju­ga­ção de es­for­ços e con­gre­ga­ção de idei­as en­tre de­ci­so­res pú­bli­cos e os em­pre­sá­ri­os agrí­co­las pa­ra im­ple­men­ta­ção con­cer­ta­da dos pro­jec­tos. Es­pe­re­mos que a ini­ci­a­ti­va pa­ra o diá­lo­go per­ma­nen­te en­tre os de­ci­so­res po­lí­ti­cos e os em­pre­sá­ri­os agrí­co­las, fac­to que de­ve ser enal­te­ci­do, con­tri­bua pa­ra me­lho­ri­as no re­la­ci­o­na­men­to e im­ple­men­ta­ção de pro­jec­tos. Quan­to mai­or for a aber­tu­ra pa­ra aus­cul­tar os “ho­mens do cam­po”, en­quan­to pes­so­as que li­dam com a ter­ra e en­fren­tam os pro­ble­mas, mai­o­res são os ga­nhos des­ta par­ce­ria.

Obs­tru­ção de pas­sei­os

Te­nho as­sis­ti­do na ci­da­de de Lu­an­da, com mui­ta frequên­cia, à obs­tru­ção de pas­sei­os e de vi­as ro­do­viá­ri­as, pa­ra re­a­li­za­ção de fes­tas ou pa­ra cul­tos re­li­gi­o­sos. Nin­guém tem o di­rei­to de obs­truir pas­sei­os ou vi­as ro­do­viá­ri­as, se­não com a de­vi­da au­to­ri­za­ção das au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes. É pre­ci­so aca­bar com es­ta prá­ti­ca de im­pe­dir por exem­plo peões de cir­cu­lar por pas­sei­os, por­que al­guém ar­bi­tra­ri­a­men­te en­ten­deu obs­truí­los, pa­ra di­ver­sos fins, ge­ral­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.