CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALI­CE JOÃO| LOU­REN­ÇO ANTÓNIO| LE­AN­DRO PIN­TO | MÁR­CIA PANZO SI­MÃO LU­CAS

Sa­gra­da Es­pe­ran­ça sem água

Há cer­ca de uma se­ma­na que não sai água das tor­nei­ras no bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. Os mo­ra­do­res não sa­bem das ra­zões da fal­ta de abas­te­ci­men­to de água. Gos­ta­va que hou­ves­se da par­te da Epal uma ex­pli­ca­ção pa­ra a in­ter­rup­ção de abas­te­ci­men­to de água no meu bair­ro, que per­ten­ce ao Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga. Mui­tos mo­ra­do­res já se sen­tem afli­tos com as in­ter­rup­ções do abas­te­ci­men­to de água, mes­mo aque­les que têm tan­ques, uma vez que as re­ser­vas do pre­ci­o­so lí­qui­do se es­tão es­go­tar. Ape­lo à Epal pa­ra que aten­da es­ta pre­o­cu­pa­ção que é a de mui­tos mo­ra­do­res do bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. O mais im­por­tan­te, não nos es­que­ça­mos, é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo. Apro­vei­to es­te espaço pa­ra in­cen­ti­var a Epal a con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar ar­du­a­men­te no sen­ti­do de le­var a água po­tá­vel a mi­lha­res de la­res. co­mer­ci­ais. Os pas­sei­os não fo­ram fei­tos pa­ra se re­a­li­za­rem ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais.

Pen­so que os ci­da­dãos de­vem de­nun­ci­ar às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes quan­do há obs­tru­ção ile­gal de pas­sei­os e vi­as ro­do­viá­ri­as.

Me­ren­da es­co­lar

Gos­ta­va que no pró­xi­mo ano lec­ti­vo se re­gu­la­ri­zas­se a dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar aos alu­nos das es­co­las pri­má­ri­as pú­bli­cas. Era bom que no pró­xi­mo Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do se fi­xas­se tam­bém des­pe­sa com a dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar às cri­an­ças que es­tão na es­co­las pri­má­ri­as do Es­ta­do. Te­nho no­ta­do que, com a ac­tu­al cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, mui­tas fa­mí­li­as têm di­fi­cul­da­des em ga­ran­tir to­dos os di­as re­fei­ções, lo­go pe­la ma­nhã, às cri­an­ças que vão à es­co­la, o que tem le­va­do mui­tos alu­nos do en­si­no pri­má­rio a de­sis­tir da es­co­la. Pen­so que se o Es­ta­do for­ne­ces­se com re­gu­la­ri­da­de me­ren­da es­co­lar às cri­an­ças no en­si­no pri­má­rio im­pe­di­ria que mui­tos alu­nos de­sis­tis­sem da es­co­la. No pas­sa­do, mui­tas cri­an­ças me di­zi­am que não fal­ta­vam às aulas por­que po­di­am re­ce­ber a me­ren­da es­co­lar.

Va­las de dre­na­gem

Era bom que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais da província de Lu­an­da sen­si­bi­li­zas­sem as po­pu­la­ções no sen­ti­do de não de­po­si­ta­rem li­xo nas va­las de dre­na­gem. As pes­so­as pre­ci­sam de sa­ber da fun­ção das va­las de dre­na­gem. Pen­so que com cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção por via de ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al se po­de­ria evi­tar que os ci­da­dãos con­ti­nu­as­sem a de­po­si­tar re­sí­du­os só­li­dos nas re­fe­ri­das va­las. É ne­ces­sá­rio que as pes­so­as sai­bam que, se co­lo­ca­rem li­xo nas va­las de dre­na­gem, is­so re­sul­ta­rá em gra­ves pre­juí­zos pa­ra elas pró­pri­as. Já es­ta­mos em épo­ca das chu­vas e con­vém que se to­mem ime­di­a­ta­men­te as me­di­das ne­ces­sá­ri­as, pa­ra se evi­ta­rem pro­ble­mas. Sei que o Go­ver­no de Lu­an­da já to­mou me­di­das pa­ra se re­ti­ra­rem os re­sí­du­os só­li­dos das va­las de dre­na­gem e das va­le­tas. Mas im­por­ta que as pes­so­as dei­xem de­fi­ni­ti­va­men­te de de­po­si­tar nes­sas va­las e va­le­tas os re­sí­du­os só­li­dos, pa­ra não ter­mos de vi­ver sem­pre os mes­mos pro­ble­mas.

Com­ba­te à es­pe­cu­la­ção

É ver­da­de que os pre­ços de di­ver­sos pro­du­tos au­men­ta­ram con­si­de­ra­vel­men­te de­vi­do à fal­ta de mer­ca­do­ri­as. Mas tam­bém é ver­da­de que mui­tos co­mer­ci­an­tes se apro­vei­tam da si­tu­a­ção de cri­se pa­ra es­pe­cu­lar. Gos­ta­va que as en­ti­da­des com­pe­ten­tes li­ga­das à fis­ca­li­za­ção das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas es­ti­ves­sem mais aten­tas à es­pe­cu­la­ção, que pe­na­li­za os ci­da­dãos, so­bre­tu­do os que só vi­vem do seu sa­lá­rio.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.