A po­lé­mi­ca das Mal­vi­nas

Jornal de Angola - - OPINIÃO - RO­DRI­GO GARCÍAMELERO |

O “no­vo cli­ma” que a Ar­gen­ti­na e o Rei­no Uni­do pro­cu­ram nas su­as re­la­ções após a re­cen­te visita a Bu­e­nos Ai­res do mi­nis­tro bri­tâ­ni­co pa­ra a Eu­ro­pa e Amé­ri­ca, AlanDun­can, re­a­que­ceu a con­tro­vér­sia so­bre o diá­lo­go en­tre os paí­ses so­bre as Ilhas Mal­vi­nas.

“A exi­gên­cia de so­be­ra­nia ar­gen­ti­na so­bre as Ilhas Mal­vi­nas é uma rei­vin­di­ca­ção per­ma­nen­te e não ne­go­ciá­vel de to­dos os ar­gen­ti­nos”, dis­se se­gun­da-fei­ra o pre­si­den­te da Ar­gen­ti­na, Mauricio Ma­cri, em en­tre­vis­ta em No­va Ior­que, on­de es­tá a par­ti­ci­par na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU.

As de­cla­ra­ções de Ma­cri vêm pre­ce­di­das de mui­tas crí­ti­cas, fei­tas pe­la opo­si­ção e até por sec­to­res do go­ver­no, que ga­ran­tem que Ma­cri es­tá a des­res­pei­tar uma lei de ra­ti­fi­ca­ção de uma so­be­ra­nia que a Ar­gen­ti­na rei­vin­di­ca des­de 1833 e que foi mo­ti­vo da guer­ra de 1982.

A po­lé­mi­ca re­mon­ta à última ter­ça-fei­ra, de­pois da di­vul­ga­ção de um co­mu­ni­ca­do con­jun­to en­tre a Ar­gen­ti­na e o Rei­no Uni­do em re­sul­ta­do da visita de Dun­can a Bu­e­nos Ai­res. O mi­nis­tro bri­tâ­ni­co par­ti­ci­pou num fó­rum de in­ves­ti­men­tos e te­ve en­con­tros com as au­to­ri­da­des ar­gen­ti­nas.

No tex­to, os dois go­ver­nos con­cor­dam em dar ên­fa­se a uma agen­da po­si­ti­va, es­trei­tar ain­da mais os vín­cu­los bi­la­te­rais e es­ta­be­le­cer um “diá­lo­go pa­ra me­lho­ra­rem a co­o­pe­ra­ção em to­dos os as­sun­tos de in­te­res­se re­cí­pro­co no Atlân­ti­co Sul”, on­de fi­cam as Mal­vi­nas.

Ape­sar de ha­ver uma re­fe­rên­cia es­pe­cí­fi­ca à in­ten­ção de “re­mo­ver obs­tá­cu­los” que “li­mi­tam” o cres­ci­men­to e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel das Mal­vi­nas, as­sim co­mo o es­ta­be­le­ci­men­to de du­as li­ga­ções aé­re­as men­sais pa­ra o ter­ri­tó­rio con­ti­nen­tal da Ar­gen­ti­na, não cons­ta­va no co­mu­ni­ca­do o as­sun­to da so­be­ra­nia.

Foi exac­ta­men­te es­se fac­to que de­sen­ca­de­ou uma sé­rie de crí­ti­cas. Um dos gru­pos que mais se re­vol­ta­ram con­tra o tex­to con­jun­to pu­bli­ca­do pe­los dois paí­ses foi dos de ve­te­ra­nos de guer­ra da Ar­gen­ti­na. “Há uma so­lu­ção pa­ra tu­do is­to, que é cum­prir o que diz a re­so­lu­ção 2065 das Na­ções Uni­das, que pe­de às par­tes pa­ra di­a­lo­ga­rem so­bre a ques­tão da so­be­ra­nia”, afir­mou à Agên­cia Efe Ma­ri­oVol­pe, ex-com­ba­ten­te do con­fli­to ar­gen­ti­no-bri­tâ­ni­co.

A opo­si­ção, li­de­ra­da pe­lo blo­co de de­pu­ta­dos da Fren­te pa­ra a Vi­tó­ria (FpV), li­ga­do à ex-Pre­si­den­te Cris­ti­na Kir­ch­ner, apre­sen­tou se­gun­da-fei­ra um pro­jec­to de re­so­lu­ção pa­ra re­jei­tar “em to­dos os ter­mos” a de­cla­ra­ção con­jun­ta. Além dis­so, pe­diu que o go­ver­no re­me­ta ao Con­gres­so, com ca­rác­ter ur­gen­te, to­das as ac­ções re­a­li­za­das en­vol­ven­do a ques­tão das Mal­vi­nas.

“O que o go­ver­no fez é um co­mu­ni­ca­do. Nem se­quer é um acor­do, não é um tra­ta­do”, des­ta­cou o pre­si­den­te in­te­ri­no do Se­na­do, Fe­de­ri­co Pi­ne­do, que re­jei­tou que a de­cla­ra­ção en­vol­va a so­be­ra­nia.

A de­sa­pro­va­ção den­tro do go­ver­no veio prin­ci­pal­men­te da Co­li­ga­ção Cí­vi­ca, par­ti­do que in­te­gra o “Mu­de­mos”, gru­po po­lí­ti­co de Ma­cri. O tex­to foi qua­li­fi­ca­do pe­lo par­ti­do de “le­si­vo pa­ra a so­be­ra­nia da Ar­gen­ti­na”. No meio da po­lé­mi­ca, o Exe­cu­ti­vo di­vul­gou sá­ba­do um ou­tro co­mu­ni­ca­do, no qual dis­se con­fi­ar que o no­vo cli­ma que es­tá a ser cri­a­do com o Rei­no Uni­do per­mi­ti­rá con­ver­sa­ções pa­ra re­sol­ver a dis­pu­ta so­bre a so­be­ra­nia das ilhas. “A de­cla­ra­ção do úl­ti­mo dia 13 re­flec­tiu a von­ta­de política das par­tes de rei­ni­ci­a­rem um diá­lo­go so­bre to­dos as ques­tões do Atlân­ti­co Sul, sem ex­clu­sões”, di­zia o co­mu­ni­ca­do.

O es­pe­ci­a­lis­ta do Cen­tro Ar­gen­ti­no de Es­tu­dos In­ter­na­ci­o­nais, Bru­no Ton­di­ni, ex­pli­cou à Efe que es­tá em cur­so uma “mu­dan­ça da es­tra­té­gia política” do ac­tu­al go­ver­no em re­la­ção ao kir­ch­ne­ris­mo (2003-2015), mas que o no­vo ru­mo não in­va­li­da a “cons­tan­te rei­vin­di­ca­ção” que a Ar­gen­ti­na faz so­bre a sua so­be­ra­nia.Ton­di­ni su­bli­nhou po­rém que quem es­ta­be­le­ce as ori­en­ta­ções da política ex­ter­na do país é o Con­gres­so, não o Pre­si­den­te. Por is­so, qual­quer acor­do com o Rei­no Uni­do de­ve­ria ser dis­cu­ti­do des­de o seu iní­cio com o Parlamento da Ar­gen­ti­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.