Aba­te de ga­do é do­mi­na­do por ile­gais

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O aba­te de ani­mais fo­ra dos ma­ta­dou­ros é fei­to por apro­vei­ta­do­res que, ávi­dos do lu­cro, atro­pe­lam as nor­mas exi­gi­das pe­los ser­vi­ços de ve­te­ri­ná­ria, dis­se on­tem, à An­gop, o res­pon­sá­vel do úni­co ma­ta­dou­ro de Mo­çâ­me­des.

Ma­nu­el Cam­pi­nas ad­ver­tiu que o aba­te de ani­mais em lo­cais im­pro­vi­sa­dos, além de co­lo­car em ris­co a saú­de dos con­su­mi­do­res, es­tá pro­vo­car sé­ri­os pro­ble­mas à in­dús­tria da car­ne na província do Na­mi­be, re­du­zin­do a pro­du­ção do úni­co ma­ta­dou­ro le­ga­li­za­do pe­las ins­ti­tui­ções sa­ni­tá­ri­as. “Qua­se 70 por cen­to da car­ne con­su­mi­da e0m Mo­çâ­me­des tem ori­gem nos ma­ta­dou­ros clan­des­ti­nos”, apon­tou, in­sis­tin­do em que os lo­cais de aba­te im­pro­vi­sa­dos são ile­gais e de­vem ser en­cer­ra­dos o mais rá­pi­do pos­sí­vel.

Ma­nu­el Cam­pi­nas des­cre­veu os lo­cais de aba­te clan­des­ti­no co­mo des­pro­vi­dos de qual­quer ti­po de fis­ca­li­za­ção e con­di­ções téc­ni­cas pa­ra o aba­te de ani­mais, con­tra­ri­an­do as re­gras de hi­gi­e­ne. “É per­ti­nen­te que se abram mais ma­ta­dou­ros em Mo­çâ­me­des, por se ve­ri­fi­car um au­men­to do con­su­mo de car­ne im­por­ta­da e por o ma­ta­dou­ro que es­tá le­ga­li­za­do, com ca­pa­ci­da­de pa­ra o aba­te de 30 ca­be­ças por dia, ter a sua pro­du­ção re­du­zi­da em cin­co por cen­to, de­vi­do à con­cor­rên­cia des­le­al.”

Ma­nu­el Cam­pi­nas re­la­ci­o­nou o aba­te fo­ra dos ma­ta­dou­ros à ab­sor­ção de ga­do rou­ba­do ou de pro­ve­ni­ên­cia du­vi­do­sa, pe­lo que acon­se­lhou os con­su­mi­do­res a não com­pra­rem car­ne aba­ti­da em lo­cais clan­des­ti­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.