Fes­ta do Te­a­tro com ba­lan­ço po­si­ti­vo

CEN­TRA­LI­DA­DE DO KI­LAM­BA Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal mo­bi­li­za de­ze­nas de gru­pos na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL AL­BA­NO |

Os con­teú­dos trans­mi­ti­dos so­bre a his­tó­ria uni­ver­sal, va­lo­res cí­vi­cos e cul­tu­rais mar­cou a pri­mei­ra edi­ção do Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro (CIT), que se re­a­li­zou de 1 de Ju­lho a 17 des­te mês, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba.

Em de­cla­ra­ções, on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, o di­rec­tor do CIT, Adé­ri­to Rodrigues “Bi”, con­si­de­rou po­si­ti­va a pri­mei­ra edi­ção do fes­ti­val, por se re­gis­tar em mé­dia por es­pec­tá­cu­lo a pre­sen­ça de 175 pes­so­as en­tre adul­tos, jo­vens e cri­an­ças.

As pa­les­tras que du­ran­te os três me­ses de ac­ti­vi­da­de e que abor­da­ram ques­tões li­ga­das a cri­a­ção ar­tís­ti­ca, foi pa­ra Adé­ri­to Rodrigues ou­tro dos de­sa­fi­os al­can­ça­dos, ra­zão pe­la qual, os sub­sí­di­os apre­sen­ta­dos pe­los gru­pos na­ci­o­nais e es­tran­gei­ro ser­viu co­mo uma “por­ta aber­ta” ao diá­lo­go so­bre a di­nâ­mi­ca re­gis­ta­da nas ar­tes cé­ni­cas, par­ti­cu­lar­men­te, no te­a­tro.

Se­gun­do os da­dos avan­ça­dos pe­lo di­rec­tor do fes­ti­val, um dos ou­tros de­sa­fi­os al­me­ja­dos foi per­mi­tir apro­xi­mar e for­ta­le­cer as re­la­ções en­tre os ar­tis­tas, en­ce­na­do­res, di­rec­to­res e mem­bros da or­ga­ni­za­ção.

Du­ran­te três me­ses, dis­se Adé­ri­to Rodrigues, um to­tal de qua­tro mil pes­so­as as­sis­ti­ram os qua­se 30 es­pec­tá­cu­los, que se re­a­li­za­ram to­dos os fi­nais de se­ma­na no pe­río­do da tar­de (in­fan­tis) e às noi­tes (adul­tos), na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba.

Por es­sa ra­zão, Adé­ri­to Rodrigues a ju­ven­tu­de pre­fe­ren­ci­al­men­te, a con­ti­nu­ar a as­sis­tir es­pec­tá­cu­los de te­a­tro, por con­si­de­rar tam­bém “uma fon­te im­por­tan­te de trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos”.

Pú­bli­co par­ti­ci­pa­ti­vo

A par­ti­ci­pa­ção do pú­bli­co, re­co­nhe­ceu Adé­ri­to Rodrigues, foi um fac­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra dar ou­tra qua­li­da­de ao fes­ti­val. “Ti­ve­mos um pú­bli­co adul­to, edu­ca­do e par­ti­ci­pa­ti­vo que per­mi­tiu dar um va­lor adi­ci­o­nal aos es­pec­tá­cu­los”.

Ao lon­go da re­a­li­za­ção do CIT, dis­se Adé­ri­to Rodrigues, es­ti­ve­ram en­vol­vi­das cer­ca de 455 pes­so­as,

Tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as per­mi­tiu for­ta­le­cer as re­la­ções en­tres cri­a­do­res do te­a­tro e o pú­bli­co

des­de mem­bros dos gru­pos e da or­ga­ni­za­ção do fes­ti­val. “Que­ría­mos di­rec­ci­o­nar as ac­ti­vi­da­des mais pa­ra os jo­vens na ten­ta­ti­va de fo­men­tar vá­ri­os diá­lo­gos ac­tu­ais, mui­tos de­les sen­sí­veis vi­vi­dos na nos­sa so­ci­e­da­de.”

O au­men­to do nú­me­ro de es­pec­ta­do­res no CIT su­pe­rou às ex­pec­ta­ti­vas, por se re­gis­tar, na sua mai­o­ria, sa­la cheia com uma pla­teia par­ti­ci­pa­ti­va, que aju­dou a di­vul­gar os es­pec­tá­cu­los exi­bi­dos du­ran­te o fes­ti­val.

Tor­nar a ini­ci­a­ti­va um pon­to per­ma­nen­te de in­ter­câm­bio cul­tu­ral, en­tre os alu­nos do Com­ple­xo de Es­co­las de Ar­tes (Ce­ar­te) e do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), dis­se Adé­ri­to Rodrigues, per­mi­tiu ali­ar os co­nhe­ci­men­tos teó­ri­cos a prá­ti­ca.

Adé­ri­to Rodrigues re­al­çou que o fes­ti­val per­mi­tiu di­na­mi­zar e di­vul­gar ain­da mais o te­a­tro, par­ti­cu­lar­men­te dos gru­pos de Lu­an­da. De­vi­do à ade­são dos gru­pos de Lu­an­da, ex­pli­cou, exi­giu um mai­or es­for­ço da or­ga­ni­za­ção, por for­ma a ga­ran­tir que as ne­ces­si­da­des bá­si­cas e pre­li­mi­na­res es­ti­ves­sem sem­pre aos dis­por dos par­ti­ci­pan­tes.

O CIT, na pers­pec­ti­va de Adé­ri­to Rodrigues, aju­dou a mu­dar a ima­gem do país além fron­tei­ras so­bre o que tem si­do fei­to ao lon­go des­ses anos na pro­mo­ção das ar­tes. “Foi uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a pro­mo­ção, va­lo­ri­za­ção e di­vul­ga­ção da re­a­li­da­de das ar­tes cé­ni­cas em par­ti­cu­lar do te­a­tro e da cul­tu­ra na­ci­o­nal.”

Gi­nás­ti­ca fi­nan­cei­ra

Adé­ri­to Rodrigues ex­pli­cou que as di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras não per­mi­ti­ram ter os gru­pos es­tran­gei­ros por mui­to mais tem­po em Lu­an­da, im­pos­si­bi­li­tan­do a tro­ca­rem ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tras com­pa­nhi­as de te­a­tro an­go­la­nas.

Ape­sar da “gi­nás­ti­ca” fi­nan­cei­ras, de­vi­do aos par­cos re­cur­sos da or­ga­ni­za­ção, Adé­ri­to Rodrigues ga­ran­tiu que as prin­ci­pais me­tas fo­ram al­can­ça­das, pre­ven­do me­lho­ria, e uma saú­de fi­nan­cei­ra me­lhor nas pró­xi­mas edi­ções do CIT.

Adé­ri­to Rodrigues afir­mou ser im­por­tan­te con­ti­nu­ar-se a apos­tar na for­ma­ção, por for­mas a me­lho­rar a qua­li­da­de dos es­pec­tá­cu­los re­a­li­za­dos pe­los gru­pos no país. “O sur­gi­men­to de vá­ri­os fes­ti­vais tem per­mi­ti­do apro­xi­mar os ar­tis­tas, e per­mi­tir fa­zer uma aná­li­se com­pa­ra­ti­va so­bre o pas­sa­do e o fu­tu­ro do te­a­tro de­sen­vol­vi­do pe­los gru­pos na­ci­o­nais.”

A im­por­tân­cia de uma mai­or par­ce­ria en­tre os es­cri­to­res na­ci­o­nais e os gru­pos, foi apon­ta­da por Adé­ri­to Rodrigues co­mo um dos “ca­mi­nho ne­ces­sá­ri­os pa­ra se me­lho­rar con­teú­dos dos tex­tos apre­sen­ta­dos nas obras de te­a­tro”.

In­cen­ti­vo ins­ti­tu­ci­o­nal

A fal­ta de sa­las apro­pri­a­das pa­ra a exi­bi­ção de es­pec­tá­cu­los de te­a­tro e de ou­tras ex­pres­sões ar­tís­ti­cas tem si­do uma das di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das di­a­ri­a­men­te pe­los gru­pos, ao lon­go des­ses anos de tra­ba­lho, e é uma pre­o­cu­pa­ção ma­ni­fes­ta­da pe­la clas­se ar­tís­ti­ca, dis­se Adé­ri­to Rodrigues

Pa­ra dar res­pos­ta as es­sas in­qui­e­ta­ções, Adé­ri­to Rodrigues enal­te­ceu os ape­los que os mi­nis­té­ri­os da Cul­tu­ra e da Edu­ca­ção, e o Go­ver­no da Província de Lu­an­da têm fei­to às ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das, no sen­ti­do de se cri­a­rem par­ce­ri­as com os cri­a­do­res de ar­te pa­ra se apro­vei­tar e ex­plo­rar me­lhor to­dos aque­les es­pa­ços inac­ti­vos.

Fru­to des­ses in­cen­ti­vos do Exe­cu­ti­vo, o Isar­tes foi o lo­cal es­co­lhi­do pa­ra des­cen­tra­li­zar as ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das na mai­or par­te das ve­zes nos lo­cais ha­bi­tu­ais.

Cri­a­ção ar­tís­ti­ca

A cri­a­ção ar­tís­ti­ca e a adap­ta­ção de tex­tos de es­cri­to­res foi um dos pon­tos de­ba­ti­dos du­ran­te a re­a­li­za­ção de ofi­ci­nas de te­a­tro e se­mi­ná­ri­os que ser­vi­ram pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia en­tre ac­to­res e en­ce­na­do­res na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, ten­do se apro­vei­ta­do o co­nhe­ci­men­to dos gru­pos mais ex­pe­ri­en­tes.

O CIT, en­qua­dra­do no pro­jec­to “Cul­tu­ra pa­ra To­dos”, ini­ci­a­ti­va da Com­pa­nhia de Te­a­tro Pi­ta­bel, com a re­a­li­za­ção do fes­ti­val in­ter­na­ci­o­nal, con­tem­plou além de exi­bi­ções de pe­ças de te­a­tro e mesas-re­don­das, vi­si­tas a lo­cais his­tó­ri­cos.

“A adap­ta­ção de tex­tos dos es­cri­to­res nas pe­ças de te­a­tro”, “O cres­ci­men­to do te­a­tro em am­bos paí­ses”, “Os con­teú­dos” e “O pro­ces­so de cri­a­ção ar­tís­ti­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ar­tes cé­ni­cas” fo­ram al­guns dos te­mas de­ba­ti­dos.

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.