Agen­te com­pro­me­te Tou­ré

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Yaya Tou­ré é car­ta fo­ra do ba­ra­lho de Gu­ar­di­o­la até ha­ver um pe­di­do de des­cul­pas por par­te do agen­te do an­ti­go in­ter­na­ci­o­nal cos­ta-mar­fi­nen­se, anun­ci­ou o trei­na­dor do Man­ches­ter City, on­tem em con­fe­rên­cia de im­pren­sa.

“Foi mui­to di­fí­cil dei­xá-lo de fo­ra da lis­ta da Cham­pi­ons. Mui­to di­fí­cil. Eu co­nhe­ço-o e sei que ele é bom ra­paz”, dis­se o trei­na­dor es­pa­nhol acer­ca da si­tu­a­ção que ini­ci­ou to­da a po­lé­mi­ca.

“De­pois do agen­te ter fa­la­do, o Yaya fi­cou de fo­ra”, afir­mou o ca­ta­lão, avi­san­do, no en­tan­to, que a si­tu­a­ção po­de mu­dar: “Se o se­nhor Di­mi­tri Se­luk fa­lar com a im­pren­sa, por­que ele não tem co­ra­gem de me li­gar, e pe­dir des­cul­pa ao Man­ches­ter City, aos co­le­gas de equi­pa de Tou­ré e ao trei­na­dor”, es­cla­re­ceu.

“Os agen­tes acham que são mais do que re­al­men­te são. Se têm um pro­ble­ma, po­de­mos fa­lar. Até ele di­zer al­gu­ma coi­sa, não jo­ga. Eu sei o quan­to Se­luk ado­ra o Yaya Tou­ré. Se ele o ado­ra, que o mos­tre ao des­cul­par-se ao Man­ches­ter City pe­lo que dis­se nos jor­nais”, con­cluiu.

Quan­do foi anun­ci­a­do que Yaya Tou­ré não foi co­lo­ca­do na lis­ta da Li­ga dos Cam­peões, o agen­te do jo­ga­dor de 33 anos veio a pú­bli­co di­zer que o jo­ga­dor se sen­tiu “hu­mi­lha­do” e de­sa­fi­ou Gu­ar­di­o­la a ter “to­ma­tes pa­ra ad­mi­tir que es­ta­va er­ra­do” se o City não ga­nhar a Li­ga dos Cam­peões. O mé­dio da Cos­ta do Mar­fim não tem ti­do vi­da fá­cil no clu­be in­glês, ago­ra co­man­da­do por Gu­ar­di­o­la, ten­do cum­pri­do ape­nas 90 mi­nu­tos ofi­ci­ais até ao mo­men­to. Ain­da on­tem, Tou­ré anun­ci­ou o adeus à se­lec­ção da Cos­ta do Mar­fim, em co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do na sua con­ta ofi­ci­al de Twit­ter. O mé­dio afir­ma que “é al­tu­ra de pas­sar o tes­te­mu­nho aos mais jo­vens”, de­pois de ter cum­pri­do “14 anos ao mais al­to ní­vel” pe­la sua equi­pa na­ci­o­nal.

“Es­tou cer­to que é es­ta a al­tu­ra cer­ta. O fu­te­bol é tu­do pa­ra mim, mas nes­te mo­men­to não me sin­to mais ca­paz de es­ta­be­le­cer ob­jec­ti­vos com a ca­mi­so­la dos Ele­fan­tes. Apren­di a ven­cer pe­lo meu país. É por is­so que eu sem­pre te­rei or­gu­lho em ter con­se­gui­do qua­tro Bo­las de Ou­ro afri­ca­nas pa­ra a Cos­ta do Mar­fim”, po­de ler-se na no­ta di­vul­ga­da.

REUTERS

Mé­dio da Cos­ta do Mar­fim per­de espaço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.