Peskwan­za volta à pes­ca com a Chi­na

Por ano são pro­du­zi­das de­ze­nas de mi­lha­res de to­ne­la­das de pei­xes de di­ver­sas es­pé­ci­es

Jornal de Angola - - PARTADA - CRIS­TI­NA DA SIL­VA |

É no mo­men­to de cri­se que sur­gem gran­des opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio. No sec­tor das Pes­cas, o ce­ná­rio não fo­ge à re­gra. Ape­sar do es­for­ço do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio das Pes­cas, ór­gão res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção, exe­cu­ção, su­per­vi­são e con­tro­lo da política de ges­tão e or­de­na­men­to dos re­cur­sos bi­o­ló­gi­cos, aquá­ti­cos e das ac­ti­vi­da­des de pes­ca e da aqui­cul­tu­ra em An­go­la, al­gu­mas em­pre­sas têm vin­do a cri­ar ini­ci­a­ti­vas que vi­sam re­ti­rá­las do “su­fo­co” em que se en­con­tram. A Peskwan­za é um exem­plo de su­pe­ra­ção e aos pou­cos vai me­lho­ran­do o seu ní­vel de pro­du­ção, con­tri­buin­do pa­ra o com­ba­te à po­bre­za e a qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção.

Cri­a­da em 1987 com o ob­jec­ti­vo de cap­tu­rar, trans­for­mar, con­ser­var, con­ge­lar, pro­du­zir ge­lo e co­mer­ci­a­li­zar pes­ca­do em gran­de es­ca­la, a Peskwan­za fun­ci­o­na mui­to abai­xo das su­as ca­pa­ci­da­des, de­vi­do à de­gra­da­ção das in­fra-es­tru­tu­ras.

Das 17 em­bar­ca­ções que ini­ci­al­men­te su­por­ta­vam o pro­jec­to de cap­tu­ra de ma­ris­co, crus­tá­ce­os e pes­ca­do, ac­tu­al­men­te ne­nhu­ma exis­te por fal­ta de ma­nu­ten­ção. As mes­mas ti­nham uma ca­pa­ci­da­de que va­ri­a­va en­tre 150 e 250 to­ne­la­das, o que lhe va­lia o es­ta­tu­to de uma das me­lho­res em cap­tu­ra e co­mer­ci­a­li­za­ção de pes­ca­do da re­gião de Por­to Am­boim, província do Cuanza Sul e não só. Lu­an­da, Cuanza Nor­te, Lun­da Nor­te, Lu­an­da Sul, Ma­lan­je e Uí­ge eram os mer­ca­dos re­ta­lhis­tas a que se des­ti­na­va o pes­ca­do da Peskwan­za.

Por ano, só de ma­ris­co, a Peskwan­za cap­tu­ra­va cer­ca de 26.000 to­ne­la­das, uma par­te era co­mer­ci­a­li­za­da nos mer­ca­dos do país e o res­to exportado pa­ra a Eu­ro­pa. Das seis em­bar­ca­ções, já ne­nhu­ma exis­te por fal­ta de ma­nu­ten­ção. Já os bar­cos de pes­ca­do cap­tu­ra­vam ca­da um de­les en­tre 250 e 350 to­ne­la­das, num pe­río­do de 11 me­ses, num to­tal de oi­to em­bar­ca­ções.

A em­pre­sa, cri­a­da com o pro­pó­si­to de abas­te­cer pes­ca­do à po­pu­la­ção, fi­cou re­du­zi­da sem bar­cos, ten­do ape­nas as con­di­ções de in­fra­es­tru­tu­ras em ter­ra com as quais tem cri­a­do par­ce­ria com ar­ma­do­res de­ten­to­res de em­bar­ca­ções.

Re­vi­ta­li­za­ção

Com o re­sul­ta­do da pro­du­ção, fru­to da par­ce­ria en­tre a Peskwan­za e a em­pre­sa chi­ne­sa Ada­li­an Yan Ming Int Er­pri­se Group, por ano, são cap­tu­ra­das no li­to­ral de Por­to Am­boim cer­ca de 7.200 to­ne­la­das de pes­ca­do. Uma par­ce­ria que tem per­mi­ti­do man­ter os 100 tra­ba­lha­do­res efec­ti­vos. “An­tes, éra­mos 400 tra­ba­lha­do­res. De­vi­do à de­ca­dên­cia da em­pre­sa por de­gra­da­ção dos bar­cos por fal­ta de ma­nu­ten­ção, al­guns fun­ci­o­ná­ri­os fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra a di­rec­ção do mi­nis­té­rio, ou­tros em­pre­gues nas em­bar­ca­ções com as quais te­mos par­ce­ria e es­tá-se a in­dem­ni­zar os não com­tem­pla­dos e ou­tros fi­ca­ram pa­ra aju­dar nes­ta no­va fa­se”, ex­pli­ca o di­rec­tor-ad­jun­to da Peskwan­za, Ja­nuá­rio João.

Nes­ta fa­se, es­tão ope­ra­ci­o­nais seis em­bar­ca­ções que for­ne­cem à Peskwan­za, men­sal­men­te, cer­ca de 400 to­ne­la­das de pes­ca­do di­ver­so. As mes­mas usam tam­bém a pon­te­cais pa­ra a des­car­ga de to­da a cap­tu­ra e os fri­go­rí­fi­cos, bem co­mo o ser­vi­ço de em­ba­lo e co­mer­ci­a­li­za­ção a par­tir de Por­to Am­boim. “Com es­te ser­vi­ço, con­se­gui­mos pa­gar os sa­lá­ri­os, água, ener­gia e man­ter a em­pre­sa ope­ra­ci­o­nal”, diz Ja­nuá­rio João, acres­cen­tan­do que to­do o pes­ca­do é co­mer­ci­a­li­za­do no país. “Nes­te mo­men­to, te­mos cap­tu­ra de sar­di­nha, ca­ra­pau e ou­tras es­pé­ci­es em me­nor quan­ti­da­de”, con­tou.

Ja­nuá­rio João afir­ma que o mu­ni­cí­pio de Por­to Am­boim ain­da apre­sen­ta in­di­ca­do­res al­tos em ter­mos de cap­tu­ra de pes­ca­do, con­ser­va­ção, trans­for­ma­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção no país, pe­lo que é ur­gen­te a re­vi­ta­li­za­ção das pou­cas in­dús­tri­as exis­ten­tes. “A fal­ta de bar­cos, es­ta­lei­ro na­val e o mau es­ta­do das in­fra-es­tru­tu­ras tem es­ta­do a em­per­rar o de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor”, dis­se o res­pon­sá­vel, acon­se­lhan­do que se fa­ça a aqui­si­ção de pe­que­nas em­bar­ca­ções de até 70 to­ne­la­das de ca­pa­ci­da­de pa­ra pes­ca diá­ria. “Nes­te mo­men­to, pre­ci­sa­mos de em­bar­ca­ções pe­que­nas de fá­cil ma­nu­ten­ção e que per­mi­tam a re­ser­va de pro­du­tos do mar em nos­sos fri­go­rí­fi­cos”, res­sal­tou.

Vi­la pis­ca­tó­ria

A in­fra-es­tru­tu­ra fei­ta de alu­mí­nio com su­por­te de es­fe­ro­vi­te tor­nou-se acam­pa­men­to pa­ra pe­que­nos bi­chos. Da an­ti­ga e im­po­nen­te Peskwan­za, fi­ca­ram as lem­bran­ças e a fé de quem ain­da es­pe­ra por di­as me­lho­res.

Na pe­que­na vi­la pis­ca­tó­ria de Por­to Am­boim, a co­mu­ni­da­de co­nhe­ce os fei­tos da Peskwan­za. A in­di­ca­ção do lo­cal veio de um ado­les­cen­te que apa­ren­ta­va ter 16 anos de ida­de. A im­po­nen­te in­fra-es­tru­tu­ra es­tá lo­ca­li­za­da no in­te­ri­or de um bair­ro do com­ple­xo com o mes­mo

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Em­pre­sa de Por­to Am­boim volta às cap­tu­ras com a par­ce­ria de em­pre­sas do gi­gan­te asiá­ti­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.