ONU lan­ça ape­lo à cal­ma na RDC

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, Ban Ki­mo­on, con­de­nou on­tem a mais re­cen­te onda de vi­o­lên­cia na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, ape­lou à cal­ma das for­ças de se­gu­ran­ça e pe­diu aos lí­de­res po­lí­ti­cos pa­ra so­lu­ci­o­na­rem “de for­ma pa­cí­fi­ca” os di­fe­ren­dos, sem­pre em li­nha “com a Re­so­lu­ção 2277 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça”. Pe­lo me­nos 17 mor­tos é o ba­lan­ço ofi­ci­al do Go­ver­no.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), Ban Ki-mo­on, con­de­nou, on­tem, a mais re­cen­te onda de vi­o­lên­cia na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), ape­lou à cal­ma das for­ças de se­gu­ran­ça e pe­diu aos lí­de­res po­lí­ti­cos pa­ra so­lu­ci­o­na­rem “de for­ma pa­cí­fi­ca” os di­fe­ren­dos, sem­pre em li­nha “com a Re­so­lu­ção 2277 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça”.

Estados Uni­dos e Fran­ça con­de­na­ram igual­men­te a es­ca­la­da de vi­o­lên­cia na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e cri­ti­ca­ram o atra­so na mar­ca­ção da da­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais ini­ci­al­men­te pre­vis­tas pa­ra No­vem­bro des­te ano.

Washing­ton ame­a­çou agra­var as san­ções con­tra os di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos con­go­le­ses “que pro­mo­vem a vi­o­lên­cia e a re­pres­são da opo­si­ção”.

Ban Ki-mo­on, Estados Uni­dos e Fran­ça re­a­gi­am às in­for­ma­ções se­gun­do as quais pe­lo me­nos 17 pes­so­as - 14 ci­vis e três po­lí­ci­as - mor­re­ram se­gun­da-fei­ra após as au­to­ri­da­des con­go­le­sas can­ce­la­rem uma ma­ni­fes­ta­ção a re­a­li­zar em Kinshasa, ca­pi­tal do país, con­tra o adi­a­men­to das pre­si­den­ci­ais e con­tra a con­ti­nui­da­de no poder do Che­fe de Es­ta­do ces­san­te , Jo­seph Ka­bi­la.

Pe­lo me­nos 17 mor­tos é o ba­lan­ço ofi­ci­al do Mi­nis­té­rio con­go­lês do In­te­ri­or. O Go­ver­no de Kinshasa acu­sa a União pa­ra a De­mo­cra­cia e o Pro­gres­so So­ci­al (UDPS), prin­ci­pal par­ti­do da opo­si­ção, de es­tar na ori­gem da vi­o­lên­cia.

Al­guns par­ti­dos da opo­si­ção, por sua vez, fa­lam em pe­lo me­nos 50 mor­tos e que as se­des da UDPS, das For­ças pa­ra a União e a So­li­da­ri­e­da­de (FONUS) e do Mo­vi­men­to Lu­mum­bis­ta Pro­gres­sis­ta (MLP) fo­ram in­cen­di­a­das.

A te­le­vi­são pú­bli­ca bri­tâ­ni­ca, BBC, no­ti­ci­ou que os ma­ni­fes­tan­tes cri­a­ram bar­ri­ca­das e in­cen­di­a­ram veí­cu­los de­pois da re­ac­ção da po­lí­cia. O "Kinshasa Ti­mes" ci­tou pe­lo me­nos um mor­to, ví­ti­ma dos dis­pa­ros da po­lí­cia. Fo­tos a cir­cu­lar nas re­des so­ci­ais mos­tram um ho­mem ina­ni­ma­do com a ca­be­ça e o ros­to chei­os de san­gue.

A ma­ni­fes­ta­ção es­ta­va au­to­ri­za­da, mas con­fron­tos en­tre jo­vens ar­ma­dos de pe­dras e a po­lí­cia an­ti­mo­tim le­va­ram as au­to­ri­da­des con­go­le­sas a can­ce­lá-la.

Apro­vei­ta­men­to po­lí­ti­co

O si­lên­cio do Pre­si­den­te con­go­lês so­bre o “dos­si­er elei­ções” es­tá a ser­vir pa­ra o apro­vei­ta­men­to po­lí­ti­cos dos seus de­trac­to­res.

O “ti­ming” da ma­ni­fes­ta­ção não pa­re­ce ser ino­cen­te, uma vez que, na se­ma­na pas­sa­da, o mi­nis­tro con­go­lês da Jus­ti­ça anun­ci­ou que os ne­go­ci­a­do­res do “Diá­lo­go Na­ci­o­nal” - fó­rum cri­a­do pe­lo Pre­si­den­te con­go­lês, Jo­seph Ka­bi­la, no qual re­pre­sen­tan­tes do Go­ver­no, da opo­si­ção e da so­ci­e­da­de ci­vil ne­go­cei­am um ca­len­dá­rio pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções ge­rais - che­ga­ram a acor­do pa­ra as elei­ções pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais se­rem re­a­li­za­das no mes­mo dia e pa­ra a for­ma­ção de um go­ver­no in­te­ri­no com mem­bros da opo­si­ção pa­ra pre­pa­rar a vo­ta­ção.

A ma­ni­fes­ta­ção, con­vo­ca­da, de acor­do com os mei­os de co­mu­ni­ca­ção con­go­le­ses, por dois lí­de­res da opo­si­ção, Eti­en­ne Tshi­se­ke­di e Moï­se Ka­tum­bi, ti­nha co­mo ob­jec­ti­vo, se­gun­do os seus men­to­res, “fa­zer uma ad­ver­tên­cia” ao Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, três me­ses an­tes do fim do seu man­da­to, em 20 de De­zem­bro, e exi­gir a con­vo­ca­ção de elei­ções pre­si­den­ci­ais.

Os men­to­res da ma­ni­fes­ta­ção re­cu­sam-se a par­ti­ci­par no “Diá­lo­go Na­ci­o­nal” cri­a­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, sob patrocínio da União Afri­ca­na, por con­si­de­ra­rem que a Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al que su­por­ta o Che­fe de Es­ta­do “par­te pa­ra es­ta pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to pa­ra pro­por­ci­o­nar o ter­cei­ro man­da­to a Jo­seph Ka­bi­la.”

Es­ta te­se, con­tu­do, é re­jei­ta­da por ou­tros par­ti­dos da opo­si­ção, que par­ti­ci­pam no “Diá­lo­go Na­ci­o­nal cri­a­do pe­lo Pre­si­den­te ces­san­te e de­fen­dem que “es­tão mais em cau­sa os in­te­res­ses da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, a es­ta­bi­li­da­de e a ma­nu­ten­ção da paz na mai­o­ria do país, en­tre ou­tros fac­to­res con­si­de­ra­dos re­le­van­tes”.

Jo­seph Ka­bi­la

A mar­ca­ção de uma no­va da­ta pa­ra as elei­ções pre­si­den­ci­ais (não ge­rais) e a pre­ten­são do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Jo­seph Ka­bi­la, de acor­do com os seus de­trac­to­res, de al­te­rar a Cons­ti­tui­ção pa­ra per­ma­ne­cer no poder ou adiá-las ao máximo pa­ra con­ti­nu­ar a go­ver­nar fo­ra do pra­zo cons­ti­tu­ci­o­nal, são, ale­ga­da­men­te, as ra­zões dos pro­tes­tos que cul­mi­na­ram em tra­gé­dia na­ci­o­nal.

Por es­sa ra­zão, era bom que, ago­ra que es­tá de­fi­ni­do que as elei­ções pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais são re­a­li­za­das em si­mul­tâ­neo, os par­ti­ci­pan­tes do “Diá­lo­go Na­ci­o­nal” pro­mo­vi­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la anun­ci­as­sem no mais cur­to pra­zo uma no­va da­ta, ina­diá­vel, pa­ra a re­a­li­za­ção da vo­ta­ção.

Era bom, tam­bém, que o Go­ver­no con­go­lês fi­zes­se mais pa­ra con­ven­cer a opo­si­ção, a so­ci­e­da­de ci­vil e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que o adi­a­men­to das elei­ções não é uma ma­no­bra do Pre­si­den­te con­go­lês “pa­ra pro­te­lar a sua ine­vi­tá­vel saí­da da Pre­si­dên­cia”.

Uma de­cla­ra­ção do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la a afas­tar de­fi­ni­ti­va­men­te os ru­mo­res da ale­ga­da pre­ten­são de efec­tu­ar ma­no­bras pa­ra lhe per­mi­tir con­cor­rer a um ter­cei­ro man­da­to ou pa­ra con­ti­nu­ar a go­ver­nar fo­ra do pra­zo es­ti­pu­la­do cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te, in­de­pen­den­te­men­te de, à luz da cons­ti­tui­ção con­go­le­sa, não poder dis­pu­tar um no­vo man­da­to, es­va­zi­a­va os ar­gu­men­tos dos seus de­trac­to­res e tor­na­va sem sen­ti­do a re­a­li­za­ção de ma­ni­fes­ta­ções do gé­ne­ro.

Tam­bém aju­da­va do­tar a Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te de au­to­no­mia e mei­os fi­nan­cei­ros pa­ra con­cluir o re­gis­to elei­to­ral no mais cur­to espaço de tem­po.

AFP

Vi­o­lên­cia em Kinshasa agra­vou uma se­ma­na de­pois de as au­to­ri­da­des e par­ti­dos da opo­si­ção che­ga­rem a con­sen­sos no Diá­lo­go Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.