Re­for­ça­da in­te­rac­ção com as co­mu­ni­da­des

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

A cri­a­ção de um Pos­to de Co­man­do Avan­ça­do na zo­na do Zan­go, mu­ni­cí­pio de Vi­a­na, na ca­pi­tal, está a per­mi­tir uma mai­or in­te­rac­ção en­tre os efec­ti­vos da Re­gião Militar de Luanda e a po­pu­la­ção que re­si­de na­que­la área, re­ve­lou o bri­ga­dei­ro Adol­fo de Ma­tos.

Em en­tre­vis­ta à An­gop so­bre o tra­ba­lho e ob­jec­ti­vos do Pos­to de Co­man­do Avan­ça­do, o ofi­ci­al ge­ne­ral, que é o se­gun­do co­man­dan­te do re­fe­ri­do pos­to, dis­se que ape­sar de ter si­do cri­a­do há oi­to di­as, já tem efei­tos po­si­ti­vos vi­sí­veis.

“O pos­to está há pou­co tem­po nes­ta re­gião, fru­to de al­gu­mas de­nún­ci­as que te­mos es­ta­do a re­ce­ber e que põem em cau­sa a von­ta­de de to­dos em com­ba­ter os ór­gãos ou in­di­ví­du­os que pro­cu­ram en­fren­tar as For­ças Ar­ma­das, com o ob­jec­ti­vo de ti­rar lu­cro fá­cil nas áre­as fun­diá­ri­as do Es­ta­do e ou­tras ques­tões, co­mo os cri­mes vi­o­len­tos”, fri­sou.

Adol­fo de Ma­tos re­fe­riu que o Pos­to de Co­man­do Avan­ça­do foi cri­a­do com o ob­jec­ti­vo de “aca­bar­mos ou ten­tar­mos mi­ni­mi­zar to­dos os as­pec­tos no que con­cer­ne ao gran­de ín­di­ce de in­va­são de gran­des áre­as das re­ser­vas fun­diá­ri­as do Es­ta­do por in­di­ví­du­os su­pos­ta­men­te mi­li­ta­res e ou­tros que ten­tam o lu­cro fá­cil.”

Nes­te sen­ti­do, to­do o efec­ti­vo, de uma for­ma uni­da, pro­cu­ra man­ter a ordem nes­tas re­ser­vas fun­diá­ri­as do Es­ta­do com­ba­ten­do, so­bre­tu­do nos lo­cais on­de há en­vol­vi­men­to de mi­li­ta­res, quais­quer ac­ções vi­o­len­tas. Adol­fo de Ma­tos anun­ci­ou a de­ten­ção de 10 mi­li­ta­res, que com as su­as ac­ções, co­lo­ca­vam em ris­co o de­sem­pe­nho da Re­gião Militar de Luanda. Is­to, ar­gu­men­tou, por­que é fei­to um gran­de es­for­ço pa­ra que se­ja man­ti­da a qua­li­da­de e o be­mes­tar da po­pu­la­ção. Co­man­dan­te Adol­fo de Ma­tos

A cri­a­ção do Pos­to de Co­man­do Avan­ça­do, dis­se, trou­xe gran­des van­ta­gens, por­que per­mi­te um con­tac­to di­rec­to com a po­pu­la­çãos, por se po­der, mais fa­cil­men­te, dar con­ta dos ca­sos de in­va­são de ter­re­nos e com­ba­tê-los. O bri­ga­dei­ro Adol­fo de Ma­tos ex­pli­cou que tem ha­vi­do uma gran­de in­te­rac­ção com a po­pu­la­ção, exem­pli­fi­can­do que vá­ri­os ci­da­dãos re­cor­re­ram a ele pa­ra de­nun­ci­ar que in­di­ví­du­os, su­pos­ta­men­te far­da­dos, vão a es­tes lo­cais no pe­río­do da noi­te e de­sen­vol­vem ac­ções de ter­ror.

“Daí que, em co­la­bo­ra­ção com ou­tros ór­gãos de de­fe­sa e se­gu­ran­ça e a po­pu­la­ção, es­ta­mos a tra­ba­lhar pa­ra com­ba­ter es­tas ac­ções”, sa­li­en­tou. Pa­ra tor­nar es­ta in­te­rac­ção mai­or, dis­se, a Re­gião Militar Luanda cri­ou li­nhas de co­mu­ni­ca­ção com a dis­po­ni­bi­li­za­ção do nú­me­ro te­le­fó­ni­co 996795071, pa­ra re­ce­ber de­nún­ci­as so­bre a pre­sen­ça de in­di­ví­du­os, su­pos­ta­men­te mi­li­ta­res ou que pos­su­am ar­mas de fo­go, na­que­las áre­as. O bri­ga­dei­ro in­cen­ti­vou a po­pu­la­ção lo­cal a fa­zer de­nún­ci­as quan­do hou­ver ra­zões, so­bre­tu­do em re­la­ção a mi­li­ta­res, “por­que o lu­gar des­tes é nos quar­téis e não nes­tas áre­as pa­ra cri­ar o pâ­ni­co e a ins­ta­bi­li­da­de jun­to da po­pu­la­ção”.

De­pois da in­ves­ti­ga­ção, os mes­mos ca­sos são en­ca­mi­nha­dos aos ór­gãos de jus­ti­ça, militar ou ci­vil, em fun­ção dos ca­sos, pa­ra o de­vi­do tra­ta­men­to. O bri­ga­dei­ro das FAA ga­ran­tiu que a cor­po­ra­ção vai con­ti­nu­ar a de­sen­vol­ver es­for­ços jun­to dos ór­gãos de se­gu­ran­ça, em par­ti­cu­lar da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, pa­ra o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta. “Po­de­mos achar que não é um pro­ble­ma das For­ças Ar­ma­das An­go­las, mas mui­tas ve­zes es­tão mi­li­ta­res en­vol­vi­dos e is­so põe em cau­sa o bom no­me da Re­gião Militar de Luanda e não só. Qu­e­re­mos aca­bar com es­te ti­po de com­por­ta­men­to”, es­cla­re­ceu.

De acor­do com o bri­ga­dei­ro, a si­tu­a­ção já es­te­ve pi­or no que to­ca à in­va­são de ter­re­nos e cri­mes vi­o­len­tos com o en­vol­vi­men­to de mi­li­ta­res, mas con­si­de­ra que há me­lho­ri­as. O dia-a-dia dos mi­li­ta­res nes­te pos­to, dis­se, tem si­do so­bre­tu­do de vi­gi­lân­cia, com pa­tru­lhas di­rec­ci­o­na­das às dis­tin­tas áre­as de mai­or ris­co e de pron­ti­dão com­ba­ti­va das tro­pas, re­la­ti­vas à sua pre­pa­ra­ção pa­ra fu­tu­ras ac­ções. En­tre as áre­as de mai­or pre­o­cu­pa­ção, apon­tou as do Mu­ku­la An­go­la, Cin­co Fi­os e Tan­que 2, além de ou­tras que cir­cun­dam a zo­na do Zan­go.

PE­DRO PARENTE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.