O BOM QUE A CUL­TU­RA AN­GO­LA­NA PRO­DUZ Ki­lan­du­ki­lu é o bal­let tra­di­ci­o­nal que en­can­ta o Mun­do

Jornal de Angola - - MUSICA - GUI­MA­RÃES SIL­VA |

Ma­ne­co Vieira Di­as é in­ves­ti­ga­dor, es­tu­di­o­so da cul­tu­ra an­go­la­na e pre­si­den­te do Bal­let Tra­di­ci­o­nal Ki­lan­du­ki­lu, que ho­je pas­seia clas­se pe­lo Mun­do, mos­tran­do nos qua­tro qua­dran­tes o bom que a cul­tu­ra an­go­la­na pro­duz. Na sen­da, o gru­po pos­sui uma ga­le­ria in­ve­já­vel, fru­to do ob­jec­to so­ci­al que ins­cre­ve dan­ças fol­cló­ri­cas, de sa­lão, re­cre­a­ti­vas, con­tem­po­râ­nea e ri­tu­ais, fru­to de pes­qui­sa, re­co­lha e ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais do po­vo an­go­la­no. Si­ga a en­tre­vis­ta.

Jor­nal de An­go­la - Bal­let Tra­di­ci­o­nal Ki­lan­du­ki­lu, o que é? Co­mo, on­de e quan­do co­me­çou?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

O Bal­let Tra­di­ci­o­nal Ki­lan­du­ki­lu, que sig­ni­fi­ca “Di­ver­ti­men­to” na Lín­gua Na­ci­o­nal Kim­bun­do, foi fun­da­do no Bair­ro Ma­cu­lus­so, em Luanda, no lon­gín­quo ano de 1984, por­tan­to há 32 anos. Ho­je, do lo­te de fun­da­do­res ape­nas es­tão no ac­ti­vo o Mes­tre Pet­chu, que é Pro­fes­sor e Bai­la­ri­no em Por­tu­gal, e a Ana Maria To­más, que ac­tu­al­men­te é a di­rec­to­ra pe­la par­te téc­ni­ca do gru­po.

Jor­nal de An­go­la - Porquê a dan­ça nas es­co­lhas do Ki­lan­du­ki­lu?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

O Ki­lan­du­ki­lu sur­ge pre­ci­sa­men­te na fa­se de “fe­bre” da dan­ça, que acon­te­ceu nos prin­cí­pi­os dos anos 80 em An­go­la. Al­guns jo­vens que eram in­flu­en­ci­a­dos por fil­mes de dan­ça de­ci­di­ram cri­ar um gru­po no Bair­ro, cu­jo ob­jec­ti­vo era a di­ver­são. Tu­do se trans­for­ma quan­do, um ano de­pois, o gru­po con­cor­re no Fes­ti­val Na­ci­o­nal de Dan­ça or­ga­ni­za­do pe­la UNTA (União Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res de An­go­la) e ven­ce. As­sim co­me­ça en­tão a gran­de ca­mi­nha­da até à es­tru­tu­ra que atin­gi­mos ho­je co­mo Bal­let Tra­di­ci­o­nal.

Jor­nal de An­go­la - Qual é a com­po­si­ção ac­tu­al do Bal­let Tra­di­ci­o­nal Ki­lan­du­ki­lu?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Ho­je o Gru­po está cons­ti­tuí­do em três num só, ou se­ja, tra­ba­lha­mos em Luanda, no Uí­ge (Nkem­bo Ki­lan­du­ki­lu), em Lis­boa (Por­tu­gal) e de­sen­vol­ve­mos um pro­jec­to no Re­ci­fe-Bra­sil com uma or­ga­ni­za­ção Não-Go­ver­na­men­tal de­no­mi­na­da “Pés no Chão”. To­do es­te tra­ba­lho en­vol­ve mais de 80 ele­men­tos.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo se pro­ces­sa o re­cru­ta­men­to pa­ra o gru­po? Que tra­ba­lho de ca­sa o pre­ten­den­te de­ve fa­zer?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

A in­ser­ção de no­vos ele­men­tos no gru­po e o seu apren­di­za­do é o nos­so mai­or se­gre­do. Foi pre­ci­so que se cri­as­se uma es­tru­tu­ra só­li­da de or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to, pa­ra que os ní­veis des­te gru­po se man­ti­ves­sem na di­men­são do que é ho­je, em­bo­ra lhe ga­ran­ta que não tem si­do fá­cil.

Jor­nal de An­go­la - Qual tem si­do a me­to­do­lo­gia pa­ra uma cor­rec­ta sin­cro­ni­za­ção en­tre trei­nos, es­co­la, for­ma­ção?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

A ní­vel in­ter­no exis­te uma me­to­do­lo­gia de tra­ba­lho que per­mi­te que o mes­mo flua sem gran­des so­bres­sal­tos. Gos­ta­ría­mos de ter uma es­co­la de fac­to, e em­bo­ra a mai­or par­te dos bai­la­ri­nos te­nha for­ma­ção no gru­po, é evi­den­te que ain­da não é fei­to co­mo gos­ta­ría­mos, mas te­mos fei­to o nos­so me­lhor fa­zen­do for­ma­ção per­ma­nen­te com pro­fes­so­res con­vi­da­dos pa­ra o efei­to.

Jor­nal de An­go­la - O que faz com que o gru­po te­nha áu­rea? A ‘Ma­gia’ con­ta­gi­an­te quan­do em pal­co?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

A “ma­gia” é de­ri­va­da da nos­sa hu­mil­da­de no bem-fa­zer. Nun­ca pen­sa­mos nas di­fi­cul­da­des mes­mo di­an­te de vá­ri­as si­tu­a­ções ad­ver­sas. O nos­so le­ma é “Trans­for­mar as Di­fi­cul­da­des em Ins­tru­men­tos de tra­ba­lho”.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo se pro­ces­sa a pes­qui­sa pa­ra a ali­men­ta­ção do gru­po, em ter­mos de dan­ça? Co­re­o­gra­fia? Mú­si­ca? Tra­jes?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Olha, te­mos fei­to um es­for­ço gran­de no pro­ces­sa­men­to de re­co­lha e es­tu­dos pa­ra que o gru­po pos­sa pro­du­zir, ca­da vez mais, obras que re­tra­tem as vá­ri­as ma­ni­fes­ta­ções da gran­de di­ver­si­da­de da cul­tu­ra an­go­la­na. Se per­gun­tar se é fá­cil, cla­ro que di­rei que não. Gos­ta­ría­mos de con­tar com uma equi­pa es­pe­cí­fi­ca que se de­di­cas­se a es­te de­si­de­ra­to, mas as con­di­ções que pos­suí­mos ain­da não nos per­mi­tem. O ma­te­ri­al que o gru­po exi­be é to­do pro­du­zi­do por nós em fun­ção do que pre­ten­de­mos re­pre­sen­tar.

Jor­nal de An­go­la - Quais são as re­giões do país pri­o­ri­tá­ri­as pa­ra a pes­qui­sa do gru­po? Porquê?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

O gru­po não tem re­giões es­pe­cí­fi­cas, por­que a es­tra­té­gia é a pes­qui­sa, re­co­lha e es­tu­dos das mais va­ri­a­das ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais do po­vo an­go­la­no. O Bal­let uti­li­za nas su­as obras o Ba­tu­que, Mon­dó, Ngon­gue, Pui­ta, Ngai­e­tas, Djem­bés, Re­co-Re­co, Ba­te-Ba­te (bam­bu), Api­tos, Ma­rim­bas, Flau­ta, Sa­cos Plás­ti­cos, Cho­ca­lhos, Ba­nhei­ras, Dum-dum, Pe­dri­nhas, Gar­ra­fa, e ou­tros efei­tos so­no­ros co­mo água, ven­to da bo­ca, as­so­bi­os. De dan­ças “Ngo­lo” (For­ça), “Dan­ça Ka­zu­ku­ta/Xin­gui­la­men­to, “Yma Ye­to”(Nos­sas coi­sas), “Tchi­an­da”, “Dan­ça do ga­lo Oham­ba” (Rei), “So­nho da Con­tem­po­ra­nei­da­de”, “Ki­xim­bi­la”, “Ho­me­na­gens aos le­nha­do­res”, “Ki­lan­du­ki­lu”.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo se pro­ces­sa o mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção do gru­po?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Com o uso das no­vas tec­no­lo­gi­as a ní­vel da co­mu­ni­ca­ção, o gru­po apri­mo­ra, pa­ra que a so­ci­e­da­de co­nhe­ça ca­da vez mais e me­lhor o nos­so tra­ba­lho nas di­ver­sas ver­ten­tes.

Jor­nal de An­go­la - Fa­le um pou­co do Pro­jec­to pa­ra a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção do gru­po? Co­mo está ac­tu­al­men­te?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Há 20 anos atrás quan­do de­ci­di­mos que par­te do gru­po se ba­se­as­se no ex­te­ri­or, fo­mos mal com­pre­en­di­dos. In­clu­si­ve hou­ve no­tí­ci­as de 1ª pá­gi­na com tí­tu­los que qua­se eclip­sa­ram o gru­po. Po­rém, co­mo era um pro­jec­to bem con­ce­bi­do con­se­gui­mos cri­ar as es­tru­tu­ras a que já fi­ze­mos re­fe­rên­cia, quan­do fa­lei da com­po­si­ção. De­ri­va­do de to­do es­se pro­ces­so, al­guns in­te­gran­tes des­te gru­po já par­ti­ci­pa­ram em vá­ri­as oca­siões em ci­clos de for­ma­ção no ex­te­ri­or. Por ou­tro la­do, de­vo re­fe­rir que ho­je as dan­ças an­go­la­nas são a mai­or “fe­bre” do Mun­do, so­bre­tu­do os gé­ne­ros Ku­du­ro e a Ki­zom­ba. O Bal­let Tra­di­ci­o­nal Ki­lan­du­ki­lu tam­bém tem res­pon­sa­bi­li­da­des nes­te gran­de mo­vi­men­to, por via do Mes­tre Pet­chú, que re­si­de em Por­tu­gal, é pro­fes­sor, co­reó­gra­fo e di­ri­ge o Ki­lan­du­ki­lu – Lis­boa. Quan­do nos pro­pu­ser­mos par­tir pa­ra a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção não era só pa­ra dar a co­nhe­cer quem so­mos en­quan­to gru­po. Tam­bém que­ría­mos pas­sar a ima­gem do be­lo que An­go­la pro­duz a ní­vel cul­tu­ral. Acho que os re­sul­ta­dos e os pré­mi­os fa­lam por si.

1984 1996

- 1º Lu­gar no Fes­ti­val pro­vin­ci­al p/ tra­ba­lha­do­res em Luanda. - Pré­mio Re­ve­la­ção, agra­ci­a­do pe­la UNAC-S.A. e Ci­da­de de Luanda agra­ci­a­do pe­lo Go­ver­no da Pro­vín­cia de Luanda. - Pré­mio Iden­ti­da­de, agra­ci­a­do pe­la UNAC-S.A. - União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res – Pré­mio re­fe­ren­te ao me­lhor gru­po. -1º Lu­gar no 8º Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Dan­ça e Mú­si­ca Fol­cló­ri­ca em Ro­o­de­po­ort/Áfri­ca do Sul. Nes­ta oca­sião foi con­si­de­ra­do o me­lhor gru­po afri­ca­no e 2º Lu­gar na 9ª Edi­ção. - Me­lhor Bal­let Tra­di­ci­o­nal de Dan­ça Afri­ca­na na VII Ga­la do Rá­dio Clu­be de Lei­ria/Por­tu­gal. - Di­plo­ma de mé­ri­to agra­ci­a­do pe­lo Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Luanda. - Pré­mio de me­lhor gru­po de Dan­ça tra­di­ci­o­nal An­go­la­na, agra­ci­a­do na Ga­la do 2º Ani­ver­sá­rio da Revista Tro­pi­cal. - Pré­mio Pres­tí­gio agra­ci­a­do em Lis­boa. - Em­bai­xa­dor do COCAN e Tro­féu Car­rei­ra Mo­da Luanda 2010. Ho­me­na­gem dos Em­bai­xa­do­res Afri­ca­nos por oca­sião da ga­la em alu­são 25 de Maio - Dia de Áfri­ca re­a­li­za­da em Abu Dha­bi-UAE. Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes na dis­ci­pli­na de Dan­ça, ou­tor­ga­do pe­lo Go­ver­no An­go­la­no. - Ho­me­na­gem na ga­la dos 10 anos de Paz re­a­li­za­da pe­la Em­bai­xa­da de An­go­la em Por­tu­gal em prol da divulgação da Cul­tu­ra An­go­la­na no ex­te­ri­or. - Di­plo­ma de Mé­ri­to agra­ci­a­do pe­la Co­mis­são Ad­mi­nis­tra­ti­va de Luanda, por oca­sião do 438º Ani­ver­sá­rio da ci­da­de.

1998 1995 1999 2000 2002 2008 2010 2011- 2011- 2012 2014

Jor­nal de An­go­la - Que de­sa­fi­os adi­an­ta quan­to à in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Os de­sa­fi­os são enor­mes, só pre­ci­sa­mos que nos apoi­em. Os in­cen­ti­vos pa­ra a re­a­li­za­ção, pro­du­ção e cri­a­ção ar­tís­ti­ca são ca­da vez mais es­cas­sos ou qua­se nem se­quer exis­tem. Di­an­te de tu­do is­so, não de­sis­ti­mos.

Jor­nal de An­go­la - Que tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia tem man­ti­do com ou­tros bal­lets no país e no es­tran­gei­ro?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Sem­pre que po­de­mos, fa­zen­do tro­cas de ex­pe­ri­ên­cia no País e no ex­te­ri­or. Aqui so­mos bem re­la­ci­o­na­dos, por­que o Ki­lan­du­ki­lu já par­ti­ci­pou em vá­ri­os cer­ta­mes na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, em paí­ses de Áfri­ca, Eu­ro­pa, Ásia, Amé­ri­ca La­ti­na.

Jor­nal de An­go­la - Fa­le um pou­co do “exer­cí­cio” que é vi­ver da dan­ça?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

Vi­ver da dan­ça co­mo gru­po? É pre­ci­so ter mui­ta co­ra­gem pa­ra man­ter um pro­jec­to co­mo es­te sem apoi­os ab­so­lu­ta­men­te ne­nhuns. So­bre­vi­ve­mos com o que pro­du­zi­mos e al­guns apoi­os pon­tu­ais de ami­gos. É pre­ci­so di­zer que os en­car­gos são al­tos pa­ra se pro­du­zir a di­men­são do que fa­ze­mos.O qua­dro da dan­ça no país não é dos me­lho­res, o que bas­tas ve­zes ori­gi­na que mui­tas ini­ci­a­ti­vas vão su­cum­bin­do. A Bol­sa de cri­a­ção, por exem­plo, po­de­ria ser um gran­de in­cen­ti­vo aos cri­a­do­res.

Jor­nal de An­go­la - Fes­ti­val da Canção de Luanda. Co­mo apa­re­ce a rap­só­dia no bal­let Ki­lan­du­ki­lu? Es­ta com­po­nen­te veio pa­ra fi­car?

Ma­ne­co Vieira Di­as -

O Ki­lan­du­ki­lu é um par­cei­ro do Fes­ti­val da Canção de Luanda e aqui os nos­sos agra­de­ci­men­tos a es­ta es­ta­ção de rá­dio. Es­te ano, mais uma vez, a ela­bo­ra­ção, adap­ta­ção, con­cep­ção ge­ral e co­re­o­gra­fia do mu­si­cal on­de so­bres­sai a fra­se “NOS TRILHOS DA MÚ­SI­CA… UM COMBOIO DE CAN­ÇÕES”, a res­pon­sa­bi­li­da­de foi in­tei­ra­men­te nos­sa. O pro­jec­to de­ve­ria man­ter­se, por­que apre­sen­ta uma pro­pos­ta mui­to in­te­res­san­te.

PRÉ­MI­OS E HO­ME­NA­GENS

M. MACHANGONGO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.