A voz de cam­pa­nha do registo elei­to­ral

Jornal de Angola - - PERFIL -

Ma­nu­el Tchis­so­le da Sil­va Borges é co­nhe­ci­do nos cír­cu­los mu­si­cais por Nery Borges. Com ape­nas 19 anos, já faz par­te da his­tó­ria mu­si­cal de An­go­la, pe­lo fac­to de o te­ma “An­go­la me sen­te” ter si­do es­co­lhi­do pa­ra ser o hi­no de cam­pa­nha do registo elei­to­ral pa­ra o es­cru­tí­nio de 2017. O te­ma está a ser apro­vei­ta­do pa­ra mo­bi­li­zar os an­go­la­nos a ade­ri­rem ao registo elei­to­ral.

Nery Borges diz que foi sur­pre­en­di­do com a no­tí­cia de que a sua mú­si­ca se­ria es­co­lhi­da pa­ra a cam­pa­nha do registo elei­to­ral, por não ter com­pos­to a pen­sar no re­fe­ri­do even­to. “Es­cre­vi es­sa mú­si­ca com o ob­jec­ti­vo de cha­mar a aten­ção dos jo­vens so­bre a ne­ces­si­da­de de res­ga­tar os va­lo­res mo­rais, cí­vi­cos, a so­li­da­ri­e­da­de, a ci­da­da­nia e o amor ao pró­xi­mo, por no­tar que mui­ta gen­te já não pro­mo­ve, co­mo an­tes, es­tes va­lo­res”, es­cla­re­ceu.

“Após gra­var a mú­si­ca, o meu agen­te co­me­çou a di­vul­gá­la. Pas­sa­do al­gum tem­po, ele li­gou pa­ra mim a avi­sar que a mes­ma ha­via si­do es­co­lhi­da pa­ra ser o hi­no da cam­pa­nha do registo elei­to­ral. Con­fes­so que fi­quei sur­pre­en­di­do e imen­sa­men­te sa­tis­fei­to”, acres­cen­tou .

A fre­quen­tar o 12.º ano do cur­so mé­dio de Ci­ên­ci­as de Eco­no­mia Ju­rí­di­cas, Nery Borges de­se­ja e en­trar nu­ma fa­cul­da­de de Di­rei­to.

De­pois de apa­re­cer pu­bli­ca­men­te, pe­la pri­mei­ra vez, no pro­gra­ma Tchi­lar, do Ca­nal 2 da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la (TPA), no pas­sa­do mês de Agos­to, foi con­vi­da­do pa­ra a ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to da cam­pa­nha do registo elei­to­ral pre­sen­ci­a­da por in­di­vi­du­a­li­da­des do país, en­tre eles o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. “Lem­bro-me de o meu agen­te ter-me per­gun­ta­do se es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra can­tar di­an­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Res­pon­di que es­tou sem­pre pre­pa­ra­do pa­ra gran­des de­sa­fi­os. Cos­tu­mo di­zer que sou mui­to so­nha­dor, mas nun­ca so­nhei can­tar di­an­te do Pre­si­den­te”, re­ve­lou.

Úni­co nu­ma fa­mí­lia de qua­tro ir­mãos a abra­çar a mú­si­ca, Nery Borges con­ta que a pai­xão por es­ta ar­te co­me­çou aos qua­tro anos, de­pois de re­ce­ber dos pais uma vi­o­la e um pi­a­no de pre­sen­te. “Sem­pre de­se­jei ser can­tor”, dis­se, acres­cen­ta­do que tem co­mo ído­los Pau­lo Flo­res, Yu­ri da Cu­nha, C4 Pe­dro, Ma­ti­as Da­má­sio e Yo­la Se­me­do, com quem de­se­ja “fa­zer um du­e­to um dia”.

The Voi­ce An­go­la

A pri­mei­ra opor­tu­ni­da­de pa­ra mos­trar o seu va­lor em ter­mos mu­si­cais acon­te­ceu na pri­mei­ra edi­ção do pro­gra­ma The Voi­ce An­go­la, re­a­li­za­do na Áfri­ca do Sul. “Con­cor­ri de­pois de re­ce­ber uma li­ga­ção de uma ami­ga de na­ci­o­na­li­da­de por­tu­gue­sa que já co­nhe­cia o meu po­ten­ci­al. Ela fez-me ver que se tra­ta­va de uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra mos­trar o meu po­ten­ci­al. Ra­pi­da­men­te en­vi­ei pa­ra o en­de­re­ço do pro­gra­ma um ví­deo on­de apa­re­cia a can­tar o te­ma “Pa­pá” de Ma­ti­as Da­má­sio, pa­ra ser ava­li­a­do. Di­as de­pois, a ca­mi­nho da es­co­la pa­ra re­a­li­zar uma pro­va, o te­le­fo­ne to­ca. Era do pro­gra­ma The Voi­ce. A no­tí­cia ul­tra­pas­sa­va a ex­pec­ta­ti­va. Es­ta­va se­lec­ci­o­na­do pa­ra o ‘cas­ting”, re­ve­lou.

No dia do “cas­ting”, ca­lhou­lhe a sa­la mais “de­tes­ta­da” pe­los con­cor­ren­tes. O mo­ti­vo pa­ra que a sa­la ga­nhas­se es­se ró­tu­lo era Edu­ar­do Paím. Os con­cor­ren­tes con­si­de­ra­vam-no co­mo o jú­ri mais rí­gi­do. “Di­zi­am que o Edu­ar­do Paím era mui­to ri­go­ro­so”, dis­se.

Es­sa in­for­ma­ção re­du­ziu a au­to-con­fi­an­ça do jo­vem, mas não o im­pe­diu de con­ti­nu­ar. En­trou pa­ra a sa­la e fez o “cas­ting”. Uma se­ma­na de­pois re­ce­beu uma li­ga­ção do con­cur­so a avi­sar que es­ta­va apu­ra­do. “Era mui­ta emo­ção. Não es­ta­va acre­di­tar no que es­ta­va a acon­te­cer. Con­clui que o Edu­ar­do Paím não era o que os con­cor­ren­tes di­zi­am”, su­bli­nhou.

Após es­sa fa­se, se­guiu-se uma dis­pu­ta en­tre dois can­di­da­tos, pa­ra apu­rar o me­lhor. A sua opo­si­to­ra era Ju­li­e­ta Am­briz. Na eli­mi­na­tó­ria, os ju­ra­dos não se sen­ti­ram con­ven­ci­dos com a sua per­for­man­ce e eli­mi­na­ram-no. A de­ci­são aba­lou o jo­vem, mas não ma­tou o so­nho de ser can­tor.

“A Yo­la Se­me­do pe­diu-me pa­ra não bai­xar a ca­be­ça e que de­via con­si­de­rar o The Voi­ce An­go­la co­mo uma por­ta que se abriu pa­ra no­vos vo­os”, dis­se. Se a Yo­la Se­me­do é ou não uma vi­den­te, o cer­to é que a car­rei­ra do jo­vem des­de en­tão te­ve no­vos vo­os. Ho­je, com ape­nas 19 anos, já me­re­ceu uma dis­tin­ção.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.