Ad­mi­nis­tra­ção en­cer­ra ce­mi­té­ri­os ile­gais

MU­NI­CÍ­PIO DE ME­NON­GUE Au­to­ri­da­des pre­ten­dem adop­tar me­di­da an­tes do fi­nal des­te ano

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - CAR­LOS PAU­LI­NO |

A Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Me­non­gue ini­ci­ou con­tac­tos jun­to das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, no sen­ti­do de se en­con­trar uma so­lu­ção ur­gen­te pa­ra se aca­bar com os fu­ne­rais em ce­mi­té­ri­os ile­gais, que de­vem ser en­cer­ra­dos an­tes do fi­nal do ano em cur­so.

Es­ta foi a so­lu­ção en­con­tra­da pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de­pois de se ter cons­ta­ta­do mais um ca­so de van­da­li­za­ção de uma co­va por des­co­nhe­ci­dos, no ce­mi­té­rio ile­gal de Mu­pam­ba­la, si­tu­a­do a cer­ca de se­te qui­ló­me­tros da ci­da­de de Me­non­gue, de on­de su­pos­ta­men­te ti­nha de­sa­pa­re­ci­do um ca­dá­ver.

O director mu­ni­ci­pal do Sa­ne­a­men­to Pú­bli­co e Es­pa­ços Ver­des, Au­gus­to Ma­nu­el Nda­la, dis­se on­tem que a Ad­mi­nis­tra­ção de Me­non­gue já iden­ti­fi­cou de­ze­nas de ce­mi­té­ri­os que de­vem ser en­cer­ra­dos nos pró­xi­mos tem­pos, com re­al­ce pa­ra os de Sa­cam­po­co, Mu­pam­ba­la, São Jo­sé, São Pau­lo, Tu­cu­ve, Cam­bum­be e Lu­me­ta, nos ar­re­do­res da ci­da­de de Me­non­gue, on­de a po­pu­la­ção, de for­ma per­sis­ten­te, con­ti­nua a en­ter­rar os seus en­tes que­ri­dos.

Au­gus­to Ma­nu­el Nda­la dis­se que não há ra­zões que mo­ti­vem a po­pu­la­ção a com­por­tar-se des­ta for­ma, por­que o Go­ver­no da pro­vín­cia cons­truiu, em 2014, um ce­mi­té­rio mu­ni­ci­pal mo­der­no, on­de qual­quer ci­da­dão, in­cluin­do o de bai­xa ren­da, está em con­di­ções de en­ter­rar o seu fa­mi­li­ar, por­que pa­ra se­pul­tar o cor­po de uma cri­an­ça pa­ga-se ape­nas mil kwan­zas e de adul­to dois mil kwan­zas.

Es­ta in­fra-es­tru­tu­ra, cu­jas obras cus­ta­ram aos co­fres do Es­ta­do 452 mi­lhões de kwan­zas, tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 7.820 cam­pas e con­ta com uma ca­pe­la pa­ra re­a­li­za­ção de mis­sa de cor­po pre­sen­te, três sa­las pa­ra ve­ló­ri­os, área pa­ra ser­vi­ços ge­rais e uma lo­ja pa­ra venda de flo­res. “Não há mo­ti­vos pa­ra as pes­so­as en­ter­ra­rem os seus en­tes que­ri­dos em lo­cais im­pró­pri­os, pois, aci­ma de tu­do, cons­ti­tui fal­ta de amor e de res­pei­to ao pró­xi­mo”, dis­se, acres­cen­tan­do que mui­tos des­tes lu­ga­res são re­ser­vas fun­diá­ri­as, on­de a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal pre­ten­de fu­tu­ra­men­te cons­truir im­por­tan­tes in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais, com re­al­ce pa­ra es­co­las, uni­da­des sa­ni­tá­ri­as e ha­bi­ta­ção.

Ca­dá­ver en­con­tra­do

Uma equi­pa mul­tis­sec­to­ri­al in­te­gra­da por téc­ni­cos da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Me­non­gue, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, Saú­de Pú­bli­ca e dos Ser­vi­ços de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC), tra­ba­lhou nos úl­ti­mos di­as no ce­mi­té­rio da Mu­pam­ba­la pa­ra cons­ta­tar “in lo­co” as in­for­ma­ções pos­tas a cir­cu­lar, se­gun­do as quais o ca­dá­ver de um ci­da­dão, que em vi­da se cha­mou Jo­sé Má­rio, de 43 anos, ti­nha de­sa­pa­re­ci­do.

No lo­cal, os es­pe­ci­a­lis­tas do SIC fi­ze­ram a pe­rí­cia e con­cluí­ram que a cam­pa ti­nha si­do aber­ta por des­cui­do, por ele­men­tos que pre­ten­di­am en­ter­rar um en­te que­ri­do seu e ao de­pa­ra­rem-se com uma ur­na no fun­do do bu­ra­co dei­xa­ram a co­va a céu aber­to, si­tu­a­ção que pro­vo­cou vá­ri­os ala­ri­dos, por­que os ci­da­dãos pen­sa­ram que o cor­po ti­nha si­do re­mo­vi­do pa­ra prá­ti­cas de fei­ti­ça­ria. O director ad­jun­to do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, su­pe­rin­ten­den­te­che­fe Job de Al­mei­da, des­car­tou a pos­si­bi­li­da­de de exis­tir qual­quer in­ten­ção de pro­fa­na­ção ou re­ti­ra­da do cor­po do bu­ra­co, mas sim de­sor­ga­ni­za­ção de uma fa­mí­lia que que­ria en­ter­rar o seu parente num sí­tio on­de já ha­via ou­tro ca­dá­ver.

Ex­cep­to a ter­ra que foi ti­ra­da da co­va, o cor­po e o cai­xão es­ta­vam con­ser­va­dos. Re­al­çou que é a pri­mei­ra vez que a sua ins­ti­tui­ção re­gis­tou tal si­tu­a­ção e por es­te fac­to ape­lou à Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Me­non­gue no sen­ti­do de en­cer­rar o mais bre­ve pos­sí­vel to­dos os ce­mi­té­ri­os ile­gais, pa­ra que ca­sos do gé­ne­ro não acon­te­çam no­va­men­te na re­gião. O director mu­ni­ci­pal da Saú­de, João Chi­nhin­ga, dis­se que a re­a­li­za­ção de en­ter­ros em ce­mi­té­ri­os ile­gais ou em lo­cais ina­pro­pri­a­dos cons­ti­tui um gran­de aten­ta­do à saú­de pú­bli­ca, pois po­de pro­vo­car do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e di­ar­rei­cas agu­das, de­vi­do à po­lui­ção do meio am­bi­en­te.

LOU­REN­ÇO BULE |ME­NON­GUE

Mui­tos fu­ne­rais em Me­non­gue são re­a­li­za­dos sem co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas da­que­le mu­ni­cí­pio do Cu­an­do Cu­ban­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.