Área da flo­ri­cul­tu­ra no país já pre­ci­sa de mais in­cen­ti­vos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

O am­bi­en­ta­lis­ta Si­mão dos San­tos pe­diu na sex­ta-fei­ra, em Luanda, aos em­pre­sá­ri­os da flo­ri­cul­tu­ra pa­ra apos­ta­rem na pro­du­ção em gran­de es­ca­la da ro­sa de por­ce­la­na pa­ra a ex­por­ta­ção.

O ac­ti­vis­ta am­bi­en­tal, con­vi­da­do pe­la agên­cia de no­tí­ci­as An­gop pa­ra co­men­tar so­bre a cri­a­ção de plan­tas ornamentais, dis­se ha­ver uma gran­de ne­ces­si­da­de de apos­tar na flo­ri­cul­tu­ra, no âm­bi­to da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, por ser uma área que ge­ra mui­tas re­cei­tas.

Em sua opi­nião, o de­sin­te­res­se do em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal em fa­zer ne­gó­ci­os na área da flo­ri­cul­tu­ra tem a ver com o fac­to de, até há al­gum tem­po, em An­go­la só ha­ver ne­gó­ci­os que ge­ra­vam lu­cros ime­di­a­tos, mas, com a re­a­li­da­de ac­tu­al, abre-se um no­vo cam­po de in­ves­ti­men­to.

O in­ves­ti­men­to na flo­ri­cul­tu­ra, acen­tu­ou o am­bi­en­ta­lis­ta, é uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra o sec­tor em­pre­sa­ri­al, além de que o con­su­mi­dor fi­nal tem be­ne­fí­ci­os, atra­vés da apli­ca­ção de pre­ços jus­tos.

O am­bi­en­ta­lis­ta Si­mão dos San­tos dis­se acre­di­tar que o solo em An­go­la “tem tu­do pa­ra a pro­du­ção de flo­res”, uma ac­ti­vi­da­de que “re­al­men­te dá mui­to tra­ba­lho e en­vol­ve al­guns ris­cos, co­mo qual­quer ne­gó­cio”.

O am­bi­en­ta­lis­ta fri­sou que, no ex­te­ri­or do país, a ro­sa, sem de­co­ra­ção, é co­mer­ci­a­li­za­da en­tre cin­co e dez dó­la­res por pé. Em An­go­la, os pre­ços das plan­tas ornamentais são mais ele­va­dos. Em Luanda, um pé de flor sim­ples é ven­di­do a 1.500 kwan­zas, mas com or­na­men­ta­ção po­de che­gar a 2.500 kwan­zas.

Vi­vei­ro do Ki­na­xi­xi

Cen­te­nas de mi­lha­res de plan­tas, en­tre pal­mei­ras, eu­ca­lip­tos, co­quei­ros e pin­go de ou­ro es­tão dis­po­ní­veis no vi­vei­ro do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF), em Luanda, pa­ra o re­po­vo­a­men­to or­na­men­tal e flo­res­tal.

O am­bi­en­ta­lis­ta Si­mão San­tos dis­se que o vi­vei­ro pro­duz mu­das pa­ra se­rem co­mer­ci­a­li­za­das à po­pu­la­ção e às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e co­mu­nais. O lo­cal tem dez na­ves, ca­da uma das quais pro­duz 50 bol­sas de plan­tas de vá­ri­as es­pé­ci­es, além de três in­cu­ba­do­ras, on­de é fei­ta a ger­mi­na­ção das se­men­tes.

AFP

Plan­tas al­te­ram de for­ma po­si­ti­va o am­bi­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.