Mau es­ta­do da es­tra­da tem im­pac­to nas ex­por­ta­ções

Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria per­de di­nhei­ro por de­sis­tên­cia dos im­por­ta­do­res na­mi­bi­a­nos

Jornal de Angola - - PARTADA -

O mau es­ta­do do tro­ço ro­do­viá­rio en­tre Caiundo e Catuitui, um dos prin­ci­pais ei­xos da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, re­sul­ta em enor­mes pre­juí­zos na ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do-As di­fi­cul­da­des en­con­tra­das pe­los ca­miões usa­dos no trans­por­te de mer­ca­do­ri­as pa­ra a Na­mí­bia tem des­mo­ti­va­do os im­por­ta­do­res na­mi­bi­a­nos e de ou­tros paí­ses da re­gião, mui­tos dos quais de­sis­ti­ram. O ac­tu­al ce­ná­rio no pos­to, ou­tro­ra um dos mais mo­vi­men­ta­dos, é re­ve­la­dor do ac­tu­al es­ta­do de coi­sas.

O tro­ço ro­do­viá­rio en­tre Caiundo e Catuitui (Cu­an­gar), da Es­tra­da Na­ci­o­nal nú­me­ro 140, um dos prin­ci­pais ei­xos ro­do­viá­ri­os da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, no con­tex­to da ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra os co­fres do Es­ta­do, a par­tir das Al­fân­de­gas de Catuitui, jun­to da fron­tei­ra com a Na­mí­bia, con­ti­nua há oi­to anos em avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção e sem so­lu­ção à vis­ta.

O Es­ta­do an­go­la­no ru­bri­cou em 2008 um con­tra­to mi­li­o­ná­rio com as em­pre­sas ZAGOPE do Bra­sil, TEICHMANN-An­go­la e o con­sór­cio DECAR de pou­co mais de 300 mi­lhões de dó­la­res, pa­ra as­fal­tar a es­tra­da na­ci­o­nal nú­me­ro 140, de Me­non­gue até Catuitui, e par­te do tro­ço da es­tra­da na­ci­o­nal 295 do Bon­do-Caí­la à se­de do mu­ni­cí­pio do Cu­an­gar.

Fei­tos os pa­ga­men­tos ini­ci­ais, em mais de 50 por cen­to, a ZAGOPE do gru­po An­dra­de Gu­ti­er­rez, pôs mãos à obra e com os 135 mi­lhões de dó­la­res que re­ce­beu dos co­fres do Es­ta­do, as­fal­tou na to­ta­li­da­de os 135 qui­ló­me­tros de es­tra­da en­tre Me­non­gue até à co­mu­na de Caiundo.

O tro­ço ro­do­viá­rio, que co­me­ça na se­de co­mu­nal de Caiundo e vai até Sa­va­te, num per­cur­so de 148 qui­ló­me­tros, foi en­tre­gue à TEICHMANN-An­go­la, que de­pois de fa­zer tra­ba­lhos de ter­ra­ple­na­gem, co­lo­ca­ção de vi­a­du­tos e apli­ca­ção de so­los, sus­pen­deu os tra­ba­lhos até à da­ta pre­sen­te.

De Sa­va­te ao Catuitui, cer­ca de 76 qui­ló­me­tros, e de Bon­do Caí­la até à se­de mu­ni­ci­pal do Cu­an­gar, 40 qui­ló­me­tros, de que a Pau­lo e Pau­lo eL e L-En­ge­nha­ria che­ga­ram a fa­zer to­dos os tra­ba­lhos, in­cluin­do a apli­ca­ção do óleo be­tu­mi­no­so em to­da a sua ex­ten­são, res­tan­do o as­fal­to, a es­tra­da vol­tou a de­gra­dar-se.

Uma em­pre­sa chi­ne­sa sub­con­tra­ta­da pe­la TEICHMANN-An­go­la está a re­a­li­zar ac­tu­al­men­te tra­ba­lhos de ter­ra­ple­na­gem e apli­ca­ção de vi­a­du­tos, a par­tir da al­deia de Tcha­tui­ka até Sa­va­te. As obras já du­ram há mais de dois anos, os ho­mens e má­qui­nas per­ma­ne­cem no lo­cal.

O Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção já pa­gou às em­pre­sas con­tra­ta­das pa­ra as­fal­ta­rem a es­tra­da. Os va­lo­res fo­ram dis­po­ni­bi­li­za­dos nas mes­mas pro­por­ções que à ZAGOPE e não se per­ce­be a ra­zão de até ago­ra os tra­ba­lhos ain­da não es­ta­rem con­cluí­dos. Nes­te mo­men­to, a es­tra­da apre­sen­ta-se com mui­tos bu­ra­cos, ra­vi­nas e so­bre­tu­do pe­dras em qua­se to­da a sua di­men­são, o que tor­na qua­se im­pos­sí­vel cir­cu­lar por ela, sob pe­na de pro­vo­car pro­ble­mas me­câ­ni­cos na vi­a­tu­ra.

So­bre a es­tra­da Caiundo-Catuitui e Bon­do Caí­la até à se­de mu­ni­ci­pal do Cu­an­gar, mui­to já se fa­lou. As em­prei­tei­ras en­tre­vis­ta­das pe­lo Jor­nal de An­go­la com­pro­me­te­ram-se a ter­mi­nar os tra­ba­lhos na da­ta com­bi­na­da.

Co­mu­ni­da­des iso­la­das

As con­sequên­ci­as do mau es­ta­do do tro­ço ro­do­viá­rio en­tre Caiundo e Catuitui já co­me­çam a fa­zer-se sen­tir. Por um la­do, os ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos que ope­ra­vam no Cu­an­gar, Ca­lai e Di­ri­co já não o fa­zem com frequên­cia e, por ou­tro, a po­pu­la­ção que ti­nha o mer­ca­do da Na­mí­bia co­mo tá­bua de sal­va­ção, sen­tem imen­sas di­fi­cul­da­des de­vi­do à de­pre­ci­a­ção do kwan­za fa­ce ao dó­lar na­mi­bi­a­no.

A es­cas­sez de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de no seio das co­mu­ni­da­des que re­si­dem ao lon­go do tro­ço e dos mu­ni­cí­pi­os do Cu­an­gar, Ca­lai e Di­ri­co é mui­to gran­de, os cam­po­ne­ses não re­co­lhe­ram qua­se na­da e os pou­cos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos su­jei­tam-se a cam­bi­ar mil kwan­zas por 20 dó­la­res na­mi­bi­a­nos que no país vi­zi­nho ser­ve ape­nas pa­ra com­prar al­guns pães.

As co­mu­ni­da­des de Nto­pa, Mu­cun­di, Mu­lem­ba, Tcha­tui­ca, No­va Eta­pa e Sa­va­te, si­tu­a­das ao lon­go da es­tra­da e que ti­nham de­po­si­ta­do to­das as es­pe­ran­ças de vi­da me­lhor nos tra­ba­lhos de re­pa­ra­ção que es­ta­vam a tes­te­mu­nhar, vol­ta­ram a fi­car mui­tas de­las des­po­vo­a­das e as es­co­las que o Go­ver­no Pro­vin­ci­al cons­truiu nes­tas al­dei­as fi­ca­ram aban­do­na­das.

Al­fân­de­gas às mos­cas

O es­ta­do de de­gra­da­ção acen­tu­a­da em que se en­con­tra a es­tra­da é tão gran­de que até dei­xou o par­que das Al­fân­de­gas de Catuitui às mos­cas, tu­do por­que os im­por­ta­do­res de mer­ca­do­ri­as da Na­mí­bia e de ou­tros paí­ses da re­gião da SADC pre­fe­rem pas­sar em San­ta Cla­ra, no Cu­ne­ne.

Se­gun­do o de­le­ga­do das Al­fân­de­gas no Catuitui, Gil­ber­to Ma­teus Sen­ga, es­ta si­tu­a­ção está a pe­sar na ba­lan­ça de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra os co­fres do Es­ta­do que re­gis­tou uma que­bra de 60 por cen­to.

As pou­cas ver­bas re­co­lhi­das até ago­ra, cu­jo mon­tan­te não foi re­ve­la­do, têm ser­vi­do ape­nas pa­ra co­brir os gas­tos com os com­bus­tí­veis pa­ra ali­men­tar os gru­pos ge­ra­do­res que fun­ci­o­nam 24 ho­ras por dia.

Ape­sar da re­trac­ção dos im­por­ta­do­res pa­ra Catuitui, dis­se que a sua ins­ti­tui­ção, das pou­cas co­bran­ças que efec­tua nos pos­tos adu­a­nei­ros de Cu­an­gar, Ca­lai e Bu­a­bu­a­ta (Di­ri­co), a par­tir de pes­so­as sin­gu­la­res que têm co­mo mer­ca­do pre­fe­ren­ci­al a Na­mí­bia, até fi­nal des­te ano es­pe­ra ob­ter re­cei­tas na ordem dos 482 mi­lhões e 525 mil kwan­zas.

O Go­ver­no está a cons­truir uma no­va de­le­ga­ção adu­a­nei­ra em Catuitui, cu­jas obras já atin­gi­ram 80 por cen­to de exe­cu­ção, uma in­fra­es­tru­tu­ra de di­men­são in­ter­na­ci­o­nal.Gil­ber­to Ma­teus Sen­ga ex­pli­cou que gran­de par­te das mer­ca­do­ri­as ad­qui­ri­das na Áfri­ca do Sul usam o cor­re­dor do Botswa­na que fi­ca mais pró­xi­mo de Catuitui, che­gan­do a eco­no­mi­zar mais de 500 qui­ló­me­tros em re­la­ção à fron­tei­ra do Cu­ne­ne e não com­pre­en­de a ra­zão das au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes ain­da não se te­rem de­bru­ça­do so­bre es­tes be­ne­fí­ci­os.

“Is­to por si só de­mons­tra que com es­te tro­ço com­ple­ta­men­te re­pa­ra­do te­re­mos mai­or mo­vi­men­to mer­can­til e de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to só­ci­o­e­co­nó­mi­co da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go e do país em ge­ral, com ba­se nas po­lí­ti­cas do Exe­cu­ti­vo da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, in­cen­ti­van­do a pro­du­ção na­ci­o­nal.

Go­ver­no está op­ti­mis­ta

O vi­ce-go­ver­na­dor do Cu­an­do Cu­ban­go pa­ra os Ser­vi­çosTéc­ni­cos, Ga­bri­el Al­ber­to Gas­tão, dis­se es­tar ao cor­ren­te da si­tu­a­ção em que se en­con­tram os cer­ca de 218 qui­ló­me­tros de es­tra­da en­tre Caiundo e Catuitui, os 40 qui­ló­me­tros de Bon­do-Caí­la até à se­de mu­ni­ci­pal do Cu­an­gar, e os 50 qui­ló­me­tros en­tre o Cu­chi e a co­mu­na de Cu­ta­to, na fron­tei­ra com a pro­vín­cia da Huí­la.

A área téc­ni­ca do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cu­an­do Cu­ban­go, da qual é res­pon­sá­vel, tem vin­do a en­ce­tar con­tac­tos com as em­pre­sas vi­sa­das, al­gu­mas das quais já fo­ram pa­gas em mais de 90 por cen­to, co­mo é o ca­so tam­bém dos se­te qui­ló­me­tros por as­fal­tar até à vi­la do Cui­to Cu­a­na­va­le. Está a pre­va­le­cer o bom sen­so e acre­di­ta-se mes­mo que bre­ve­men­te os tra­ba­lhos po­de­rão ser re­to­ma­dos.

A re­de fun­da­men­tal de es­tra­das, que tem co­mo me­ta as­fal­tar qua­tro mil qui­ló­me­tros, a con­clu­são das obras da Uni­ver­si­da­de do Cui­to Cu­a­na­va­le, a ins­ta­la­ção de uma cen­tral tér­mi­ca de 20 me­gawatts no Sa­va­te, pa­ra ali­men­tar o Bon­do-Caí­la e Catuitui, to­dos es­tes pro­jec­tos já fo­ram con­ce­bi­dos e aguar­dam ape­nas pe­la dis­po­ni­bi­li­da­de de ver­bas pa­ra a sua im­ple­men­ta­ção.Nas mes­mas con­di­ções está tam­bém o pro­ces­so de re­qua­li­fi­ca­ção da ci­da­de de Me­non­gue que ao con­trá­rio das cen­tra­li­da­des cons­truí­das um pou­co por to­do o país, no Cu­an­do Cu­ban­go “acha­mos que a so­lu­ção é com a cons­tru­ção de edi­fí­ci­os de até qua­tro an­da­res e dar uma no­va ima­gem à an­ti­ga ci­da­de de Ser­pa Pin­to, por­que no tem­po da ou­tra se­nho­ra er­gue­ram-se pou­cas in­fra-es­tru­tu­ras nes­ta re­gião”.

Es­tra­das por aca­bar

Na opor­tu­ni­da­de, o vi­ce-go­ver­na­dor pa­ra os Ser­vi­ços Téc­ni­cos dis­se que ac­tu­al­men­te já está ga­ran­ti­do, a par­tir de uma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no, um mon­tan­te de 200 mi­lhões de eu­ros, que co­me­çam a ser apli­ca­dos já na cons­tru­ção e as­fal­ta­gem dos qua­tro mil qui­ló­me­tros de es­tra­da, a co­me­çar no pe­rí­me­tro en­tre a se­de do Cu­an­gar e Di­ri­co.

Além do fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no, o no­vo tra­ça­do ro­do­viá­rio que co­me­ça no Cui­to Cu­a­na­va­le, pas­san­do por Ma­vin­ga, Ri­vun­go, Di­ri­co, Ca­lai até ao Cu­an­gar, tam­bém está ins­cri­to no Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos (PIP) e lo­go que o país re­ad­qui­ra a saú­de fi­nan­cei­ra, a obra se­rá exe­cu­ta­da em to­da a sua ex­ten­são.

Em re­la­ção aos 50 qui­ló­me­tros de es­tra­da en­tre a se­de do Cu­chi e a co­mu­na de Cu­ta­to, o vi­ce-go­ver­na­dor, Ga­bri­el Al­ber­to Gas­tão, dis­se que o Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção está a ten­tar ne­go­ci­ar com o re­pre­sen­tan­te da ZAGOPE em An­go­la, no sen­ti­do de trans­fe­rir os di­rei­tos pa­ra ou­tro em­prei­tei­ro pa­ra a sua con­clu­são.A ZAGOPE ga­nhou tam­bém em 2008 o con­tra­to pa­ra as­fal­tar os 155 qui­ló­me­tros da es­tra­da en­tre Me­non­gue e Cu­ta­to, no li­mi­te com a Huí­la, re­ce­beu na to­ta­li­da­de os 155 mi­lhões de dó­la­res e as­fal­tou ape­nas 115 qui­ló­me­tros, ale­gan­do ter en­con­tra­do al­gu­mas la­cu­nas nos tra­ba­lhos ini­ci­ais que in­vi­a­bi­li­za­ram ter­mi­nar a obra.

O mes­mo se pas­sa com o tro­ço en­tre o Lon­ga e a se­de do Cui­to Cu­a­na­va­le, ad­ju­di­ca­do à em­prei­tei­ra ADMC que, ape­sar de ter si­do pa­go na to­ta­li­da­de, não con­cluiu os tra­ba­lhos, res­tan­do nes­te mo­men­to se­te qui­ló­me­tros por as­fal­tar.

JAIMAGENS

A es­tra­da apre­sen­ta mui­tos bu­ra­cos e ou­tros obs­tá­cu­los em qua­se to­da a sua di­men­são o que tor­na qua­se im­pos­sí­vel cir­cu­lar por ela sob pe­na de pro­vo­car pro­ble­mas me­câ­ni­cos na vi­a­tu­ra

JAIMAGENS

A em­pre­sa chi­ne­sa Teichmann-An­go­la está a re­a­li­zar ac­tu­al­men­te tra­ba­lhos de ter­ra­ple­na­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.