Pro­jec­to Bi­o­com dá car­tas na res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al

Bi­o­com im­ple­men­ta pro­jec­tos na área de edu­ca­ção e des­por­to

Jornal de Angola - - PARTADA - LUÍSA RO­GÉ­RIO |

Prá­ti­ca do des­por­to é ori­en­ta­da por pro­fis­si­o­nais con­tra­ta­dos no âm­bi­to da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al da Bi­o­com

A jor­na­da co­me­ça mui­to ce­do. Às seis da ma­nhã já se re­gis­ta in­ten­so mo­vi­men­to no re­fei­tó­rio do alo­ja­men­to cons­truí­do de raiz. Os car­ros sa­em an­tes das se­te, al­tu­ra em acon­te­ce, pon­tu­al­men­te, a mu­dan­ça de tur­nos den­tro da gi­gan­tes­ca fá­bri­ca­si­tu­a­da no tro­ço en­tre Ca­cu­so e Ca­pan­da. No pá­tio da Bi­o­com, mai­or pro­jec­to pri­va­do de An­go­la fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, tu­do fun­ci­o­na de mo­do sin­cro­ni­za­do com ba­se em re­gras de cum­pri­men­to ri­go­ro­so.Ao prin­cí­pio da tar­de ho­mens e mu­lhe­res, tra­ja­dos in­con­di­ci­o­nal­men­te com ca­mi­sas ver­des, usam o re­fei­tó­rio on­de é ser­vi­do a to­dos o mes­mo car­dá­pio. Im­pos­sí­vel dis­tin­guir ca­te­go­ri­as pro­fis­si­o­nais. Ao fim da jor­na­da la­bo­ral al­guns de­les ain­da acu­mu­lam ener­gi­as pa­ra, de mo­do vo­lun­tá­rio, aju­da­rem a ma­te­ri­a­li­zar os com­pro­mis­sos da em­pre­sa no âm­bi­to da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al.

Acom­pa­nhar os me­an­dros do pro­ces­so de pro­du­ção de açú­car des­de o plan­tio da ca­na à trans­for­ma­ção des­ta em pó gra­nu­la­do fi­ca pa­ra oca­sião pos­te­ri­or. A equi­pa de re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la re­gres­sa ao mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so, a 64 qui­ló­me­tros da se­de pro­vin­ci­al de Ma­lan­ge. Nu­ma na­ve mi­nús­cu­la, com­pa­ra­ti­va­men­te à me­ga es­tru­tu­ra da Bi­o­com, a em­pre­sa de­sen­vol­ve o pro­jec­to “Tu­a­le­to Ku­mo­xi”. Em quim­bun­do, “sem­pre jun­tos”. No es­pa­ço ar­ren­da­do pe­la com­pa­nhia fun­ci­o­na tam­bém a es­co­la Pa­lan­ca Ne­gra on­de de­cor­rem as au­las de al­fa­be­ti­za­ção que con­ta­bi­li­zam 240 alu­nos ma­tri­cu­la­dos no pre­sen­te ano lec­ti­vo. Con­gre­ga os es­pa­ços de ju­do e jiu-jit­su, com mais de 150 alu­nos. Na ca­po­ei­ra es­tão ins­cri­tos 80cri­an­ças e ado­les­cen­tes. Ca­be a três mes­tres, um dos quais de na­ci­o­na­li­da­de bra­si­lei­ra, ori­en­tar os po­ten­ci­ais des­por­tis­tas.

Per­to do fim do cor­re­dor, en­con­tra­mos a pe­que­na fá­bri­ca ar­te­sa­nal de sa­bão neu­tro, prin­ci­pal ga­nha­pão de20 mu­lhe­res. Re­be­ca An­dré, de 19 anos de ida­de, li­de­ra a equi­pa. Con­fir­ma se to­das têm as más­ca­ras e lu­vas bem co­lo­ca­das. A jo­vem mãe de um ra­paz de dois anos faz uma pau­sa na pro­du­ção pa­ra dar as ex­pli­ca­ções. De­pois ela e as co­le­gas jun­tam óleo de co­zi­nha usa­do, so­da e água mor­na nos res­pec­ti­vos­re­ci­pi­en­tes. Exa­lam um for­te odor. “Te­mos que usar sem­pre más­ca­ras”, jus­ti­fi­ca. Me­xem vi­go­ro­sa­men­te com um pau ma­ça­ri­co du­ran­te trin­ta mi­nu­tos. Por úl­ti­mo,des­pe­jam a mas­sa num ta­bu­lei­ro. Es­tá pron­to. Den­tro de quin­ze di­as sai­rão da­qui 48 bar­ras de sa­bão ven­di­das no mer­ca­do ao pre­ço de cem kwan­zas ca­da uma. No fim do mês, re­par­tem os lu­cros.

Na pri­mei­ra fa­se do em­pre­en­di­men­to, ini­ci­a­do em Ju­nho do ano pas­sa­do, a Bi­o­com as­sis­tia as be­ne­fi­ciá­ri­as. An­to­ni­ca Ko­que, uma fi­lha da ter­ra que vi­veu 17 dos seus 45 anos de ida­de em Portugal, ser­ve de ci­ce­ro­ne. A fun­ci­o­ná­ria da­fá­bri­ca acom­pa­nha re­gu­lar­men­te as tra­ba­lha­do­ras que já es­tão em con­di­ções de com­prar os pro­du­tos que ser­vem de ma­té­ria-pri­ma.

An­to­ni­ca ori­en­ta-as em re­la­ção à fei­tu­ra de cál­cu­los ge­rais, re­par­ti­ção de lu­cros e ou­tras ques­tões cor­ren­tes.

À noi­te, ela ain­da lá es­tá. Co­nhe­ce to­das as par­ti­ci­pan­tes no cur­so de al­fa­be­ti­za­ção. In­te­ra­ge com os miú­dos das es­co­las.Acom­pa­nha os mo­vi­men­tos gra­ci­o­sos das cri­an­ças en­vol­vi­das na ca­po­ei­ra. Têm um vi­gor in­sus­pei­to pa­ra os cor­pos fran­zi­nos. No sa­lão, Pau­la, de 14 anos, me­da­lha­da em vá­ri­os cam­pe­o­na­tos, fas­ci­na os pre­sen­tes. Com qua­tro mo­vi­men­tos le­va ao ta­pe­te o par­cei­ro de trei­no. A miú­da tem gar­ra, afir­maJoão Ber­nar­do dos San­tos. É as­sis­ten­te so­ci­al afec­to àá­rea de Pes­so­as e Or­ga­ni­za­ções da Bi­o­com. Psi­có­lo­go so­ci­al, pós-gra­du­a­do na es­pe­ci­a­li­da­de em Fran­ça, dis­cor­re so­bre “a em­pre­sa so­ci­al­men­te com­pro­me­ti­da”.

“Pro­jec­to For­mar”

Es­tar ma­tri­cu­la­do e ter bo­as no­tas é o pri­mei­ro re­qui­si­to pa­ra que uma cri­an­ça fre­quen­te qual­quer das es­co­las ci­ta­das. “Es­tou a de­sen­vol­ver uma ac­ti­vi­da­de que con­sis­te em vi­si­tar as cri­an­ças nas es­co­las. O acom­pa­nha­men­to vi­sa es­ti­mu­lar os miú­dos a es­tu­dar”, ex­pli­ca João dos San­tos. Têm aces­so às au­las fi­lhos de tra­ba­lha­do­res com ida­des en­tre os qua­troe os 16 anos e ou­tros das re­don­de­zas, des­de que se apli­quem nos es­tu­dos.

“Den­tro do seu pro­gra­ma em­pre­sa­ri­al,há um bra­ço so­ci­al que re­a­li­za vá­ri­as ac­ções den­tro da em­pre­sa e nas co­mu­ni­da­des da re­gião”. João re­al­ça o “Pro­jec­to For­mar” ini­ci­a­do há qua­tro anos. Anu­al­men­te, cer­ca de 150 pes­so­as ter­mi­nam com êxi­to a for­ma­ção. Vo­ca­ci­o­na­do pa­ra ae­du­ca­ção de adul­tos, sur­giu da ne­ces­si­da­de in­ter­na de re­cru­tar lo­cal­men­te pes­so­al pre­pa­ra­do.

“Es­ta­mos a fa­lar de uma fá­bri­ca mo­der­ni­za­da. Quem tra­ba­lha ne­la de­ve agre­gar cer­tas ca­pa­ci­da­des”, pre­ci­sa João dos San­tos. As­sim, es­ta­be­le­ce­ram uma­cor­do com a es­co­la Dom Bos­co, do Cu­an­za Nor­te, “on­de os nos­sos pro­fes­so­res fi­ze­ram for­ma­ção”. Adop­ta­ram, en­tão,o mé­to­do Dom Bos­co, me­di­an­te o qual é pos­sí­vel es­tu­dar du­as clas­ses no es­pa­ço de um ano.

A es­co­la abriu por­tas aos mem­bros das co­mu­ni­da­des.As au­las são mi­nis­tra­das por qua­tro pro­fes­so­res e um co­or­de­na­dor. Oa­per­fei­ço­a­men­to da ca­pa­ci­da­de de apren­di­za­gem atra­vés da lei­tu­ra e da es­cri­ta con­cor­re pa­ra ace­le­rar mu­dan­ças po­si­ti­vas. “São me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas. A mai­or par­te dos mo­ra­do­res da­qui con­se­guiu o pri­mei­ro em­pre­go na Bi­o­com. Fi­ze­mos cor­re­do­res jun­to da Ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal com vis­ta a re­gis­tar al­guns adul­tos e cri­an­ças que não ti­nham do­cu­men­tos”, sa­li­en­ta João Ber­nar­do. A al­fa-

be­ti­za­ção ace­le­rou tam­bém trans­for­ma­ções ao ní­vel do com­por­ta­men­to, pois, “além de au­las, te­mos re­a­li­za­do pa­les­tras edu­ca­ci­o­nais so­bre saú­de e am­bi­en­te que con­tri­bu­em pa­ra me­lho­rar a con­vi­vên­cia en­tre tra­ba­lha­do­res”.

O psi­có­lo­go re­al­ça a sin­gu­la­ri­da­de de a Bi­o­com em­pre­gar vá­ri­as pes­so­as da mes­ma fa­mí­lia. Por exem­plo, An­to­ni­ca Ko­que é co­le­ga de dois dos seus fi­lhos re­cru­ta­dos de­pois de­la. Ter tra­ba­lha­do­res de uma fa­mí­lia na em­pre­sa sig­ni­fi­ca igual­men­te o au­men­to do ren­di­men­to. Exis­te, por ou­tro la­do, “um cer­to com­pro­me­ti­men­to, di­ria até um es­pí­ri­to de per­ten­ça, em re­la­ção ao em­pre­ga­dor. As pes­so­as sen­tem-se mo­ti­va­das a em­pe­nhar-se no tra­ba­lho, por­que daí vêm os ren­di­men­tos”.

A Bi­o­com em­pre­ga ci­da­dãos de to­das as pro­vín­ci­as de An­go­la. Es­sa mo­bi­li­da­de, até cer­to pon­to, es­tá a con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to de Ca­cu­so, mu­ni­cí­pio re­la­ti­va­men­te pe­que­no. “Se a es­po­sa de um in­te­gran­te for ca­be­lei­ra, te­rá a ten­dên­cia de mon­tar um sa­lão aqui. Se a de ou­tro for pas­te­lei­ra, te­re­mos uma pas­te­la­ria. Ao tra­ze­rem os fi­lhos, as es­co­las ga­nham no­vos alu­nos”, acres­cen­ta João Ber­nar­do. O fac­to de jo­vens fi­na­lis­tas do Ensino Superior pro­ve­ni­en­tes de Lu­an­da te­rem en­con­tra­do o pri­mei­ro em­pre­go na fá­bri­ca “in­cen­ti­va a Ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pa­la cri­ar pro­jec­tos pa­ra ca­ti­var es­ses ci­da­dãos a se man­te­rem na lo­ca­li­da­de”. Em su­ma, en­cai­xa a re­a­li­da­de nai­deia de que “de­sen­vol­vi­men­to ge­ra de­sen­vol­vi­men­to”.

Pro­jec­tos en­tre­la­ça­dos

A Bi­o­com tem par­cei­ras com ins­ti­tui­ções co­mo a Sociedade de De­sen­vol­vi­men­to do Po­lo Agro-In­dus­tri­al de Ca­pan­da (SODEPAC) no âm­bi­to do pro­gra­ma de agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar “Ku­ku­la Ku­mo­xi”, for­ma­ção de par­tei­ras e dis­po­ni­bi­li­za­ção de mei­os de trans­por­te.A do­a­ção de bens ao or­fa­na­to do Lom­be, a ofer­ta de uma mo­a­gem à Mis­são Ca­tó­li­ca, com vis­ta a aju­dar as se­nho­ras a mo­er bom­bó e mi­lho,são exemplos de ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das. As do­a­ções abran­gem o mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la, que vai pa­ra além da zo­na de ac­ção da Bi­o­com, que co­me­çou a exe­cu­tar pro­jec­tos so­ci­ais na em­pre­sa em 2012. No ano se­guin­te alas­trou-os às co­mu­ni­da­des.

“O nos­so sec­tor de saú­de aju­da a fa­zer tes­tes de ma­lá­ria nas co­mu­ni­da­des. Re­ce­be­mos re­cen­te­men­te, de par­cei­ros no Bra­sil, con­ten­to­res de qua­ren­ta pés com pro­du­tos di­ver­sos, rou­pa usa­da, cal­ça­do, brin­que­dos e uten­sí­li­os do­més­ti­cos, que dis­tri­buí­mos à po­pu­la­ção”, pre­ci­sou João Ber­nar­do dos San­tos, in­di­can­do ain­da que a ac­ção so­ci­al da em­pre­sa se es­ten­deà re­a­li­za­ção de pa­les­tras­so­bre te­mas que vão da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca aos cui­da­dos a ob­ser­var com a água.

“Se o tra­ba­lha­dor con­su­mir água im­pró­pria,is­so te­rá im­pac­to ne­ga­ti­vo na pro­du­ção. Se per­der uma cri­an­ça, não vai tra­ba­lhar. Se a saú­de da sua ba­se fa­mi­li­ar es­ti­ver aba­la­da,ele ou ela­tam­bém es­ta­rão aba­la­dos” re­al­ça o psi­có­lo­go so­ci­al.

Há uma ver­da­dei­ra po­lí­ti­ca de for­ma­ção diá­ria le­va­da a ca­bo no con­sór­cio em to­dos sec­to­res e a di­fe­ren­tes ní­veis. Há tra­ba­lha­do­res que en­tra­ram pa­ra a Bi­o­com co­mo tra­ba­lha­do­res ru­rais. Ho­je es­tão in­te­gra­dos nou­tros de­par­ta­men­tos téc­ni­cos e ad­mi­nis­tra­ti­vos, após re­ce­be­rem for­ma­ção ao abri­go da par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (INEFOP) de Ma­lan­je. Es­te ór­gão do MAPETSS ho­mo­lo­ga cer­ti­fi­ca­dos. Os pro­gra­mas de in­te­gra­ção de por­ta­do­res de de­fi­ci­ên­ci­as acen­tu­a­das e mo­de­ra­das me­re­cem des­ta­que es­pe­ci­al.

“Te­mos co­le­gas sem uma per­na ou sem bra­ço”, diz João Ber­nar­do dos San­tos evo­can­do o ca­so pa­ra­dig­má­ti­co do tra­ba­lha­dor sur­do­mu­do co­lo­ca­do no sec­tor de bi­o­mas­sa, “que pro­duz ma­té­ria-pri­ma” pa­ra pro­du­ção de ener­gia. “O nos­so Có­di­go de Con­du­ta pro­mo­ve a in­clu­são de tra­ba­lha­do­res. As­sim se apren­de, igual­men­te,a ne­gar a dis­cri­mi­na­ção”, sus­ten­ta o ges­tor.

Bi­o­com por den­tro

Lo­ca­li­za­da no Po­lo Agro-in­dus­tri­al de Ca­pan­da (PAC), a Bi­o­com re­pre­sen­ta o mai­or in­ves­ti­men­to pri­va­do de An­go­la à mar­gem do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro. É con­si­de­ra­do um im­por­tan­te ac­ti­vo de de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, cu­jo pro­ces­so de pro­du­ção em­pre­ga tec­no­lo­gia de pon­ta al­ta­men­te mo­der­na.

A Bi­o­com ocu­pa uma área to­tal de 81.201 hec­ta­res. Des­tes, 70.106 são cul­ti­vá­veis e 11.095 des­ti­nam­se à pre­ser­va­ção per­ma­nen­te da fau­na e da flo­ra am­bi­en­tal. As ac­ti­vi­da­des da agri­cul­tu­ra e da indústria en­glo­bam as du­as gran­des áre­as de ac­tu­a­ção.

Da­dos ofi­ci­ais dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­la em­pre­sa in­di­cam que as ta­re­fas agrí­co­las fun­ci­o­nam du­ran­te to­do o ano. In­clu­em tra­ba­lhos de pre­pa­ra­ção do so­lo, plan­ta­ção e co­lhei­ta da ca­na-de-açú­car. No pre­sen­te ano,a co­lhei­ta da ca­na-de­a­çú­car de­cor­re en­tre os me­ses de Ju­nho e Ou­tu­bro. A pro­du­ção in­dus­tri­al fun­ci­o­na em tem­po in­te­gral du­ran­te to­do o pe­río­do de co­lhei­ta, re­sul­tan­do da mes­ma açú­car, eta­nol e ener­gia.

Na co­lhei­ta 2016-2017 a Bi­o­com vai pro­du­zir 47 mil to­ne­la­das de açú­car, 16 mil me­tros cú­bi­cos de eta­nol e 155 mil me­gawatts de ener­gia eléc­tri­ca. O açú­car vai ser en­ca­mi­nha­do pa­ra o mer­ca­do in­ter­no, ao pas­so que o eta­nol hi­dra­ta­do de­ve aten­der àpro­cu­ra da indústria na­ci­o­nal de pro­du­tos de lim­pe­za e de be­bi­das es­pi­ri­tu­o­sas. Qu­an­to a ener­gia eléc­tri­ca, ela­de­ve ser co­mer­ci­a­li­za­da jun­to da Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Ener­gia de An­go­la (ENDE).

Do to­tal de 2.125 tra­ba­lha­do­res do Bi­o­com, 195 são ex­pa­tri­a­dos, prin­ci­pal­men­te do Bra­sil.

A Bi­o­com dis­põe de pro­gra­mas es­tru­tu­ra­dos de qua­li­fi­ca­ção e aper­fei­ço­a­men­to dos tra­ba­lha­do­res. A va­lo­ri­za­ção do ta­len­to an­go­la­no, vi­san­do mai­or ca­pa­ci­ta­ção na bus­ca de mai­or pro­du­ti­vi­da­de pa­ra po­der com­pe­tir no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, me­re­ce gran­de des­ta­que. A em­pre­sa de­sen­vol­ve pro­gra­mas de des­por­to, edu­ca­ção, cul­tu­ra e la­zer no âm­bi­to da sua com­po­nen­te de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al.

PAU­LI­NO DA­MIÃO

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Bi­o­com de­sen­vol­ve com su­ces­so pro­jec­to so­ci­al na área do des­por­to

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Pro­jec­to Bi­o­com é uma das re­fe­rên­ci­as do Po­lo Agro-in­dus­tri­al de Ca­pan­da

PAU­LI­NO DA­MIÃO

Há qua­tro anos que são or­ga­ni­za­das tur­mas pa­ra adul­tos no âm­bi­to do “Pro­jec­to For­mar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.