Ape­lo ao diá­lo­go na RDC

Fa­mi­li­a­res de di­plo­ma­tas trans­fe­ri­dos pa­ra Braz­za­vil­le por pre­ven­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - JOSINA DE CAR­VA­LHO | No­va Ior­que

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res con­si­de­rou fal­sas as in­for­ma­ções so­bre ata­ques às ins­ta­la­ções da em­bai­xa­da de An­go­la em Kinsha­sa, por ma­ni­fes­tan­tes que exi­gem a saí­da do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la no fi­nal do man­da­to. Ge­or­ges Chikoti, que se en­con­tra em No­va Ior­que, on­de in­te­gra a de­le­ga­ção de An­go­la à 71ª As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das, en­ca­be­ça­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, re­a­fir­mou o em­pe­nho da di­plo­ma­cia an­go­la­na em apoi­ar os con­go­le­ses a re­sol­ve­rem os seus pro­ble­mas na ba­se do diá­lo­go po­lí­ti­co. Chikoti ne­gou de for­ma ca­te­gó­ri­ca que An­go­la te­nha qual­quer in­ter­fe­rên­cia nas ques­tões in­ter­nas da RDC, as­sim co­mo a exis­tên­cia de mi­li­ta­res an­go­la­nos no país vi­zi­nho. “An­go­la, tal co­mo mui­tos paí­ses, tem es­ta­do so­men­te a acom­pa­nhar aten­ta­men­te à evo­lu­ção do pro­ces­so de diá­lo­go na RDC”, de­cla­rou Ge­or­ges Chikoti, que man­te­ve en­con­tro, em No­va Ior­que, com o seu ho­mó­lo­go con­go­lês, Ray­mond Tshi­ban­da. O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res ga­ran­tiu que os fun­ci­o­ná­ri­os da em­bai­xa­da an­go­la­na per­ma­ne­cem em Kinsha­sa a tra­ba­lhar, e que, por pre­ven­ção, foi or­de­na­da a trans­fe­rên­cia dos seus fa­mi­li­a­res pa­ra Braz­za­vil­le, até que a si­tu­a­ção na RDC es­te­ja nor­ma­li­za­da.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chikoti, ga­ran­tiu sábado, em No­va Ior­que, se­rem fal­sas as in­for­ma­ções se­gun­do as quais ocor­re­ram ata­ques di­rec­tos às ins­ta­la­ções da Em­bai­xa­da de An­go­la em Kinsha­sa, na pas­sa­da segunda-feira, per­pe­tra­dos por ma­ni­fes­ta­das que exi­gem a saí­da do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la no fi­nal do man­da­to, em De­zem­bro.

Ge­or­ges Chikoti, que fa­la­va à im­pren­sa an­go­la­na no fi­nal de um en­con­tro com o seu ho­mó­lo­go con­go­lês Ray­mond Tshi­ban­da, afir­mou que An­go­la não es­tá im­pli­ca­da nas ma­ni­fes­ta­ções, que re­sul­ta­ram na mor­te de 50 pes­so­as, nem tem tro­pas na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, co­mo se pro­pa­la em al­guns cír­cu­los.

O che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na dis­se que An­go­la en­co­ra­ja o Go­ver­no con­go­lês a pros­se­guir com o diá­lo­go po­lí­ti­co na­ci­o­nal, ape­sar dos lí­de­res da opo­si­ção se re­cu­sa­rem a fa­zer par­te. Ge­or­ges Chikoti dis­se ter si­do in­for­ma­do de que o Go­ver­no con­go­lês vai man­ter o diá­lo­go aber­to aos lí­de­res da opo­si­ção pa­ra con­se­guir um acor­do e fa­zer tu­do pa­ra man­ter a sua au­to­ri­da­de e a or­dem no país.

“An­go­la, tal co­mo mui­tos paí­ses, tem es­ta­do so­men­te a acom­pa­nhar a evo­lu­ção do pro­ces­so de diá­lo­go na RDC”, es­cla­re­ceu, adi­an­tan­do que os fun­ci­o­ná­ri­os da Em­bai­xa­da con­ti­nu­am a tra­ba­lhar, em­bo­ra as su­as fa­mí­li­as te­nham si­do eva­cu­a­das pa­ra Braz­za­vil­le, por uma ques­tão de pre­ven­ção. Quan­do a si­tu­a­ção es­ti­ver com­ple­ta­men­te nor­ma­li­za­da re­gres­sam a Kinsha­sa.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da RDC in­for­mou so­bre as ac­ções pa­ra a ac­tu­a­li­za­ção do fi­chei­ro elei­to­ral e ou­tras de­cor­ren­tes do pró­prio pro­ces­so elei­to­ral. “Há um pro­gres­so im­por­tan­te des­te pro­ces­so que en­co­ra­ja­mos, por­que pen­sa­mos que o diá­lo­go é a úni­ca via”, dis­se o mi­nis­tro an­go­la­no.

Ape­lo à cal­ma

Na sua pri­mei­ra re­ac­ção ofi­ci­al à mais re­cen­te on­da de vi­o­lên­cia em Kinsha­sa, o Pre­si­den­te da RDC ape­lou à cal­ma e aler­tou pa­ra a im­por­tân­cia da es­ta­bi­li­da­de no país “pa­ra não ge­rar ins­ta­bi­li­da­de em to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no”.

Num co­mu­ni­ca­do ao país, di­vul­ga­do após a on­da de vi­o­lên­cia e o re­gres­so da cal­ma à ca­pi­tal con­go­le­sa, Jo­seph Ka­bi­la ad­ver­tiu pa­ra o im­pac­to de uma even­tu­al ins­ta­bi­li­da­de na re­gião dos Gran­des Lagos, com po­ten­ci­al alas­tra­men­to a to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no. O che­fe de Es­ta­do pe­diu aos con­go­le­ses que re­to­mem a sua vi­da nor­mal, por­que “a se­gu­ran­ça es­tá sal­va­guar­da­da”. Num dis­cur­so mais vol­ta­do pa­ra a opo­si­ção ra­di­cal, lem­brou que “o re­cur­so à in­sur­rei­ção e a ac­tos de in­to­le­rân­cia não po­dem ser vis­tos co­mo uma al­ter­na­ti­va ao diá­lo­go co­mo uma al­ter­na­ti­va ao diá­lo­go en­tre as for­ças po­lí­ti­cas da RDC”.

A pre­si­den­te da Co­mis­são da União Afri­ca­na, Nko­sa­za­na Dla­mi­ni Zu­ma, tam­bém con­de­nou o que cha­mou de “gra­ves abu­sos” re­gis­ta­dos du­ran­te ma­ni­fes­ta­ções or­ga­ni­za­das por al­guns mem­bros da opo­si­ção, em Kinsha­sa.

Num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do na se­ma­na pas­sa­da pe­la Di­vi­são Paz e Se­gu­ran­ça da Co­mis­são Afri­ca­na, Dla­mi­ni Zu­ma dis­se acom­pa­nhar “com pro­fun­da pre­o­cu­pa­ção” a si­tu­a­ção na RDC e ter no­ta­do que, ape­sar da au­to­ri­za­ção con­ce­di­da às ma­ni­fes­ta­ções pe­las au­to­ri­da­des, es­tas “sal­da­ram-se em per­das de­plo­rá­veis de vi­das hu­ma­nas e nu­me­ro­sos da­nos ma­te­ri­ais”.

Dla­mi­ni Zu­ma pe­diu à clas­se po­lí­ti­ca con­go­le­sa pa­ra dar “pro­va de mo­de­ra­ção e de sen­ti­do ele­va­do de res­pon­sa­bi­li­da­de” e dar “uma opor­tu­ni­da­de ao diá­lo­go po­lí­ti­co na­ci­o­nal in­clu­si­vo que es­tá na sua fa­se fi­nal”. A con­cer­ta­ção é a úni­ca via pa­ra um con­sen­so so­bre a or­ga­ni­za­ção de elei­ções trans­pa­ren­tes, li­vres e cre­dí­veis, su­bli­nhou Dla­mi­ni Zu­ma, ao mes­mo tem­po qu e rei­te­rou a de­ter­mi­na­ção da União Afri­ca­na não pou­par es­for­ços pa­ra re­for­çar o di­a­lo­go po­lí­ti­co na­que­le país.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Um ân­gu­lo da ci­da­de de Kinsha­sa on­de ocor­re­ram ma­ni­fes­ta­ções pa­ra exi­gir a saí­da do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la em De­zem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.