Chi­na apoia a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal

Cen­tro in­te­gra­do co­me­ça a ser cons­truí­do no pró­xi­mo ano na pro­vín­cia do Huambo

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRISTÓVAO |

A Chi­na es­tá dis­pos­ta a apoi­ar An­go­la na me­lho­ria da qua­li­fi­ca­ção téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal dos jo­vens an­go­la­nos e de­ve avan­çar já a par­tir do pró­xi­mo ano com a cons­tru­ção, em re­gi­me de par­ce­ria, de um Cen­tro In­te­gra­do de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal na pro­vín­cia do Huambo. Se­gun­do o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, An­tó­nio Pi­tra Ne­to, o pro­jec­to de cons­tru­ção do CINFOTEC do Huambo es­tá em fa­se mui­to avan­ça­da, ten­do si­do re­a­li­za­das al­gu­mas ac­ções pre­pa­ra­tó­ri­as por téc­ni­cos chi­ne­ses e an­go­la­nos. Du­ran­te a vi­si­ta re­cen­te do em­bai­xa­dor da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na ao CINFOTEC de Lu­an­da, no Ta­la­to­na, An­tó­nio Pi­tra Ne­to con­fir­mou ter ha­vi­do pe­lo me­nos du­as des­lo­ca­ções de téc­ni­cos ao Pla­nal­to Cen­tral.

O Go­ver­no da Chi­na pre­ten­de co­o­pe­rar com o Exe­cu­ti­vo na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, com a cons­tru­ção no pró­xi­mo ano, na pro­vín­cia do Huambo, de um Cen­tro In­te­gra­do de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (CINFOTEC), in­for­mou em Lu­an­da o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al.

Pi­tra Ne­to, que fa­la­va du­ran­te uma vi­si­ta que o em­bai­xa­dor da Chi­na efec­tu­ou ao CINFOTEC de Lu­an­da dis­se que as ac­ções pre­pa­ra­tó­ri­as já co­me­ça­ram e que téc­ni­cos an­go­la­nos e chi­ne­ses já es­ti­ve­ram du­as ve­zes no Huambo pa­ra ini­ci­ar o pro­ces­so.

O em­bai­xa­dor da Chi­na em An­go­la, Cui Ai­min, dis­se es­tar im­pres­si­o­na­do com o que viu e com a po­lí­ti­ca do pla­no de for­ma­ção de qua­dros. “O cen­tro es­tá bem or­ga­ni­za­do, is­so de­mons­tra a im­por­tân­cia que o Exe­cu­ti­vo dá à me­lho­ria dos qua­dros. Is­to faz-nos re­for­çar o com­pro­mi­os­so que te­mos com An­go­la de pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to nes­te sec­tor.”

Cui Ai­min re­fe­riu que o pro­ces­so de for­ma­ção de qua­dros aju­da o país a ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des fi­na­cei­ras que tem vi­vi­do nos úl­ti­mos tem­pos. O di­plo­ma­ta re­fe­riu que o va­lor do in­ves­ti­men­to es­tá ain­da em fa­se de es­tu­do, mas re­a­fir­mou o com­pro­mis­so de co­o­pe­rar com An­go­la em to­dos sec­to­res já iden­ti­fi­ca­dos. Re­ve­lou ain­da que, no pro­ces­so da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, a Chi­na tam­bém vai en­trar com os seus for­ma­do­res.

Evo­lu­ção do CINFOTEC

O di­rec­tor-ge­ral do CINFOTEC, Gil­ber­to Figueira, re­ve­lou que, des­de 2008, a ins­ti­tui­ção já lan­çou pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho 9.926 for­ma­dos, dos 12 mil ci­da­dãos ins­cri­tos. só nes­te ano, dis­se, o cen­tro já for­mou 1.824 alu­nos. A gre­lha for­ma­ti­va com­por­ta três ti­pos de cur­sos, os de cur­ta du­ra­ção (aper­fei­ço­a­men­to), mé­dia du­ra­ção

Em­bai­xa­dor da Chi­na em An­go­la (ao cen­tro) fi­cou im­pres­si­o­na­do com a or­ga­ni­za­ção e o ní­vel de for­ma­ção do Cinfotec de Lu­an­da

(qua­li­fi­ca­ção) e lon­ga du­ra­ção (téc­ni­cos). Den­tre es­tes mó­du­los, o cen­tro lec­ci­o­na mais de 80 cur­sos. A ade­são de can­di­da­tos aos cur­sos dis­po­ní­veis tem es­ta­do a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te. A pers­pec­ti­va até ao fi­nal des­te ano é for­mar 2.400 pes­so­as, um nú­me­ro que es­tá pró­xi­mo de ser al­can­ça­do.

O cen­tro al­ber­ga 34 for­ma­do­res in­ter­nos, to­dos de na­ci­o­na­li­da­de an­go­la­na e 60 ex­ter­nos, en­tre na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros. Além da com­po­nen­te for­ma­ti­va, o CINFOTEC pres­ta tam­bém ser­vi­ços na área de con­sul­to­ria téc­ni­ca so­li­ci­ta­dos por em­pre­sas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ras.

O CINFOTEC foi con­ce­bi­do em 2008 co­mo cen­tro de ex­ce­lên­cia no do­mí­nio das tec­no­lo­gi­as apli­ca­das, vo­ca­ci­o­na­da pa­ra a for­ma­ção e qua­li­fi­ca­ção téc­ni­ca de pro­fis­si­o­nais pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho. Es­ta ini­ci­a­ti­va de­mons­tra o ob­jec­ti­vo do Exe­cu­ti­vo em alar­gar e de­sen­vol­ver a sua li­nha de in­ter­ven­ção, au­men­tan­do a re­de de ofer­ta for­ma­ti­va no âm­bi­to na­ci­o­nal, den­to da es­tru­tu­ra de ope­ra­do­res do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (SNFP). É o úni­co cen­tro de ní­vel IV tu­te­la­do pe­lo MAPTSS que ofe­re­ce cur­sos de aper­fei­ço­a­men­to, qua­li­fi­ca­ção e téc­ni­cos, nas áre­as de me­tro­lo­gia, me­câ­ni­ca e pro­du­ção, elec­tri­ci­da­de e me­ca­tró­ni­ca, tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção, in­cluin­do cur­sos com cer­ti­fi­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal, a ní­vel das tec­no­lo­gi­as CISCO (Sis­te­ma de In­fra-es­tru­tu­ras de Re­des e So­lu­ções de In­ter­net) e Fu­ru­kawa (Ca­be­a­men­to e fi­bra óp­ti­ca).

O CINFOTEC es­tá aber­to pa­ra pes­so­as que te­nham co­mo ha­bi­li­ta­ções mí­ni­mas a 12.ª clas­se e pro­cu­ram for­ma­ção pro­fis­si­o­nal só­li­da pa­ra o pri­mei­ro em­pre­go. Em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras o cen­tro tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 901 for­man­dos, 16 sa­las de au­la com 50 lu­ga­res ca­da, du­as sa­las pa­ra ví­de­o­con­fe­rên­cia, um au­di­tó­rio com ca­pa­ci­da­de pa­ra 100 lu­ga­res, 22 la­bo­ra­tó­ri­os, sen­do 15 pa­ra o ensino teó­ri­co e se­te com fo­co em ser­vi­ços tec­no­ló­gi­cos. Dis­põe ain­da de um in­fo­cen­tro com 24 com­pu­ta­do­res com aces­so à In­ter­net, uma bi­bli­o­te­ca com 5.000 tí­tu­los.

A for­ma­ção pro­fis­si­o­nal é par­te do Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros (PNFQ), que tem co­mo me­ta pro­mo­ver e me­lho­rar o aces­so dos an­go­la­nos a um em­pre­go pro­du­ti­vo e qua­li­fi­ca­do e as­se­gu­rar a va­lo­ri­za­ção sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos hu­ma­nos.

O Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros cons­ti­tui um ins­tru­men­to de ges­tão dos re­cur­sos hu­ma­nos pa­ra a eco­no­mia e tem co­mo ob­jec­ti­vo a me­lho­ria das com­pe­tên­ci­as da po­pu­la­ção ac­ti­va de­sem­pre­ga­da, cen­tra­das em ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos da eco­no­mia, as­se­gu­ran­do o equi­lí­brio en­tre a pro­cu­ra e a ofer­ta de mão-de-obra qua­li­fi­ca­da e com­pe­ten­te pa­ra os de­sa­fi­os ac­tu­ais e fu­tu­ros.

A ní­vel do país es­tão im­plan­ta­dos 595 cen­tros de for­ma­ção em ins­ti­tui­ções pri­va­das e 35 nou­tros or­ga­nis­mos, es­tan­do a for­mar jo­vens sob ori­en­ta­ção do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS). De­pois de for­ma­dos, os no­vos pro­fis­si­o­nais con­tam com o apoio do Cen­tro Lo­cal de Em­pre­en­de­do­ris­mo e Ser­vi­ços de Em­pre­go (CLESE) em 56 cen­tros de em­pre­go.

Par­ce­ria

O Ban­co Sol tem si­do o par­cei­ro que fi­nan­cia o Mi­cro Cré­di­to Ami­go, que já be­ne­fi­ci­ou mais de 4.500 em­pre­en­de­do­res. Des­tes, 13 já es­tão a ge­rar ou­tros pos­tos de tra­ba­lho e ou­tros 1.338 in­ves­ti­do­res na ba­se da eco­no­mia for­mal. O MAPTSS cri­ou ou­tros pro­gra­mas que pro­mo­vem e fa­vo­re­cem o aces­so aos jo­vens que pres­tam ser­vi­ço nos mer­ca­dos e me­câ­ni­cos pa­ra ofi­ci­nas de ge­ra­do­res. O CLESE mi­nis­tra uma di­ver­si­da­de de cur­sos nas áre­as de con­ta­bi­li­da­de, in­for­má­ti­ca, elec­tri­ci­da­de, al­ve­na­ria, me­câ­ni­ca, cor­te e cos­tu­ra e ou­tros.

Os cen­tros mó­veis for­mam pes­so­as que vi­vem em zo­nas de di­fí­cil aces­so. Já che­gou até à co­mu­na de Ca­tui­tui, zo­na que faz fron­tei­ra com a Zâm­bia, pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, e ao Ca­zom­bo, no Mo­xi­co. Os cur­sos mais pro­cu­ra­dos a ní­vel dos cen­tros de for­ma­ção têm si­do o de in­for­má­ti­ca, elec­tri­ci­da­de, con­ta­bi­li­da­de, ges­tão de em­pre­sas e ban­cá­rio, es­pe­ci­a­li­da­des in­for­má­ti­cas e trans­ver­sal.

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Em­pre­go tem l.232 for­ma­do­res es­pe­ci­a­li­za­dos. Es­te ano foi im­ple­men­ta­do o cur­so da agri­cul­tu­ra. O CLESE es­tá em dez pro­vín­ci­as do país e tem a fi­na­li­da­de de mu­dar as co­mu­ni­da­des por via do em­pre­en­de­do­ris­mo. En­si­na os jo­vens a ter do­mí­nio bá­si­co na ges­tão da sua con­ta e na con­ta­bi­li­da­de bá­si­ca pa­ra ne­gó­ci­os e mar­ke­ting. Com o pro­gra­ma de for­ma­ção, mui­tos vêem as su­as vi­das mu­da­das e tor­nam-se mais úteis à sociedade.A for­ma­ção pro­fis­si­o­nal dos des­mo­bi­li­za­dos de gu­er­ra e de ou­tros gru­pos vul­ne­rá­veis, a re­a­bi­li­ta­ção pro­fis­si­o­nal dos mu­ti­la­dos de gu­er­ra e de ou­tras ví­ti­mas de gu­er­ra têm si­do im­ple­men­ta­dos. Os ob­jec­ti­vos do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal pas­sam pe­la for­ma­ção pro­fis­si­o­nal ini­ci­al de jo­vens e adul­tos se­mi-qua­li­fi­ca­dos ou não qua­li­fi­ca­dos.

FO­TO CEDIDA PE­LO CINFOTEC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.