Obra de en­ge­nha­ria faz ma­ra­vi­lhas no de­ser­to do Pe­ru

Jornal de Angola - - PARTADA - FER­NAN­DO GIMENO | EFE

A 2.000 me­tros abai­xo dos An­des, o aqueduto mais pro­fun­do das Amé­ri­cas le­va água pa­ra que mi­lha­res de hec­ta­res de fru­tas e hor­ta­li­ças cres­çam nu­ma das re­giões­mais de­sér­ti­cas e po­bres do Pe­ru, cu­jo de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co­dis­pa­ra­rá es­te ano, quan­do ex­por­tar as su­as pri­mei­ras co­lhei­tas pa­ra a Amé­ri­ca do Nor­te e Eu­ro­pa.

O aqueduto, uma das mai­o­re so­bras de en­ge­nha­ria re­a­li­za­das no Pe­ru, atra­ves­sa 20 qui­ló­me­tros de cor­di­lhei­ra pa­ra des­vi­ar as águas do ri­oHu­an­ca­bam­ba até à cos­ta do nor­te do Pe­ru, on­de são uti­li­za­das pa­ra re­gar 43.500 hec­ta­res de cul­ti­vos em ple­no de­ser­to, se­gun­do com­pro­vou a Agên­cia Efe nu­ma vi­si­ta ao lo­cal. As­sim fun­ci­o­na o pro­jec­to de trans­po­si­ção e ir­ri­ga­ção de Ol­mos, 900 qui­ló­me­tros ao nor­te de Li­ma e que en­vol­veu um in­ves­ti­men­to to­tal de 600 mi­lhões de dó­la­res.

O tú­nel, ide­a­li­za­do há cer­ca de 90 anos pe­lo en­ge­nhei­ro bri­tâ­ni­co Char­les Sut­ton e con­cluí­do em 2012, ali­vi­ou o dé­fi­cit hí­dri­co dos va­les se­cos de Ol­mos, na re­gião de Lam­baye­que, on­de cho­ve me­nos de 25 li­tros por me­tro qua­dra­do ao ano. A per­fu­ra­ção do tú­nel, de 4,8 me­tros de di­â­me­tro e com uma ca­pa­ci­da­de de 42 me­tros cú­bi­cos por se­gun­do, foi fei­ta com uma tu­ne­la­do­ra cri­a­da ex­pres­sa­men­te­pa­ra o pro­jec­to e cons­truí­da pe­ça por pe­ça den­tro do pró­prio ca­nal.

Du­ran­te a es­ca­va­ção - na qual não par­ti­ci­pa­ram mu­lhe­res pa­ra “res­pei­tar” uma an­ti­ga tra­di­ção mi­nei­ra dos An­des pa­ra­que a Pa­cha­ma­ma (Mãe Na­tu­re­za, em quí­chua) “não fi­que ciu­men­ta” - hou­ve ex­plo­sões ines­pe­ra­das de ro­chas, que atra­sa­ram os tra­ba­lhos e au­men­ta­ram as des­pe­sas.

Uma vez con­cluí­do, a água che­ga ao aqueduto des­de a re­pre­sa de Li­món, um mu­ro de 330 me­tros de com­pri­men­to e 43 de al­tu­ra­cons­truí­do no lei­to do Hu­an­ca­bam­ba pa­ra acu­mu­lar até 30 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de água, e pri­mei­ro pon­to de uma ro­ta de 65 qui­ló­me­tros até che­gar aos cul­ti­vos.

Após per­cor­rer os 20 qui­ló­me­tros de tú­nel, o cau­dal cai nu­ma ca­ta­ra­ta no ri­oLa­jes, que de­sem­bo­ca no rio Ol­mos, on­de 30 qui­ló­me­tros mais abai­xo é re­co­lhi­do por ca­nais que o trans­por­ta até um no­vo re­ser­va­tó­rio que o dis­tri­bui aos cam­pos.Nes­sas ter­ras an­tes se­cas já há cer­ca de 12 mil hec­ta­res em pro­du­ção, on­de cres­ce ca­na-de-açú­car, uvas, man­gas, as­par­gos e in­clu­si­ve fram­bo­e­sas, que ac­tu­al­men­te dão em­pre­go a 4.000 pes­so­as.

O exe­cu­ti­vo es­ti­mou que o pro­jec­to ge­ra­rá 30 mil pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos e 100 mil in­di­rec­tos quan­do seus 43.500 hec­ta­res es­ti­ve­re­ma pro­du­zir, o que mo­ti­va­rá a cons­tru­ção no lo­cal de uma no­va ci­da­de­pa­ra 70 mil ha­bi­tan­tes.

En­tre as ter­ras de cul­ti­vo há 5.500 hec­ta­res de cam­po­ne­ses do Val­le Vi­e­jo de Ol­mos e 38 mil hec­ta­res ad­qui­ri­dos por em­pre­sas pe­ru­a­nas, chi­le­nas, ame­ri­ca­nas e eu­ro­pei­as, cu­jo va­lor de pro­du­ção se­rá de cer­ca dos 650 mi­lhões de dó­la­res. No pri­mei­ro gru­po es­tá a As­so­ci­a­çãoA­gro­pe­cuá­ria La Ju­li­a­na, uma co­o­pe­ra­ti­va de 17 só­ci­os que co­me­çou a cul­ti­var 29 hec­ta­res de ba­na­na. Apre­si­den­te, Ma­ría del Ro­sa­rio Car­va­jal, con­tou à Efe que com a sua pri­mei­ra co­lhei­ta en­vi­a­rão 32.400 qui­los da fru­ta pa­ra a Ho­lan­da, pe­lo que re­ce­be­rão 9 mil­dó­la­res. “An­tes só se­meá­va­mos mi­lho ou feijão na tem­po­ra­da de chu­vas, mas com a trans­po­si­ção te­mos água per­ma­nen­te e po­de­mos cul­ti­var ba­na­na, que é um pro­du­to mui­to ren­tá­vel. Is­so fez com que me­lho­rás­se­mos a nos­sa qua­li­da­de de vi­da”, acres­cen­tou Car­va­jal.

No la­do das em­pre­sas, o gru­po pe­ru­a­no Glo­ria cons­truiu uma fá­bri­ca de 300 mi­lhões­de dó­la­res pa­ra re­fi­nar açú­car a par­tir do que cul­ti­va a Agro-Fru­san, de ca­pi­tal chi­le­no e ame­ri­ca­no, pro­du­to a ser en­vi­a­do pa­ra EUA e Ca­na­dá. Es­ta trans­for­ma­ção eco­nó­mi­ca no nor­te do Pe­ru se­rá ace­le­ra­da quan­do se con­cluir a segunda eta­pa do pro­jec­to, que im­pli­ca qua­dru­pli­car a ca­pa­ci­da­de da bar­ra­gem Li­món e do­brar a su­per­fí­cie agrá­ria até che­gar a 100 mil hec­ta­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.