PAICV aler­ta pa­ra fa­lhas nas po­lí­ti­cas do Go­ver­no

Opo­si­ção ques­ti­o­na op­ção por pro­gra­mas que agra­vam o qua­dro ge­ral do país

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Par­ti­do Afri­ca­no da In­de­pen­dên­cia de Ca­bo Ver­de (PAICV), prin­ci­pal par­ti­do na opo­si­ção, acu­sou, on­tem, na ci­da­de da Praia, o Go­ver­no de ter au­men­ta­do a dí­vi­da pú­bli­ca des­de que che­gou ao po­der, e com is­so agra­vou o qua­dro ge­ral do país.

Pa­ra o PAICV, que es­te­ve no po­der du­ran­te 15 anos, o go­ver­no es­tá a ten­tar mos­trar tra­ba­lho ali on­de de­via ape­nas se­guir o ca­mi­nho pa­ra dar mai­or sus­ten­ta­bi­li­da­de a po­lí­ti­cas bem de­li­ne­a­das e pro­gra­mas se­gu­ros, mas não es­tá a pre­fe­rir po­lí­ti­cas que au­men­tam de­sem­pre­go e o cus­to de vi­da. A dí­vi­da pú­bli­ca, se­gun­do PAICV, pas­sou dos 121 por cen­to pa­ra 126 do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), uma si­tu­a­ção que es­te­ve sob con­tro­lo nos úl­ti­mos anos, quan­do foi go­ver­no.

Ao re­a­gir, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, aos re­sul­ta­dos da mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) a Ca­bo Ver­de, con­cluí­da úl­ti­ma se­ma­na, o vi­ce-pre­si­den­te do PAICV, Jo­sé Vei­ga, dis­se que, por al­tu­ra da dis­cus­são do Or­ça­men­to de Es­ta­do no Par­la­men­to, em Ju­nho, o Go­ver­no apon­ta­va pa­ra um en­di­vi­da­men­to do país na or­dem dos 124 por cen­to, ten­do su­bli­nha­do que o com­pro­mis­so era bai­xar a dí­vi­da e não a au­men­tar.

“O com­pro­mis­so as­su­mi­do com os ca­bo-ver­di­a­nos foi de pro­mo­ver a re­du­ção da dí­vi­da pú­bli­ca (e não pro­mo­ver o seu au­men­to), com o ar­gu­men­to de que o país es­ta­va ex­ces­si­va­men­te en­di­vi­da­do, que a dí­vi­da não era sus­ten­tá­vel e que is­so afec­ta­va ne­ga­ti­va­men­te a di­nâ­mi­ca eco­nó­mi­ca”, dis­se Jo­sé Vei­ga, que con­si­de­rou que as con­clu­sões do FMI vi­e­ram com­pro­var a te­se, sem­pre sus­ten­ta­da pe­los Go­ver­no do PAICV, de que “o en­di­vi­da­men­to de Ca­bo Ver­de foi ana­li­sa­do, pla­ni­fi­ca­do e ava­li­za­do pe­los prin­ci­pais par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais”.

“E sen­do con­cep­ci­o­nal, com pra­zos di­la­ta­dos de pa­ga­men­to e bai­xas ta­xas de ju­ro, se re­ve­lou uma gran­de ja­ne­la de opor­tu­ni­da­des pa­ra ga­ran­tir a in­fra-es­tru­tu­ra­ção do país”, acres­cen­tou Jo­sé Vei­ga.

O vi­ce-pre­si­den­te do PAICV, Jo­sé Vei­ga, con­si­de­ra que as con­clu­sões da mis­são do FMI dei­xa­ram ain­da cla­ro que as es­ti­ma­ti­vas da mai­o­ria de cres­ci­men­to da eco­no­mia a 7 por cen­to por ano fo­ram um ex­pe­di­en­te elei­to­ral.

“De­pois de ter adop­ta­do co­mo uma das su­as ban­dei­ras de cam­pa­nha, o cres­ci­men­to de 7 por cen­to do PIB pa­ra o ano, de mo­do a ge­rar cer­ca de no­ve mil em­pre­gos, mos­tram que o Go­ver­no as­su­miu que en­ga­nou os ca­bo-ver­di­a­nos”, acu­sou Jo­sé Vei­ga. O PAICV ata­cou, tam­bém, de­cla­ra­ções do mi­nis­tro das Fi­nan­ças de Ca­bo Ver­de, Ola­vo Cor­reia, que ad­mi­tiu di­fi­cul­da­des em fa­zer cres­cer a eco­no­mia a es­ses ní­veis.

Ao co­men­tar os re­sul­ta­dos da mis­são do FMI, Ola­vo Cor­reia ad­mi­tiu di­fi­cul­da­des em pôr a eco­no­mia ca­bo-ver­di­a­na a cres­cer em mé­dia se­te por cen­to por ano, mas as­se­gu­rou que o Go­ver­no es­tá a tra­ba­lhar pa­ra al­can­çar es­sa me­ta.

O mai­or par­ti­do na opo­si­ção as­si­na­la que é o pró­prio FMI que vem aler­tar os ca­bo-ver­di­a­nos que as pro­jec­ções de cres­ci­men­to do país vão se si­tu­ar en­tre os 3 por cen­to e os 4 por cen­to de­mons­tran­do que as con­tas do MpD, par­ti­do no po­der, es­ta­vam e es­tão er­ra­das.

Ao fa­zer o ba­lan­ço no fi­nal de du­as se­ma­nas em Ca­bo Ver­de, o che­fe da mis­são do FMI, Ul­ri­ch Ja­coby, re­co­nhe­ceu que a eco­no­mia ca­bo-ver­di­a­na co­me­ça a dar si­nais de re­cu­pe­ra­ção, mas mos­trou-se pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra das em­pre­sas pú­bli­cas, pe­lo que re­co­men­dou ur­gên­cia nu­ma so­lu­ção que pa­re “a dre­na­gem de re­cur­sos do or­ça­men­to de Es­ta­do”.

O Go­ver­no ca­bo-ver­di­a­no é apoi­a­do pe­lo Mo­vi­men­to pa­ra a De­mo­cra­cia (MpD), par­ti­do ven­ce­dor das elei­ções le­gis­la­ti­vas de 20 de Mar­ço, e o pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ulis­ses Cor­reia, ga­ran­tiu que es­tá a fa­zer de tu­do pa­ra evi­tar uma cri­se eco­nó­mi­ca ger­ra pe­lo PAICV.

AFP

Pri­mei­ro-mi­nis­tro ca­bo-ver­di­a­no Ulis­ses Cor­reia es­tá sob for­tes crí­ti­cas da opo­si­ção de­vi­do às po­lí­ti­cas na área eco­nó­mi­ca e so­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.