A era do co­nhe­ci­men­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O Es­ta­do an­go­la­no tem apos­ta­do mui­to na edu­ca­ção, e cons­ti­tui exem­plo dis­so o fac­to de, após o fim da gu­er­ra no país, em 2002, ter au­men­ta­do con­si­de­ra­vel­men­te as in­fra-es­tru­tu­ras es­co­la­res. O Es­ta­do re­a­li­zou avul­ta­dos in­ves­ti­men­tos na cons­tru­ção e re­a­bi­li­ta­ção de es­co­las do ensino bá­si­co, mé­dio e superior, o que per­mi­tiu au­men­tar a po­pu­la­ção es­tu­dan­til em to­dos os ní­veis de ensino.

De­pois que ter­mi­nou a gu­er­ra, o Es­ta­do en­ten­deu que era che­ga­da a ho­ra de se apos­tar no co­nhe­ci­men­to, pa­ra se fa­zer a re­cons­tru­ção do país e pa­ra as­se­gu­rar um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co que nos con­du­zis­se ao de­sen­vol­vi­men­to. De um pon­to de vis­ta quan­ti­ta­ti­vo, o país cres­ceu imen­so, com a cri­a­ção, por exem­plo, de vá­ri­as ins­ti­tui­ções de ensino mé­dio e superior em vá­ri­as re­giões do país . Ho­je mui­tos an­go­la­nos não pre­ci­sam de vir a Lu­an­da pa­ra ter­mi­nar os seus cur­sos su­pe­ri­o­res ou mé­di­os, co­mo acon­te­cia há al­guns anos.

Na era do co­nhe­ci­men­to im­pu­nha-se na ver­da­de uma po­lí­ti­ca edu­ca­ci­o­nal vol­ta­da pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções que per­mi­tis­sem que mi­lha­res de an­go­la­nos ti­ves­sem aces­so ao ensino . An­go­la tem co­mo um os seus prin­ci­pais ob­jec­ti­vos o bem - es­tar dos ci­da­dãos. E es­te bem-es­tar con­se­gue-se por via de bo­as po­lí­ti­cas que per­mi­tem que ha­ja qua­dros no país al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos e ca­pa­zes de re­sol­ver os nos­sos gran­de s pro­ble­mas.

O bem - es­tar dos ci­da­dãos e o pro­gres­so do país de­cor­rem de bo­as po­li­ti­cas de edu­ca­ção que es­te­jam vi­ra­das pa­ra a trans­mis­são de ele­va­das com­pe­tên­ci­as aos qua­dros que se for­mam. A edu­ca­ção as­su­me um pa­pel cen­tral no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to do país .

É por is­so que não se de­ve ig­no­rar a ques­tão da qua­li­da­de do nos­so ensino , que de­ve es­tar cons­tan­te­men­te no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções das en­ti­da­des pú­bli­cas li­ga­das à edu­ca­ção Não se de­ve adi­ar mais a apli­ca­ção de me­di­das des­ti­na­das a as­se­gu­rar uma boa qua­li­da­de no nos­so ensino , do pri­má­rio ao superior. É ho­ra de ac­ção ime­di­a­ta ao ní­vel da edu­ca­ção. O país tem de avan­çar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, e pa­ra tal tem de con­tar com um sis­te­ma de ensino com ele­va­da qua­li­da­de.

Tem ha­vi­do já ini­ci­a­ti­vas que cons­ti­tu­em bons si­nais de que se pre­ten­de de fac­to cor­ri­gir mui­ta coi­sa que vai mal no ensino. É im­por­tan­te sai­ba­mos as­su­mir com co­ra­gem os er­ros e se­guir em fren­te com hu­mil­da­de. Os ma­les do nos­so ensino es­tão iden­ti­fi­ca­dos. O in­te­res­se pú­bli­co tem que es­tar aci­ma de qual­quer ou­tro in­te­res­se, por­que o que es­tá em cau­sa é o fu­tu­ro de to­dos nós. Te­mos no país qua­dros com­pe­ten­tes que po­dem aju­dar a ul­tra­pas­sar mui­tos dos pro­ble­mas de que en­fer­ma o nos­so ensino. É pre­ci­so dei­xar que es­tes qua­dros tra­ba­lhem e en­con­trem as so­lu­ções pa­ra es­ses pro­ble­mas. De na­da nos va­le­fi­car ape­nas pe­las cons­ta­ta­ções dos pro­ble­mas e na­da fa­zer­mos pa­ra que se­jam re­sol­vi­dos.

O ensino é e tem que con­ti­nu­ar a ser uma pri­o­ri­da­de, se qui­ser­mos avan­çar pa­ra a qua­li­da­de de vi­da que to­dos nós de­se­ja­mos. Te­mos o há­bi­to de fa­zer bons pla­nos pa­ra is­to e aqui­lo, mas a ex­pe­ri­ên­cia tem mos­tra­do que te­mos de­fi­ci­ên­ci­as na sua exe­cu­ção. É bom sa­ber das ra­zões por que fa­lha­mos na exe­cu­ção dos pla­nos que nor­mal­men­te são bem con­ce­bi­dos. Não de­ve­mos pas­sar a vi­da a fa­lhar na exe­cu­ção dos pla­nos que gi­za­mos, sob pe­na de adi­ar­mos sem­pre a con­cre­ti­za­ção de pro­jec­tos que de­vem re­sul­tar em be­ne­fí­ci­os dos ci­da­dãos.

A edu­ca­ção, sen­do um sec­tor de­ci­si­vo pa­ra o nos­so de­sen­vol­vi­men­to, tem de con­ti­nu­ar a me­re­cer uma aten­ção es­pe­ci­al, de­ven­do-se fa­zer tu­do no sen­ti­do do que se de­ci­de su­pe­ri­or­men­te no que con­cer­ne aos ca­mi­nhos a se­guir pa­ra se atin­gir a qua­li­da­de do nos­so ensino .Tem de ha­ver qua­dros que pos­sam le­var a ca­bo com ele­va­do sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de e per­sis­tên­cia a ta­re­fa de ma­te­ri­a­li­zar os pro­gra­mas que se des­ti­nam a aca­bar com os gran­des pro­ble­mas do nos­so ensino , de for­ma trans­ver­sal, ou se­ja, abar­can­do tu­do o que es­te­ja a pre­ju­di­car a sua qua­li­da­de.

Re­co­men­da-se o prag­ma­tis­mo e o ri­gor de aná­li­se, quan­do o as­sun­to é pro­mo­ver um ensino de qua­li­da­de em to­do o país. As exi­gên­ci­as do pro­ces­so de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to do país são in­com­pa­tí­veis com um sis­te­ma de ensino dé­bil. O ensino tem que es­tar ali­nha­do com os gran­des ob­jec­ti­vos do país em ter­mos de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de de­sen­vol­vi­men­to. As ins­ti­tui­ções de ensino superior têm par­ti­cu­lar­men­te a gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de de for­mar qua­dros que pos­sam con­tri­buir pa­ra que o país atin­ja o pro­gres­so, pe­lo que elas se de­vem pre­o­cu­par com a qua­li­da­de dos téc­ni­cos que de­las sa­em no fi­nal dos cur­sos. Mas bas­ta ter­mos nas nos­sas uni­ver­si­da­des e es­co­las su­pe­ri­o­res mui­tos cur­sos .

É pre­ci­so as­se­gu­rar que os nos­sos qua­dros sai­am das uni­ver­si­da­des ou es­co­las su­pe­ri­o­res ca­pa­zes de re­sol­ver com com­pe­tên­cia os pro­ble­mas das co­mu­ni­da­des. As uni­ver­si­da­des e es­co­las su­pe­ri­o­res exis­tem pa­ra aju­dar o país a atin­gir a pros­pe­ri­da­de. As uni­ver­si­da­des e es­co­las su­pe­ri­o­res não de­vem ser ape­nas me­ros dis­tri­bui­do­res de di­plo­mas. Têm de se pre­o­cu­par com a qua­li­da­de dos qua­dros que for­mam, pa­ra bem do país. Afi­nal es­ta­mos na era do co­nhe­ci­men­to. E o país só vai pro­gre­dir com o co­nhe­ci­men­to.

Ser­vi­ços hos­pi­ta­la­res

O Es­ta­do fez nos úl­ti­mos anos gran­des in­ves­ti­men­tos a ní­vel das in­fra-es­tru­tu­ras hos­pi­ta­la­res em to­do o país. Te­mos ho­je hos­pi­tais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.