CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALI­CE DA CON­CEI­ÇÃO PEDRO CAM­POS HILÁRIO GO­MES AMÉLIA GAR­CIA

So­li­da­ri­e­da­de das em­pre­sas

Há em­pre­sas no país que pres­tam a sua so­li­da­ri­e­da­de com as co­mu­ni­da­des. Elas re­sol­vem pro­ble­mas de mi­lha­res de pes­so­as. Sou­be que uma em­pre­sa que fun­ci­o­na em An­go­la aju­dou a cons­truir um a es­co­la pri­má­ria, no âm­bi­to da sua res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al. É im­por­tan­te que mais em­pre­sas no país pra­ti­quem a so­li­da­ri­e­da­de jun­to das co­mu­ni­da­des em que es­tão in­se­ri­das e que pre­ci­sam de uma sé­rie de ser­vi­ços. Te­nho co­nhe­ci­men­to de que há em­pre­sas que se pre­o­cu­pam em de­sen­vol­ver pro­jec­tos de di­ver­sa na­tu­re­za des­ti­na­dos a au­men­tar a qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções dos lo­cais em que es­tão ins­ta­la­das.

Pen­so que de­ve ha­ver tam­bém no país so­li­da­ri­e­da­de das pes­so­as sin­gu­la­res em re­la­ção os seus com­pa­tri­o­tas. Aque­les que têm mui­to de­vem dar um pou­co do que pos­su­em àque­les que têm pou­co ou qua­se na­da, sob di­ver­sas for­mas. Os an­go­la­nos que têm mui­to de­vem do­ar al­gu­ma coi­sa aos seus com­pa­tri­o­tas ca­ren­tes. De­ve ha­ver sen­si­bi­li­da­de em re­la­ção aos an­go­la­nos que pas­sam por mui­tas di­fi­cul­da­des e que têm ren­di­men­tos que não lhes per­mi­tem ter uma vi­da dig­na. com equi­pa­men­tos mo­der­nos, mas im­por­ta que se in­vis­ta mais na for­ma­ção dos qua­dros da saú­de , pa­ra ter­mos ex­ce­len­tes mé­di­cos e en­fer­mei­ros. É ain­da enor­me o nú­me­ro de an­go­la­nos que vão pa­ra o ex­te­ri­or, por­que não con­fi­am no nos­so sis­te­ma de saú­de. É pre­ci­so que as au­to­ri­da­des fa­çam um es­tu­do pa­ra se sa­ber por que ra­zão mui­tos an­go­la­nos pre­fe­rem ir tra­tar-se no ex­te­ri­or do país. Se­rá que os do­en­tes an­go­la­nos vão ao ex­te­ri­or do país de­vi­do aos al­tos cus­tos da as­sis­tên­cia in­ter­na­men­te, pa­ra cer­to ti­po de do­en­ças, ou por­que acham que o nos­so sis­te­ma de saú­de não é mui­to efi­ci­en­te?

Era im­por­tan­te sa­ber , em mi­nha opi­nião, por que ra­zão mui­tos an­go­la­nos op­tam por hos­pi­tais es­tran­gei­ros - no­me­a­da­men­te na­mi­bi­a­nos, sul-afri­ca­nos, bra­si­lei­ros e por­tu­gue­ses. A per­gun­ta que im­por­ta fa­zer é: O que é que le­va mui­tos an­go­la­nos a fu­gi­rem dos nos­sos hos­pi­tais? Do que é que mui­to dos nos­sos do­en­tes têm me­do, ao não se sub­me­te­rem a con­sul­tas dos nos­sos mé­di­cos, op­tan­do por ir a hos­pi­tais de ou­tros paí­ses?

Cam­pe­o­na­to de fu­te­bol

Sou um aman­te do fu­te­bol e es­tou a gos­tar mui­to da pon­ta fi­nal do nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol da pri­mei­ra di­vi­são, tam­bém co­nhe­ci­do por Gi­ra­bo­la. Há nes­te mo­men­to três equi­pas que ain­da po­dem ser cam­peãs - o 1º de Agos­to, o Pe­tro e o Li­bo­lo. Cos­tu­ma-se di­zer que o fu­te­bol é uma fes­ta, e es­tas três equi­pas, pe­la sua po­si­ção na ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va, es­tão a fa­zer com que ha­ja um gran­de in­te­res­se por par­te dos aman­tes do fu­te­bol pe­la mai­or com­pe­ti­ção fu­te­bo­lís­ti­ca no país.

O nos­so cam­pe­o­na­to de fu­te­bol é mui­to com­pe­ti­ti­vo. E is­to é bom, até pa­ra que os jo­ga­do­res te­nham um mai­or de­sem­pe­nho. Se já ti­vés­se­mos um cam­peão an­te­ci­pa­do nes­ta al­tu­ra, o Gi­ra­bo­la não te­ria tan­to in­te­res­se co­mo tem ago­ra. De­se­jo que no fi­nal des­te cam­pe­o­na­to ven­ça o me­lhor.

Des­ci­da de pre­ços

Os pre­ços de al­guns pro­du­tos ali­men­ta­res já es­tão a bai­xar no mer­ca­do for­mal. Oxa­lá que os pre­ços das mer­ca­do­ri­as bá­si­cas con­ti­nu­em a bai­xar, pa­ra que as pes­so­as com bai­xos ren­di­men­tos pos­sam ad­qui­ri-las. Os con­su­mi­do­res com bai­xos ren­di­men­tos de­vem po­der com­prar pro­du­tos ali­men­ta­res bá­si­cos a pre­ços su­por­tá­veis.

Não se de­ve per­mi­tir que co­mer­ci­an­tes con­ti­nu­em a es­pe­cu­lar, pe­na­li­zan­do aque­las pes­so­as que já têm pou­co di­nhei­ro pa­ra vi­ver. Pa­ra os con­su­mi­do­res é re­le­van­te a des­ci­da que es­tá a ha­ver no pre­ço do pão e de ou­tros pro­du­tos bá­si­cos, co­mo o ar­roz, as mas­sas, o óleo ali­men­tar, o açú­car. Mas é pre­ci­so que se­ja to­ma­das me­di­das que pre­vi­nam no­vos apro­vei­ta­men­tos por par­te dos co­mer­ci­an­tes sem­pre ávi­dos de mai­o­res lu­cros.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.