Es­pe­ci­a­lis­tas do mundo in­tei­ro ten­tam sal­var es­pé­ci­es em pe­ri­go

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BÉATRICE DEBUT SUSAN NJANJI | AFP

e

A lu­ta con­tra o trá­fi­co de ele­fan­tes e ri­no­ce­ron­tes, ame­a­ça­dos por uma ca­ça clan­des­ti­na ali­men­ta­da em gran­de me­di­da pe­la de­man­da da Ásia, do­mi­na­rá a con­fe­rên­cia mun­di­al so­bre a fau­na e a flo­ra inau­gu­ra­da es­te fim de se­ma­na em Johan­nes­bur­go.

Se­gun­do as ONGs, es­ta no­va reu­nião da Con­ven­ção so­bre o Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal de Es­pé­ci­es da Flo­ra e Fau­na Sel­va­gens em Pe­ri­go de Ex­tin­ção (Cites), que se reú­ne a ca­da três anos pa­ra re­gu­lar o co­mér­cio de ani­mais e plan­tas, é fun­da­men­tal.

“Nu­ma al­tu­ra em que tan­tas es­pé­ci­es es­tão gra­ve­men­te ame­a­ça­das por uma ca­ça clan­des­ti­na in­sa­ciá­vel e pe­lo co­mér­cio, a reu­nião te­rá um po­der de vi­da ou de mor­te so­bre ani­mais em­ble­má­ti­cos co­mo os ele­fan­tes,os ri­no­ce­ron­tes e os leões”, ad­ver­te Te­re­sa Te­lecky, da Hu­ma­ne So­ci­ety In­ter­na­ti­o­nal.

Ou os 182 paí­ses mem­bros da Cites “se põem de acor­do pa­ra pro­te­gê- los ao má­xi­mo”, ou eles “po­dem de­sa­pa­re­cer”, ad­ver­tiu, em re­fe­rên­cia aos 3.500 de­le­ga­dos que par­ti­ci­pa­rão do en­con­tro que de­cor­re até 5 de Ou­tu­bro.

A ca­ça ile­gal ali­men­ta um trá­fi­co ex­tre­ma­men­te lu­cra­ti­vo ava­li­a­do em 20 bi­lhões de dó­la­res por ano, se­gun­do a Cites, fa­zen­do de­le o quar­to co­mér­cio ile­gal do mundo de­pois do de ar­mas, de fal­si­fi­ca­ções e de se­res hu­ma­nos.

Os ri­no­ce­ron­tes e os ele­fan­tes, co­bi­ça­dos pe­los seus chi­fres e mar­fim, res­pec­ti­va­men­te, pa­gam o pre­ço mais al­to.Três ri­no­ce­ron­tes mor­rem a ca­da dia pe­los seus chi­fres, se­gun­do a or­ga­ni­za­ção mun­di­al de pro­te­ção da na­tu­re­za WWF. Nos úl­ti­mos oi­to anos, mais de 5.000 - ou se­ja, um quar­to da po­pu­la­ção mun­di­al -, mor­re­ram na Áfri­ca do Sul, on­de vi­vem 80% des­ses ma­mí­fe­ros.

Seus chi­fres, com­pos­tos de que­ra­ti­na co­mo as unhas hu­ma­nas, são mui­to pro­cu­ra­dos na Ásia, on­de a me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal atri­bui a eles pro­pri­e­da­des te­ra­pêu­ti­cas e afro­di­sía­cas. No mer­ca­do ne­gro, o qui­lo cus­ta até 60.000 dó­la­res, sen­do mais ca­ro que o do ou­ro.

A po­pu­la­ção de ele­fan­tes que vi­ve nas sa­va­nas da Áfri­ca caiu 30% en­tre 2007 e 2014, ví­ti­ma es­sen­ci­al­men­te da ca­ça clan­des­ti­na, se­gun­do um cen­so re­cen­te.

Em Johan­nes­bur­go, “o es­sen­ci­al da aten­ção in­ter­na­ci­o­nal se fo­ca­rá no mar­fim de ele­fan­tes afri­ca­nos e nos chi­fres de ri­no­ce­ron­tes bran­cos do sul”, re­su­miu o se­cre­tá­ri­o­ge­ral da Cites, John Scan­lon.

O co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal de chi­fres de ri­no­ce­ron­tes e de mar­fim é ofi­ci­al­men­te proi­bi­do des­de 1977 e 1989, res­pec­ti­va­men­te.

Mas as me­di­das não con­se­gui­ram fre­ar os mas­sa­cres, até o pon­to em que al­guns ana­li­sam le­ga­li­za­ros co­mér­ci­os - aos seus olhos, úni­ca for­ma de re­du­zir a ca­ça clan­des­ti­na. Em Johan­nes­bur­go, o pe­que­no rei­no da Su­a­zi­lân­dia vai pro­por sus­pen­der a proi­bi­ção do co­mér­cio de chi­fre dos “seus” ri­no­ce­ron­tes.

O pe­que­no rei­no tem o apoio dos cri­a­do­res des­ses ma­mí­fe­ros. Sua pro­te­ção “nos cus­ta uma ver­da­dei­ra for­tu­na. (...) Não é sus­ten­tá­vel”, afir­mou à AFP uma cri­a­do­ra da Áfri­ca do Sul, Lyn­ne MacTa­vish. A pro­pos­ta da Su­a­zi­lân­dia tem pou­cas chan­ces de pros­pe­rar. As ONGs com­ba­tem fir­me­men­te a ideia e te­mem que a sus­pen­são da mo­ra­tó­ria ali­men­ta­ria mais ain­da a de­man­da. Zim­bábwe e Na­mí­bia pe­di­rão que se sus­pen­da a proi­bi­ção do co­mér­cio de mar­fim pa­ra po­der ven­der no mer­ca­do seus es­to­ques de mar­fim con­fis­ca­do ou pro­ve­ni­en­te de ele­fan­tes mor­tos por cau­sas na­tu­rais.

O di­nhei­ro des­ta ven­da “lhes per­mi­ti­ria con­ti­nu­ar o tra­ba­lho de con­ser­va­ção” dos ani­mais, dis­se à AFP a mi­nis­tra do Mei­oAm­bi­en­te­sul-afri­ca­na, Ed­na Mo­lewa, que apoia a pro­pos­ta des­ses dois paí­ses da Áfri­ca aus­tral.

A Cites de­ve es­tu­dar a pos­si­bi­li­da­de de fle­xi­bi­li­zar ou en­du­re­cer as res­tri­ções co­mer­ci­ais re­la­ti­vas a cer­ca de 500 es­pé­ci­es de fau­na e flo­ra no to­tal. Es­pe­ra-se in­ten­sos de­ba­tes so­bre a pro­te­ção do pau­ro­sa, dos tu­ba­rões ou dos pan­go­lins, ma­mí­fe­ros no­tur­nos com o cor­po co­ber­to de es­ca­mas.

Em uma dé­ca­da, mais de um mi­lhão de pan­go­lins, mui­to bus­ca­dos pe­la sua de­li­ca­da car­ne e seus ór­gãos uti­li­za­dos na me­di­ci­na tra­di­ci­o­nal, de­sa­pa­re­ce­ram, se­gun­do a União In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Con­ser­va­ção da Na­tu­re­za (IUCN). Atu­al­men­te, o co­mér­cio des­ta es­pé­cie é le­gal, mas sob con­di­ções es­tri­tas. Os paí­ses do su­des­te asiá­ti­co, gran­des con­su­mi­do­res de al­gu­mas des­sas es­pé­ci­es ame­a­ça­das, es­ta­rão sob for­te pres­são du­ran­te a con­fe­rên­cia.

A “ex­plo­são da de­man­da no Vi­et­nã” é a ra­zão prin­ci­pal do au­ge do co­mér­cio de chi­fres de ri­no­ce­ron­te, denuncia a WWF, que pe­de à Cites que “adop­te uma po­si­ção mais du­ra” con­tra es­tes paí­ses, que pos­sa che­gar até san­ções econô­mi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.