Mos­co­vo quer man­ter o ces­sar-fo­go

Ser­gei La­vrov e John Ker­ry pro­mo­vem cri­a­ção de zo­nas de ex­clu­são

Jornal de Angola - - MUNDO -

O mi­nis­tro rus­so das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ser­gei La­vrov, pe­diu o se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te­a­me­ri­ca­no, John Ker­ry, pa­ra man­ter os acor­dos en­tre a Rús­sia e os Es­ta­dos Uni­dos pa­ra es­ta­bi­li­zar a si­tu­a­ção na Sí­ria o mais rá­pi­do pos­sí­vel.

Ser­gei La­vrov re­fe­riu a John Ker­ry a ne­ces­si­da­de de se­pa­rar os gru­pos ter­ro­ris­tas da opo­si­ção mo­de­ra­da, pa­ra que um ces­sar-fo­go pos­sa ter su­ces­so e as ope­ra­ções mi­li­ta­res apoi­a­das pe­los go­ver­nos de Mos­co­vo e Washing­ton con­si­gam eli­mi­nar as fren­tes re­bel­des que im­pe­dem as tré­guas no país.

“Ago­ra é es­sen­ci­al evi­tar a des­trui­ção des­tes acor­dos”, dis­se Ser­gei La­vrov, re­co­nhe­cen­do que o re­cen­te bom­bar­de­a­men­to nor­te-ame­ri­ca­no so­bre tro­pas sí­ri­as e o ata­que re­gis­ta­do con­tra um com­boio hu­ma­ni­tá­rio agra­va­ram a si­tu­a­ção. O mi­nis­tro rus­so in­sis­tiu que é fun­da­men­tal se­pa­rar os com­ba­ten­tes de gru­pos co­mo o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”) e a Fren­te al Nus­ra de ou­tros opo­si­to­res, lem­bran­do que os EUA tem a prin­ci­pal res­pon­sa­bi­li­da­de nes­se âm­bi­to, por es­tar pró­xi­mo des­ses re­bel­des.

“Es­ta é uma con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra re­for­çar o acor­do de ces­sa­ção de hos­ti­li­da­des”, dis­se Ser­gei La­vrov, que lem­brou que es­se pon­to faz par­te do acor­do com Washing­ton em Genebra pa­ra im­pul­si­o­nar o ces­sar-fo­go, que du­rou ape­nas uma se­ma­na. “A cri­se sí­ria não se re­sol­ve e a la­men­tá­vel si­tu­a­ção hu­ma­ni­tá­ria não se vai cor­ri­gir sem se neu­tra­li­zar o ‘Es­ta­do Is­lâ­mi­co’ e Al Nus­ra e os seus gru­pos ex­tre­mis­tas ali­a­dos”, dis­se Ser­gei La­vrov. O di­plo­ma­ta rus­so reu­niu-se com o ho­mó­lo­go nor­te-ame­ri­ca­no, John Ker­ry, à mar­gem da As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, pa­ra tra­tar so­bre os úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos na Sí­ria.

A reu­nião, se­gun­do um fun­ci­o­ná­rio nor­te-ame­ri­ca­no, foi cons­tru­ti­va, mas de­la não saiu ne­nhu­ma ini­ci­a­ti­va. Os EUA exi­gi­ram da Rús­sia no­vas pro­pos­tas pa­ra ten­tar ani­mar o ces­sar-fo­go, in­cluin­do um com­pro­mis­so pa­ra que não ha­ja aviões que so­bre­vo­em re­giões cha­ve con­tro­la­das pe­la opo­si­ção, a fim de de­ter os bom­bar­de­a­men­tos por par­te do Go­ver­no sí­rio. Pe­ran­te es­se ape­lo, Ser­gei La­vrov dis­se que qual­quer me­di­da es­pe­ci­al que vá além do que já foi es­ti­pu­la­do em Genebra “não faz sen­ti­do, en­quan­to não co­me­çar es­sa se­pa­ra­ção dos ter­ro­ris­tas e da opo­si­ção mo­de­ra­da”.

“Os nor­te-americanos não pa­re­cem mui­to aber­tos a um tra­ba­lho diá­rio nes­se sen­ti­do”, la­men­tou o mi­nis­tro rus­so.

Ata­ques aé­re­os

Pe­lo me­nos 22 com­ba­ten­tes da fac­ção opo­si­to­ra Fur­san al Haqq mor­re­ram num bom­bar­de­a­men­to da For­ça Aé­rea da Sí­ria a uma ba­se no Nor­te da pro­vín­cia cen­tral de Ha­ma. O ata­que aé­reo acon­te­ceu on­tem e as equi­pas de res­ga­te ti­ve­ram sé­ri­as di­fi­cul­da­des pa­ra che­gar ao lo­cal de­vi­do aos su­ces­si­vos bom­bar­de­a­men­tos da avi­a­ção. A Fur­san al Haqq é uma fac­ção do Exér­ci­to Li­vre Sí­rio que ope­ra prin­ci­pal­men­te na pro­vín­cia de Ha­ma. O Exér­ci­to sí­rio li­mi­tou-se a in­for­mar que “um nú­me­ro de ter­ro­ris­tas mor­reu ou fi­cou fe­ri­do pe­los bom­bar­de­a­men­tos no nor­te de Ha­ma”, se­gun­do a agên­cia es­ta­tal Sa­na.

Além dis­so, as tro­pas des­truí­ram qua­tro tan­ques e três veí­cu­los equi­pa­dos com me­tra­lha­do­ras. A pro­vín­cia de Ha­ma é ce­ná­rio de uma es­ca­la­da das hos­ti­li­da­des des­de o fi­nal de Agos­to, quan­do os re­bel­des lan­ça­ram um con­tra-ata­que pa­ra ga­nhar ter­re­no. Em pou­cos di­as, to­ma­ram 15 lo­ca­li­da­des e si­tu­a­ram-se a pou­cos qui­ló­me­tros da ca­pi­tal da pro­vín­cia, mas, mais tar­de, as for­ças go­ver­na­men­tais con­se­gui­ram re­cu­pe­rar a mai­o­ria das po­si­ções.

Nos dois pri­mei­ros di­as de Se­tem­bro, pe­lo me­nos 30 ci­vis, en­tre eles dez cri­an­ças e seis mu­lhe­res, mor­re­ram em bom­bar­de­a­men­tos efec­tu­a­dos pe­la avi­a­ção sí­ria na ci­da­de de Su­ran, no Nor­te da pro­vín­cia. A De­fe­sa Ci­vil Sí­ria, um gru­po de vo­lun­tá­ri­os que de­sen­vol­ve tra­ba­lhos de res­ga­te, de­nun­ci­ou que os in­ten­sos bom­bar­de­a­men­tos sí­ri­os e rus­sos con­tra a ci­da­de de Ale­po cau­sa­ram mais de 70 mor­tos e de­ze­nas de fe­ri­dos. O gru­po pe­de ra­pi­dez na as­sis­tên­cia pa­ra evi­tar mais mor­tes de ci­vis.

AFP

Ser­gei La­vrov e John Ker­ry ma­ni­fes­ta­ram in­ten­ção de tra­ba­lhar pa­ra a es­ta­bi­li­da­de na Sí­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.