Exe­cu­ti­vo pe­de mu­dan­ças no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça

PO­SI­ÇÃO SO­BRE A RE­FOR­MA DO CON­SE­LHO DE SE­GU­RAN­ÇA Se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo Car­los Lopes apoia alar­ga­men­to do nú­me­ro de mem­bros

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SI­NA DE CAR­VA­LHO|

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca das Na­ções Uni­das pa­ra Áfri­ca, Car­los Lopes, apoi­ou on­tem a po­si­ção de An­go­la so­bre a ne­ces­si­da­de do alar­ga­men­to do nú­me­ro dos mem­bros per­ma­nen­tes e não per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, pa­ra tor­nar es­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­lhor ape­tre­cha­do na sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta na so­lu­ção dos con­fli­tos. Na vi­são de Car­los Lopes, faz to­do o sen­ti­do a po­si­ção apre­sen­ta­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das, se for ana­li­sa­da a ge­o­es­tra­té­gia e a fra­ca ca­pa­ci­da­de do con­ti­nen­te afri­ca­no de fa­zer ou­vir a sua voz, pa­ra que to­do o sis­te­ma de paz e se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das to­me em con­si­de­ra­ção as pre­o­cu­pa­ções afri­ca­nas. An­go­la, re­fe­riu, tem uma res­pon­sa­bi­li­da­de re­co­nhe­ci­da em Áfri­ca pe­lo seu pa­pel em ma­té­ria de paz e se­gu­ran­ça em vá­ri­os paí­ses do con­ti­nen­te e co­mo mem­bro não per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, num ano cru­ci­al em que se es­co­lhe o no­vo se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU. Car­los Lopes en­ten­de que é le­gí­ti­mo uma pre­sen­ça per­ma­nen­te de Áfri­ca no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça.

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca das Na­ções Uni­das pa­ra Áfri­ca, Car­los Lopes, apoi­ou, on­tem, a po­si­ção de An­go­la so­bre a ne­ces­si­da­de do alar­ga­men­to do nú­me­ro dos mem­bros per­ma­nen­tes e não per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, pa­ra tor­nar es­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­lhor ape­tre­cha­do na sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta na so­lu­ção dos con­fli­tos.

Na vi­são de Car­los Lopes, faz to­do o sen­ti­do a po­si­ção apre­sen­ta­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, na As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das, se for ana­li­sa­da a ge­o­es­tra­té­gia e a fra­ca ca­pa­ci­da­de do con­ti­nen­te afri­ca­no de fa­zer ou­vir a sua voz, pa­ra que to­do o sis­te­ma de paz e se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das to­me em con­si­de­ra­ção as pre­o­cu­pa­ções afri­ca­nas.

An­go­la, re­fe­riu, tem uma res­pon­sa­bi­li­da­de re­co­nhe­ci­da em Áfri­ca pe­lo seu pa­pel em ma­té­ria de paz e se­gu­ran­ça em vá­ri­os paí­ses do con­ti­nen­te e co­mo mem­bro não per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, num ano cru­ci­al em que se es­co­lhe o no­vo se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU.

Car­los Lopes en­ten­de que a lon­ga ba­ta­lha de Áfri­ca por uma pre­sen­ça per­ma­nen­te no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça é le­gí­ti­ma, por­que é o úni­co con­ti­nen­te nes­ta con­di­ção. Es­te fac­to, ex­pli­cou, faz com que qua­se to­das as mis­sões de paz das Na­ções Uni­das no con­ti­nen­te afri­ca­no, pe­la for­ma co­mo são pro­jec­ta­das e de­sen­vol­vi­das, te­nham ca­rac­te­rís­ti­cas com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes das in­ter­ven­ções re­a­li­za­das na Ásia, Amé­ri­ca La­ti­na e no Mé­dio Ori­en­te.

Os mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, de acor­do com Car­los Lopes, di­fi­cil­men­te per­mi­tem que os seus pro­ble­mas se­jam le­va­dos ao cen­tro das pre­o­cu­pa­ções des­te ór­gão. “Mas quan­do se tra­ta de ques­tões afri­ca­nas, vão to­das pa­ra lá, por­que não exis­te um mem­bro per­ma­nen­te afri­ca­no que põe tra­vões e fa­ça com que a dis­cus­são se­ja di­fe­ren­te”.

O se­cre­tá­rio exe­cu­ti­vo, que foi em 2013 o úni­co lu­só­fo­no en­tre os 100 afri­ca­nos mais in­flu­en­tes do mun­do, dis­se que as re­for­mas de­fen­di­das por An­go­la e por ou­tros paí­ses vão es­pe­rar a no­va li­de­ran­ça da ONU, uma vez que o ac­tu­al se­cre­tá­rio-ge­ral es­tá no fim do seu man­da­to. As re­for­mas, su­bli­nha, são mui­to im­por­tan­tes pa­ra trans­for­mar a ma­nei­ra co­mo se di­a­lo­ga e se es­ta­be­le­cem as pri­o­ri­da­des no seio das Na­ções Uni­das.

Pa­ra o eco­no­mis­ta gui­ne­en­se o fac­to de os Es­ta­dos afri­ca­nos te­rem in­cor­po­ra­do as po­si­ções co­muns na Agen­da Mun­di­al 2030, an­tes de qual­quer ou­tra re­gião, pro­va que se pre­pa­ra­ram pa­ra o efei­to e que po­dem fa­zer pas­sar as su­as pri­o­ri­da­des. “Pen­so que Áfri­ca es­tá mui­to bem po­si­ci­o­na­da pa­ra ti­rar par­ti­do des­te do­cu­men­to que foi apro­va­do de­pois de qua­se cin­co anos de ne­go­ci­a­ções”, dis­se.

Re­la­ti­va­men­te à si­tu­a­ção dos re­fu­gi­a­dos e mi­gran­tes de­ba­ti­da na As­sem­bleia Ge­ral da ONU, de­fen­deu a se­pa­ra­ção da abor­da­gem so­bre os dois gru­pos vul­ne­rá­veis, por te­rem mo­ti­va­ções di­fe­ren­tes pa­ra a des­lo­ca­ção em ter­ri­tó­rio alheio.

Car­los Lopes lem­brou que os re­fu­gi­a­dos são aque­les que bus­cam pro­te­ção em zo­nas se­gu­ras de­vi­do a con­fli­tos po­lí­ti­cos ou ca­tás­tro­fes na­tu­rais nas su­as zo­nas de ori­gem, en­quan­to os mi­gran­tes pro­cu­ram me­lho­res con­di­ções de vi­da por in­sa­tis­fa­ção hu­ma­na. O nú­me­ro de afri­ca­nos que sa­em do con­ti­nen­te anu­al­men­te é de cer­ca de dois mi­lhões, cor­res­pon­den­te a 0,2 por cen­to do to­tal de mil mi­lhões de ha­bi­tan­tes des­ta re­gião. Es­te nú­me­ro, re­fe­riu Car­los Lopes, é mui­to re­du­zi­do com­pa­ra­do com os cer­ca de três mi­lhões de chi­ne­ses que dei­xam o seu país, em igual pe­río­do. “Por­tan­to, há um cer­to exa­ge­ro quan­do se diz que a mai­or par­te dos re­fu­gi­a­dos e mi­gran­tes vêm de Áfri­ca”, con­cluiu.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, afir­mou na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das que a re­for­ma do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça é “um im­pe­ra­ti­vo que se não for re­a­li­za­do po­de le­var à in­ca­pa­ci­da­de de ac­tu­a­ção da or­ga­ni­za­ção mun­di­al e ao con­tí­nuo es­bo­ro­ar da sua le­gi­ti­mi­da­de e cre­di­bi­li­da­de”. No seu dis­cur­so, em re­pre­sen­ta­ção do Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­cla­rou que An­go­la é a fa­vor do alar­ga­men­to do nú­me­ro dos mem­bros per­ma­nen­tes e não per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, pa­ra tor­nar es­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­lhor ape­tre­cha­do na sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta na so­lu­ção dos con­fli­tos.

Por es­sa ra­zão, dis­se, An­go­la rei­te­ra o di­rei­to do con­ti­nen­te afri­ca­no de es­tar re­pre­sen­ta­do en­tre os mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, con­for­me o Con­sen­so de Ezulwi­ni.

Quan­to à or­ga­ni­za­ção na sua ge­ne­ra­li­da­de, o Vi­ce-Pre­si­den­te afir­mou que a ONU de­ve ser ca­paz de pro­mo­ver a paz e se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal, de agir com ce­le­ri­da­de e efi­cá­cia em si­tu­a­ções de con­fli­to e de dar res­pos­ta aos mais pre­men­tes de­sa­fi­os da ac­tu­a­li­da­de, co­mo o ter­ro­ris­mo in­ter­na­ci­o­nal sem pre­ce­den­tes e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas inau­di­tas.

DOM­BE­LE BER­NAR­DO

Car­los Lopes afir­ma que a po­si­ção an­go­la­na é a me­lhor pa­ra as Na­ções Uni­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.