Im­por­tân­cia do “Ha­be­as Cor­pus” no com­ba­te às pri­sões ar­bi­trá­ri­as

Jornal de Angola - - PARTADA -

O pro­cu­ra­dor pro­vin­ci­al ad­jun­to da Re­pú­bli­ca no Mo­xi­co, Fran­cis­co João Car­los, re­al­çou, no Lu­e­na, a im­por­tân­cia do "Ha­be­as Cor­pus" co­mo ins­tru­men­to de ga­ran­tia pro­ces­su­al pa­ra as pes­so­as de­fen­de­rem-se con­tra even­tu­ais pri­sões ar­bi­trá­ri­as.

Em de­cla­ra­ções à An­gop, o ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co afir­mou que o “Ha­be­as Cor­pus” con­for­ma as pes­so­as que não obe­de­cem aos prin­cí­pi­os de uma pri­são le­gal, no âm­bi­to do plas­ma­do no Ar­ti­go 68.º da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca.

“O “Ha­be­as Cor­pus” só se apli­ca em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, de­pen­den­do da ti­pi­ci­da­de do cri­me, pois a pes­soa que for de­ti­da por co­me­ter uma in­frac­ção cri­mi­nal, mes­mo sem cons­ti­tuir um ad­vo­ga­do, tem o di­rei­to de es­cre­ver ao juiz pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo, ape­lan­do à sua li­ber­ta­ção com fun­da­men­tos de uma pri­são ile­gal, dis­se Fran­cis­co João Car­los..

Fran­cis­co Car­los ma­ni­fes­tou-se sa­tis­fei­to com a ine­xis­tên­cia de ca­sos de pri­sões ar­bi­trá­ri­as na pro­vín­cia, fru­to do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­los fun­ci­o­ná­ri­os do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, con­subs­tan­ci­a­do na sen­si­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção so­bre as nor­mas da boa con­vi­vên­cia.

“A pro­vi­dên­cia de “Ha­be­as Cor­pus”, que vi­sa pro­te­ger o ci­da­dão de even­tu­ais abu­sos das au­to­ri­da­des em ca­so de pri­são ile­gal, é um ti­po de ac­ção já re­gu­la­da no Ca­pí­tu­lo VII (ar­ti­gos 312.º a 325.º) do Tí­tu­lo II do Código de Pro­ces­so Pe­nal de 1929, que An­go­la adap­tou par­ci­al­men­te, com a in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, con­si­de­ra­da ina­pli­cá­vel por ina­de­qua­ção às leis cons­ti­tu­ci­o­nais da I Re­pú­bli­ca (1975 –1992)”, es­cla­re­ceu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.