Pre­si­den­te do Con­go De­mo­crá­ti­co mi­ni­mi­za in­ci­den­tes de Kinsha­sa

União Afri­ca­na de­fen­de elei­ções pre­si­den­ci­ais cre­dí­veis e o mais rá­pi­do pos­sí­vel

Jornal de Angola - - PARTADA - ELE­A­ZAR VAN-DÚ­NEM |

Na pri­mei­ra re­ac­ção ofi­ci­al aos úl­ti­mos epi­só­di­os de vi­o­lên­cia em Kinsha­sa, que se­gun­do o Go­ver­no con­go­lês fi­ze­ram 17 mor­tos, mais de 50 pa­ra al­guns par­ti­dos da opo­si­ção, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) não fa­lou das gran­des ques­tões que pa­re­cem pre­o­cu­par a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e a so­ci­e­da­de glo­bal con­go­le­sa.

Jo­seph Ka­bi­la apon­tou o de­do à Con­gre­ga­ção das For­ças Po­lí­ti­cas e So­ci­ais pa­ra a Mu­dan­ça (RFPSAM), a cha­ma­da “opo­si­ção ra­di­cal”, dis­se ser “evi­den­te” a “exis­tên­cia de uma se­gun­da in­ten­ção por par­te da or­ga­ni­za­ção da ma­ni­fes­ta­ção da opo­si­ção” que vi­sa­va “a vi­o­lên­cia ce­ga ou pi­or, os con­fron­tos san­gren­tos” e pro­me­teu às ví­ti­mas “to­do o apoio na ac­ção ju­di­ciá­ria”.

O Che­fe do Es­ta­do con­go­lês re­a­fir­mou que “o re­cur­so à vi­o­lên­cia não po­de cons­ti­tuir uma al­ter­na­ti­va ao diá­lo­go em cur­so” e ape­lou a Con­gre­ga­ção das For­ças Po­lí­ti­cas e So­ci­ais pa­ra a Mu­dan­ça pa­ra in­te­grar “o diá­lo­go na­ci­o­nal em cur­so pa­ra re­for­çar o con­sen­so elei­to­ral e po­lí­ti­co em cons­tru­ção e pou­par o po­vo a no­vos epi­só­di­os de so­fri­men­to”.

Mas Jo­seph Ka­bi­la não avan­çou uma da­ta pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais, que à luz de um acor­do en­tre o Go­ver­no e a opo­si­ção con­go­le­sa de­vem ocor­rer no mes­mo dia, nem afas­tou de­fi­ni­ti­va­men­te os ru­mo­res da ale­ga­da pre­ten­são, se­gun­do a Con­gre­ga­ção das For­ças Po­lí­ti­cas e So­ci­ais pa­ra a Mu­dan­ça, de al­te­rar a Cons­ti­tui­ção pa­ra per­ma­ne­cer no po­der ou adiá-las ao má­xi­mo pa­ra con­ti­nu­ar a go­ver­nar fo­ra do pra­zo cons­ti­tu­ci­o­nal, que a “opo­si­ção ra­di­cal” ale­ga se­rem as ra­zões dos pro­tes­tos que cul­mi­na­ram em tra­gé­dia na­ci­o­nal. Ain­da que não se­ja obri­ga­do, nem te­nha de fa­zê-la, por a Cons­ti­tui­ção con­go­le­sa ser de cum­pri­men­to obri­ga­tó­rio, uma de­cla­ra­ção do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la a afas­tar de­fi­ni­ti­va­men­te tais ce­ná­ri­os es­va­zi­a­va os ar­gu­men­tos dos seus de­trac­to­res e tor­na­va sem sen­ti­do a re­a­li­za­ção de ma­ni­fes­ta­ções do gé­ne­ro.Num co­mu­ni­ca­do con­jun­to di­vul­ga­do na se­ma­na pas­sa­da em No­va Ior­que, ONU, União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia e Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal da Fran­co­fo­nia pe­di­ram pa­ra as pre­si­den­ci­ais se­rem re­a­li­za­das “o mais rá­pi­do pos­sí­vel” e “cre­dí­veis” e ape­la­ram ao Go­ver­no e à opo­si­ção pa­ra mo­de­rar as ac­ções e re­nun­ci­ar “à vi­o­lên­cia co­mo for­ma de re­sol­ver as di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas”.

Cons­ti­tui­ção con­go­le­sa

O ar­ti­go 70.º da Cons­ti­tui­ção da RDC es­ti­pu­la que “o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é elei­to por su­frá­gio uni­ver­sal di­rec­to pa­ra um man­da­to de cin­co anos ape­nas re­no­vá­vel uma vez” e que “no fim do seu man­da­to, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca man­tém­se em fun­ções até à ins­ta­la­ção efec­ti­va do no­vo Pre­si­den­te elei­to”.

No ar­ti­go 73.º lê-se que “o es­cru­tí­nio pa­ra a elei­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (con­go­lês) é con­vo­ca­do pe­la Co­mis­são elei­to­ral na­ci­o­nal in­de­pen­den­te no­ven­ta di­as an­tes da ex­pi­ra­ção do man­da­to do Pre­si­den­te em exer­cí­cio.”

Por sua vez, o ar­ti­go 75.º da Lei Fun­da­men­tal con­go­le­sa diz que “o pre­si­den­te do Se­na­do as­se­gu­ra de for­ma in­te­ri­na a che­fia do Es­ta­do em ca­so de va­zio de­vi­do a mor­te, de de­mis­são ou por qual­quer ou­tra coi­sa de im­pe­di­men­to de­fi­ni­ti­vo”.

Pa­ra a Con­gre­ga­ção das For­ças Po­lí­ti­cas e So­ci­ais pa­ra a Mu­dan­ça, ao man­ter-se no po­der além do fim do man­da­to, o Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la “in­cor­re em al­ta trai­ção” se in­sis­tir em con­tra­ri­ar a proi­bi­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de se man­ter no po­der pa­ra lá dos dois man­da­tos per­mi­ti­dos. Es­ta pla­ta­for­ma ame­a­ça o Che­fe de Es­ta­do com o ar­ti­go 64.º da Cons­ti­tui­ção, se­gun­do o qual “to­dos os con­go­le­ses têm o de­ver de im­pe­dir qual­quer in­di­ví­duo ou gru­po de in­di­ví­du­os que to­ma­ram o po­der pe­la for­ça ou que vi­o­lem o dis­pos­to na pre­sen­te Cons­ti­tui­ção.”

Elei­ções pre­si­den­ci­ais

Em Kinsha­sa, o can­ce­la­men­to de uma ma­ni­fes­ta­ção au­to­ri­za­da pe­lo Go­ver­no na sequên­cia de con­fron­tos en­tre jo­vens ar­ma­dos de pe­dras e a Po­lí­cia an­ti­mo­tim cau­sou de­ze­nas de mor­tos na ca­pi­tal con­go­le­sa.

A ma­ni­fes­ta­ção foi con­vo­ca­da pe­la RFPSAM, que re­jei­ta o “Diá­lo­go Na­ci­o­nal” cri­a­do pe­lo Pre­si­den­te e a Mai­o­ria Pre­si­den­ci­al que o apoia com al­guns par­ti­dos da opo­si­ção e in­te­gran­tes da so­ci­e­da­de ci­vil con­go­le­sa, me­di­a­do pe­lo en­vi­a­do es­pe­ci­al da União Afri­ca­na Edem Kod­jo e des­ti­na­do a pre­pa­rar as elei­ções ge­rais, par­ti­cu­lar­men­te as elei­ções pre­si­den­ci­ais.

A RFPSAM, que re­jei­ta o alar­ga­men­to do man­da­to do Pre­si­den­te e Jo­seph Ka­bi­la além do li­mi­te cons­ti­tu­ci­o­nal e a me­di­a­ção de Edem Kod­jo, acu­sa os opo­si­to­res pro-diá­lo­go de “acei­ta­rem o ter­cei­ro man­da­to” de Jo­seph Ka­bi­la e exi­ge a mar­ca­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais an­tes do fim do man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la, pre­vis­to pa­ra 20 de De­zem­bro.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te da RDC es­tá im­pe­di­do pe­la ac­tu­al Cons­ti­tui­ção de con­cor­rer a ter­cei­ro man­da­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.