Pre­ven­ção da cri­mi­na­li­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A cri­mi­na­li­da­de, um fe­nó­me­no tão an­ti­go quan­to a hu­ma­ni­da­de, re­quer me­di­das trans­ver­sais pa­ra a sua pre­ven­ção e com­ba­te. É pa­pel da so­ci­e­da­de en­vol­ver-se e con­tri­buir pa­ra o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de, con­tra­ri­a­men­te à ideia, mui­tas ve­zes, vei­cu­la­da de ser atri­bui­ção par­ti­cu­lar dos ór­gãos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Es­ta, no qua­dro das su­as fun­ções es­pe­cí­fi­cas, tu­do faz pa­ra que a or­dem, a tran­qui­li­da­de e a se­gu­ran­ça pú­bli­cas nun­ca es­te­jam em cau­sa, acom­pa­nhan­do de per­to to­da a evo­lu­ção do fe­nó­me­no men­ci­o­na­do. Co­mo as au­to­ri­da­des po­li­ci­ais di­zem, re­pe­ti­das ve­zes, os efec­ti­vos da cor­po­ra­ção an­te­ci­pam-se sem­pre, não dor­min­do pa­ra as­se­gu­rar um cli­ma de tran­qui­li­da­de. Co­mo é fá­cil de re­co­nhe­cer, não se tra­ta de uma mis­são fá­cil por vá­ri­os fac­to­res, en­tre eles o acen­tu­a­do ris­co que cor­rem os efec­ti­vos que, mui­tas ve­zes, se en­ga­jam di­rec­ta­men­te com mar­gi­nais ma­nu­se­an­do ar­mas de fo­go.

Mu­dou mui­to o “mo­dus ope­ran­di” da­que­les que fa­zem dos ac­tos cri­mi­no­sos o seu mo­do de vi­da e, nu­ma al­tu­ra em que en­fren­ta­mos di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas, ten­de acen­tu­ar-se a ten­ta­ção pa­ra o co­me­ti­men­to de de­li­tos. É ver­da­de que na­da, mas na­da mes­mo jus­ti­fi­ca que em vir­tu­de das di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas por que pas­sa­mos to­dos, de uma ma­nei­ra ge­ral, al­guns se­jam ten­ta­dos a in­cor­rer em ac­tos cri­mi­no­sos. Não há dú­vi­das de que, além da es­pe­ran­ça em di­as me­lho­res, mui­to se po­de fa­zer pa­ra afu­gen­tar o es­pec­tro da oci­o­si­da­de, da ca­rên­cia ma­te­ri­al e de ou­tras ne­ces­si­da­des, apos­tan­do mui­to no em­pre­en­de­do­ris­mo pes­so­al e ma­xi­mi­zan­do o apro­vei­ta­men­to das opor­tu­ni­da­des que sur­gem.

Fru­to da he­ran­ça do sis­te­ma de pla­ni­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e da pre­sen­ça mas­si­va do Es­ta­do na eco­no­mia, mui­tos con­ti­nu­am ain­da a en­ca­rar nas su­as ins­ti­tui­ções co­mo o prin­cí­pio e o fim, quan­do se tra­ta da pro­mo­ção das con­di­ções pa­ra o aces­so ou cri­a­ção de em­pre­go, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­te im­por­tan­te in­di­ca­dor so­ci­al.

É pre­ci­so des­per­tar pa­ra a re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca que vi­go­ra no país há mais de du­as dé­ca­das em que a eco­no­mia de mer­ca­do tem co­mo ba­se a ini­ci­a­ti­va pes­so­al, a cri­a­ti­vi­da­de, a ino­va­ção, a ca­pa­ci­da­de de ob­ser­va­ção e o apro­vei­ta­men­to das opor­tu­ni­da­des. Os jo­vens de­vem ser edu­ca­dos a pon­de­rar a cri­a­ção dos seus pró­pri­os ne­gó­ci­os, nu­ma al­tu­ra em que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do de­vem con­ti­nu­ar a re­for­çar as ini­ci­a­ti­vas pa­ra cri­ar con­di­ções po­lí­ti­cas e le­gais pa­ra o for­ta­le­ci­men­to do sec­tor pri­va­do e da so­ci­e­da­de ci­vil. In­de­pen­den­te­men­te da na­tu­re­za in­sa­tis­fei­ta dos se­res hu­ma­nos e da ce­le­ri­da­de com que a ju­ven­tu­de pre­ten­de ver as su­as as­pi­ra­ções ma­te­ri­a­li­za­das, acre­di­ta­mos que mui­to tem si­do fei­to. A cri­a­ção de um qua­dro le­gal pa­ra que ha­ja au­to-em­pre­go, a exis­tên­cia de nu­me­ro­sas ini­ci­a­ti­vas ins­ti­tu­ci­o­nais tais co­mo o Bal­cão Úni­co do Em­pre­en­de­dor (BUE), a re­du­ção da bu­ro­cra­cia pa­ra a cri­a­ção de em­pre­sas e os vá­ri­os ti­pos de mi­cro-cré­di­to, en­tre ou­tras ac­ções, in­di­cam o com­pro­mis­so dos ór­gãos do Es­ta­do pa­ra com os jo­vens.

Tais ac­ções, por via das quais os jo­vens sen­tem-se mo­ti­va­dos a evi­tar con­du­tas des­vi­an­tes, cons­ti­tu­em in­gre­di­en­tes po­de­ro­sos na pre­ven­ção da cri­mi­na­li­da­de. Nes­ta ca­mi­nha­da, ob­vi­a­men­te, o pa­pel das fa­mí­li­as e das co­mu­ni­da­des não po­de ser pos­to de par­te na me­di­da em que gran­de par­te das ten­dên­ci­as pa­ra o co­me­ti­men­to de in­frac­ções pre­vis­tas e pu­ní­veis por lei co­me­ça com pe­que­nos de­li­tos. E, não ra­ras ve­zes, com o co­nhe­ci­men­to dos fa­mi­li­a­res ou de pes­so­as pró­xi­mas que, além de se fur­ta­rem do pa­pel que se lhes es­pe­ra, nem sem­pre co­la­bo­ram com as au­to­ri­da­des que ze­lam pe­la or­dem, tran­qui­li­da­de e se­gu­ran­ça pú­bli­cas. Mas a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, se­gu­ra­men­te, vai con­ti­nu­ar a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel com o mes­mo ze­lo, dis­ci­pli­na e pron­ti­dão que ca­rac­te­ri­zam o mo­men­to de mo­der­ni­za­ção de to­dos os seus ra­mos.

Aten­den­do à rá­pi­da evo­lu­ção do “mo­dus ope­ran­di” dos de­lin­quen­tes, não é inu­si­ta­do ape­lar pa­ra a re­vi­são e even­tu­al im­ple­men­ta­ção de pas­sos que le­va­ri­am ao fun­ci­o­na­men­to da cha­ma­da Po­lí­cia Elec­tró­ni­ca. Ho­je, os pro­ces­sos por via dos quais se po­de pre­ve­nir e com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de trans­cen­dem a tra­di­ci­o­nal e sim­ples pre­sen­ça fí­si­ca do agen­te nos lo­cais, so­bre­tu­do, pú­bli­cos. A ins­ta­la­ção de mei­os elec­tró­ni­cos, não ape­nas pa­ra ini­bir o co­me­ti­men­to de cri­mes, mas igual­men­te pa­ra o es­cla­re­ci­men­to rá­pi­do de de­li­tos co­me­ti­dos, cons­ti­tui, ho­je, uma ne­ces­si­da­de vi­tal da nos­sa so­ci­e­da­de. Afi­nal, tes­te­mu­nha­mos um cres­ci­men­to acen­tu­a­do das nos­sas ci­da­des e dos aglo­me­ra­dos po­pu­la­ci­o­nais à vol­ta, ra­zão pe­la qual o fun­ci­o­na­men­to da Po­lí­cia Na­ci­o­nal com dis­po­si­ti­vos elec­tró­ni­cos dei­xou de ser um re­cur­so de lu­xo. É pre­ci­so es­go­tar o debate a to­dos os ní­veis, so­bre­tu­do os de na­tu­re­za ju­rí­di­co-le­gal, re­la­ti­va­men­te ao fun­ci­o­na­men­to da Po­lí­cia Elec­tró­ni­ca.

A Po­lí­cia tem de con­ti­nu­ar a cri­ar me­ca­nis­mos de ac­tu­a­ção de pro­xi­mi­da­de pa­ra de­sen­co­ra­jar o co­me­ti­men­to de ac­ções cri­mi­no­sas e re­for­çar o sen­ti­men­to de se­gu­ran­ça nas fa­mí­li­as, pes­so­as e ins­ti­tui­ções. É ver­da­de que não te­mos o de­se­ja­do rá­cio uni­ver­sal­men­te con­si­de­ra­do ra­zoá­vel en­tre o nú­me­ro de agen­tes da Po­lí­cia por ca­da ci­da­dão, mas é sa­lu­tar sa­ber que a cri­mi­na­li­da­de em to­do o país não es­tá fo­ra do con­tro­lo da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Tem si­do pos­sí­vel pre­ve­nir a cri­mi­na­li­da­de um pou­co por to­do o país, in­de­pen­den­te­men­te dos ac­tos de­li­tu­o­sos que ocor­rem, fac­to que in­di­ca que é pos­sí­vel a con­tí­nua re­ver­são.

Gold­man Sa­chs

Há di­as, o gran­de debate em tor­no da no­me­a­ção do an­ti­go Pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia e ex-Pri­mei­ro-Mi­nis­tro de Por­tu­gal, Du­rão Bar­ro­so, pa­ra o car­go de vi­ce-pre­si­den­te não exe­cu­ti­vo do mai­or ban­co de in­ves­ti­men­to do Mun­do, le­vou às mais dis­tin­tas re­ac­ções.

O pró­prio veio a pú­bli­co de­fen­der-se, di­zen­do que, ao acei­tar o car­go, não fez na­da de mal na me­di­da em que não po­de ser dis­cri­mi­na­do.

Na ver­da­de, tra­tou-se de um fal­so pro­ble­ma, por­que, co­mo se sa­be, exis­ti­ram ou­tros ca­sos de dig­ni­tá­ri­os eu­ro­peus que ser­vi­ram du­ran­te mui­to tem­po no sec­tor pú­bli­co e que, de­pois, abra­ça­ram ou­tros de­sa­fi­os no sec­tor pri­va­do. O ac­tu­al “boss” do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.