CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JA­CIN­TO AN­TÓ­NIO AR­LE­TE CHA­VES MA­DA­LE­NA AFON­SO | ADAL­BER­TO AN­TÓ­NIO|

For­ma­ção de jo­vens

A edu­ca­ção é es­sen­ci­al em qual­quer par­te do mun­do. Par­ti­cu­lar­men­te acom­pa­nhei a fi­nal do con­cur­so “Sá­ba­dos Aca­dé­mi­cos” e gos­tei mui­to de ver es­se ti­po de com­pe­ti­ti­vi­da­de en­tre es­co­las e pro­vín­ci­as. Sou es­tu­dan­te e gos­ta­va de ape­lar a to­dos que es­tão no ensino su­pe­ri­or pa­ra que se es­for­cem no sen­ti­do de apren­de­rem bem as ma­té­ri­as que lhes são mi­nis­tra­das, com vis­ta a aju­da­rem o país a cres­cer.

Não de­ve ha­ver ape­nas a pre­o­cu­pa­ção de se con­se­guir um ca­nu­do. De­ve ha­ver so­bre­tu­do a pre­o­cu­pa­ção de se ad­qui­rir ele­va­das com­pe­tên­ci­as, pois es­tas é que re­sol­vem os pro­ble­mas da so­ci­e­da­de. (BCE), de na­ci­o­na­li­da­de ita­li­a­na, foi um exe­cu­ti­vo da Gold­man Sa­chs e de­sem­pe­nha ho­je fun­ções ao mais al­to ní­vel no BCE.

É ver­da­de que os con­fli­tos de in­te­res­se exis­tem, mas não po­de ha­ver dois pesos e du­as me­di­das.

Não é pos­sí­vel que pa­ra uns se­ja nor­mal que pas­sem do sec­tor pú­bli­co pa­ra o pri­va­do ou vi­ce-ver­sa, sem que se­jam “cru­ci­fi­ca­dos”, en­quan­to que pa­ra ou­tros ocor­ra pre­ci­sa­men­te o con­trá­rio.

Acho que o an­ti­go Pri­mei­ro-Mi­nis­tro de Por­tu­gal fez bem ao de­fen­der-se, sem se dei­xar le­var pe­los de­ba­tes que sur­gem a ca­da dia por cau­sa da sua no­me­a­ção.

De­sis­tên­cia da es­co­la

Há mui­tas cri­an­ças no nos­so país que de­sis­tem da es­co­la em que es­tão a es­tu­dar. Era im­por­tan­te que o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção ti­ves­se in­for­ma­ções so­bre es­te fe­nó­me­no de de­sis­tên­cia de cri­an­ças da es­co­la pri­má­ria pú­bli­ca.

Pen­so que tu­do de­ve ser fei­to pa­ra que ne­nhu­ma cri­an­ça saia da es­co­la. De­ve ha­ver pro­ble­mas que le­vam a que mui­tas cri­an­ças de­sis­tam da es­co­la. Era bom que as en­ti­da­des com­pe­ten­tes sai­bam que ti­po de pro­ble­mas é que le­vam cri­an­ças a fu­gir da es­co­la.

Acho que se de­ve exi­gir re­gu­lar­men­te às di­rec­ções das es­co­las pri­má­ri­as re­la­tó­ri­os so­bre a ques­tão da de­sis­tên­cia de cri­an­ças das au­las e so­bre as su­as cau­sas, pa­ra se to­ma­rem as me­di­das ade­qua­das. Es­ta­mos a com­ba­ter o anal­fa­be­tis­mo no país, pe­lo que de­ve­mos tra­ba­lhar pa­ra que não ha­ja mais no fu­tu­ro adul­tos anal­fa­be­tos.

Que­re­mos to­dos que to­das as cri­an­ças de An­go­la em ida­de es­co­lar es­te­jam na es­co­la e que se sin­tam bem ali on­de es­tão a es­tu­dar. Sou da opi­nião de que a ins­pec­ção es­co­lar de­ve re­a­li­zar um tra­ba­lho exaus­ti­vo jun­to de to­das as es­co­las pri­má­ri­as pa­ra se ana­li­sar em pro­fun­di­da­de es­ta ques­tão da de­sis­tên­cia das cri­an­ças da es­co­la.

Re­gis­to elei­to­ral

Es­tou a gos­tar do fac­to de mui­tos com­pa­tri­o­tas meus já te­rem ac­tu­a­li­za­do os seus da­dos elei­to­rais.

Os an­go­la­nos têm par­ti­ci­pa­do mas­si­va­men­te des­de as pri­mei­ras elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as re­a­li­za­das em Se­tem­bro de 1992 nos pro­ces­sos elei­to­rais pa­ra a es­co­lha dos seus go­ver­nan­tes, o que é bom pa­ra a de­mo­cra­cia.

Vo­tar em de­mo­cra­cia é uma for­ma de con­tri­buir pa­ra a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia.Os ci­da­dãos de­vem re­gis­tar-se pa­ra irem às ur­nas, a fim de es­co­lhe­rem os go­ver­nan­tes.

Vo­tar é um di­rei­to, mas tam­bém um de­ver de que os ci­da­dãos não de­vem ab­di­car. A de­mo­cra­cia cres­ce com a par­ti­ci­pa­ção dos ci­da­dãos na vi­da po­lí­ti­ca.

Só vo­tan­do se po­de de­pois pe­dir res­pon­sa­bi­li­da­des aos go­ver­nan­tes, aqui­lo que afi­nal de con­tas é a gé­ne­se da ver­da­dei­ra de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va.

AR­MAN­DO PU­LU­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.