De­fen­di­da pre­sen­ça de mu­lhe­res en­tre as equi­pas de ne­go­ci­a­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ELÍAS L. BE­NAR­RO­CH |

Os es­for­ços pa­ra re­sol­ver o his­tó­ri­co con­fli­to en­tre is­ra­e­li­tas e pa­les­ti­ni­a­nos pa­de­cem de uma au­sên­cia crónica de mu­lhe­res que pos­sam apre­sen­tar uma vi­são mais am­pla e com­pre­en­si­va às ne­go­ci­a­ções e, com is­so, po­ten­ci­a­li­zar a pos­si­bi­li­da­de de um acor­do.

Es­ta é a con­clu­são à qual che­gá­ra­mos par­ti­ci­pan­tes de um en­con­tro re­a­li­za­do em Je­ru­sa­lém so­bre o pa­pel da mu­lher na al­ta po­lí­ti­ca is­ra­e­li­ta e pa­les­ti­ni­a­na ou, na re­a­li­da­de, da sua au­sên­cia nas ins­tân­ci­as po­lí­ti­cas, ju­di­ci­ais e mi­li­ta­res que de­ci­dem o des­ti­no dos seus po­vos.

O en­con­tro, que reu­niu mu­lhe­res is­ra­e­li­tas e pa­les­ti­ni­a­nas e foi or­ga­ni­za­do pe­la ONG pró-con­ci­li­a­ção IPCRI, ana­li­sou o al­can­ce efec­ti­vo a ní­vel lo­cal da Re­so­lu­ção 1325 do Con­se­lho do Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, a pro­va da por una­ni­mi­da­de em Ou­tu­bro de 2000 e que co­bra a adop­ção de uma pers­pec­ti­va de gé­ne­ro pa­ra a re­so­lu­ção dos con­fli­tos por­to do o mun­do.

“In­cluir mu­lhe­res em pro­ces­sos de paz ou em pro­ces­sos po­lí­ti­cos sig­ni­fi­ca re­sul­ta­dos me­lho­res e mais sus­ten­tá­veis: mais mu­lhe­res sig­ni­fi­ca mais paz”, afir­mou a di­plo­ma­ta su­e­ca Ale­xan­dra Ryd­mark ao apre­sen­tar os re­sul­ta­dos de uma pes­qui­sa aca­dé­mi­ca.

Em 2015, a Sué­cia adop­tou a cha­ma­da “Po­lí­ti­ca Ex­ter­na Fe­mi­nis­ta” pa­ra uma apro­xi­ma­ção de gé­ne­ro de to­dos os as­sun­tos di­plo­má­ti­cos e de Es­ta­do e que Ryd­mark expôs pa­ra cha­mar a aten­ção de is­ra­e­li­tas e pa­les­ti­ni­a­nos so­bre a ne­ces­si­da­de de en­vol­ver a mu­lher na re­so­lu­ção de con­fli­tos.

Em­bo­ra no la­do is­ra­e­li­ta te­nham exis­ti­do per­so­na­gens à fren­te da al­ta po­lí­ti­ca co­mo a pri­mei­ra-mi­nis­tra Gol­da Meir ou a ex-mi­nis­tra das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res Tzi­pi Liv­ni, e in­clu­si­ve a ac­tu­al mi­nis­tra da Jus­ti­ça, Aye­let Sha­ked, a de­si­gual­da­de de gé­ne­ro é no­tó­ria.

A de­pu­ta­da tra­ba­lhis­ta Kse­nia Sve­tlo­va res­sal­tou es­sa dis­pa­ri­da­de que há em ór­gãos co­mo o Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res ou os re­la­ci­o­na­dos com a se­gu­ran­ça de Es­ta­do, nos quais a su­pre­ma­cia mas­cu­li­na é his­tó­ri­ca, e as de­ci­sões so­bre paz e gu­er­ra qua­se ina­pe­lá­veis.

So­bre a pos­sí­vel con­tri­bui­ção pa­ra uma re­con­ci­li­a­ção das mu­lhe­res, se­gun­do a sua opi­nião mais re­so­lu­ti­va, Sve­tlo­va lem­brou uma fa­mo­sa fra­se de Mar­ga­ret That­cher: “Se vo­cê quer que di­gam al­go, pe­ça a um ho­mem. Se vo­cê quer que fa­çam al­go, pe­ça a uma mu­lher”. Na his­tó­ria do mo­vi­men­to na­ci­o­nal pa­les­ti­ni­a­no tam­bém hou­ve al­gu­mas mu­lhe­res des­ta­cá­veis, en­tre elas a ac­tu­al mem­bro do co­mi­té exe­cu­ti­vo da OLP, Ha­nan Ash­rawi, que par­ti­ci­pou na Con­fe­rên­cia de Paz de Ma­drid de 1991, e a ac­tu­al pre­fei­ta de Be­lém, Ve­ra Ba­boun.

Mas, se­gun­do a pa­les­ti­ni­a­na Ni­vi­ne San­dou­ka, co-di­rec­to­ra da IPCRI, des­de en­tão ocor­reu um re­tro­ces­so sig­ni­fi­ca­ti­vo. “Os Acor­dos de Os­lo (de 1993) mar­gi­na­li­za­ram os pro­ble­mas da mu­lher e afas­tou­as dos fó­runs de de­ci­são”, dis­se ela so­bre a ca­da vez me­nor pre­sen­ça de mu­lhe­res nos mais im­por­tan­tes lu­ga­res po­lí­ti­cos pa­les­ti­ni­a­nos.

Des­ta for­ma, dos de­pu­ta­dos es­co­lhi­dos nas elei­ções de 2006 as úl­ti­mas re­a­li­za­das, so­men­te 13 por cen­to eram mu­lhe­res, uma au­sên­cia mais no­tó­ria no par­ti­do is­la­mi­ta Ha­mas do que no Fa­tah. “Mas in­clu­si­ve nes­te par­ti­do (na­ci­o­na­lis­ta) as can­di­da­tas eram apre­sen­ta­das co­mo ‘es­po­sa de, ou ‘ir­mã de”, quei­xou-se.

Um re­cen­te es­tu­do re­a­li­za­do na Cis­jor­dâ­nia, em Ga­za e Je­ru­sa­lém Ori­en­tal re­ve­la que en­tre os em­bai­xa­do­res pa­les­ti­ni­a­nos ape­nas 4 por cen­to são mu­lhe­res, en­tre os juí­zes so­men­te 11 por cen­to, e en­tre os po­lí­ti­cos 16 por cen­to, e nes­te ca­so “só até um cer­to ní­vel (hi­e­rár­qui­co)”.

San­dou­ka cul­pa em pri­mei­ro lu­gar as “tra­di­ções” e a “re­li­gião”, mas tam­bém a “ocu­pa­ção” is­ra­e­li­ta, por­que se uma mu­lher pas­sar por uma pri­são is­so cri­a­ria “um es­tig­ma” so­ci­al. Ela pre­vê que es­ta au­sên­cia con­ti­nu­a­rá na pró­xi­ma ge­ra­ção, por­que “nem as mu­lhe­res se apoi­am umas às ou­tras”, “os par­ti­dos po­lí­ti­cos são pa­tri­ar­cais” e in­clu­si­ve “os veí­cu­los de im­pren­sa cos­tu­mam atri­buir-lhes uma me­ra fun­ção re­pro­du­ti­va”.

“A re­so­lu­ção 1325 é uma fer­ra­men­ta pa­ra le­gi­ti­mar a mu­lher e fa­zer com que pos­sa in­fluir no cam­po da se­gu­ran­ça. É uma pers­pec­ti­va que as le­gi­ti­ma ao fa­lar de paz, pa­ra in­se­rir a nar­ra­ti­va fe­mi­ni­na do con­fli­to”, de­cla­rou Net­ta Lo­evy, co­or­de­na­do­ra da ONG que apli­ca em Is­ra­el es­sa de­ci­são in­ter­na­ci­o­nal. O re­ve­ren­do Gary Ma­son, que par­ti­ci­pou do pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção da Ir­lan­da do Nor­te, foi mais con­tun­den­te e afir­mou que, se fos­sem co­lo­ca­dos “40 ho­mens nu­ma sa­la” de ne­go­ci­a­ções, “o en­con­tro es­ta­ria des­ti­na­do ao de­sas­tre”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.