Ca­cu­a­co tem a mai­or ta­xa de de­sem­pre­go

DA­DOS DO CEN­SO GE­RAL DA PO­PU­LA­ÇÃO Mais de trin­ta por cen­to da po­pu­la­ção de Lu­an­da vi­ve em ca­sas ar­ren­da­das

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - ED­NA DA­LA |

O mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co apre­sen­ta a ta­xa mais ele­va­da de de­sem­pre­go na pro­vín­cia de Lu­an­da, com 41 por cen­to, se­guin­do­se o de Vi­a­na, com 33 por cen­to.

De acor­do com os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos do Re­cen­se­a­men­to Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção, os mu­ni­cí­pi­os da Quis­sa­ma e de Ico­lo e Ben­go apre­sen­ta­ram as ta­xas de de­sem­pre­go mais bai­xas, com 23 por cen­to e 24 e por cen­to.

O es­tu­do re­ve­la que a mai­o­ria das pes­so­as tra­ba­lha por con­ta pró­pria, e mes­mo as que não con­tam com um pos­to de tra­ba­lho, pra­ti­cam al­gu­mas ac­ti­vi­da­des pa­ra a sua sub­sis­tên­cia e do seu agre­ga­do fa­mi­li­ar.

Os re­gis­tos apon­tam que na glo­ba­li­da­de, em 2014, al­tu­ra em que foi re­a­li­za­do o cen­so, o nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos na pro­vín­cia de Lu­an­da era de 672.649 ha­bi­tan­tes, re­pre­sen­tan­do uma ta­xa de de­sem­pre­go na or­dem de 33 por cen­to.

De acor­do com os re­sul­ta­dos do cen­so, o de­sem­pre­go atin­ge mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vens com ida­des com­pre­en­di­das en­tre 15 e 24 anos e a pre­do­mi­nân­cia re­cai so­bre as mu­lhe­res.

So­bre o sa­ne­a­men­to bá­si­co, os da­dos mos­tram que 91 por cen­to dos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res em Lu­an­da usam um lo­cal apro­pri­a­do pa­ra de­fe­car. Os re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos mos­tram que fo­ram ob­ser­va­das re­a­li­da­des di­fe­ren­tes en­tre os mu­ni­cí­pi­os no que to­ca ao uso de ins­ta­la­ções sa­ni­tá­ri­as apro­pri­a­das, on­de o mu­ni­cí­pio do Ca­zen­ga re­gis­tou o va­lor mais ele­va­do com 97 por cen­to. Em con­tra­par­ti­da, os mu­ni­cí­pi­os do Ico­lo Ben­go e Quis­sa­ma apre­sen­tam as ta­xas mais bai­xas, res­pec­ti­va­men­te com 20 e 28 por cen­to.

Ha­bi­ta­ção

O es­tu­do con­cluiu que em to­da a pro­vín­cia o nú­me­ro de "uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais" é de 1.484.350, sen­do 34 por cen­to ca­sas ar­ren­da­das pri­va­das ou do Es­ta­do e ape­nas no­ve por cen­to vi­ve em ca­sas com­pra­das. Des­tes, ape­nas cin­co por cen­to têm a con­ta to­tal­men­te pa­ga e qu­a­tro por cen­to em pro­ces­so de com­pra.

As es­ta­tís­ti­cas apon­tam que a mai­o­ria das ha­bi­ta­ções fa­mi­li­a­res ocu­pa­das são do ti­po con­ven­ci­o­nal, com cer­ca de 89 por cen­to, se­guin­do-se as ca­sas do ti­po cu­ba­ta que re­pre­sen­tam qu­a­tro por cen­to da po­pu­la­ção e os apar­ta­men­tos por ape­nas três por cen­to.

A di­men­são das ha­bi­ta­ções fa­mi­li­a­res ocu­pa­das a ní­vel da pro­vín­cia de Lu­an­da in­di­ca que ca­da re­si­dên­cia pos­sui em mé­dia três di­vi­sões.

A ida­de mé­dia da po­pu­la­ção de Lu­an­da é de 21,1 anos, en­quan­to ape­nas 1,5 por cen­to dos ha­bi­tan­tes têm mais de 65 anos.

O cen­so ge­ral de 2014 per­mi­tiu re­cen­se­ar 6.945.386 pes­so­as re­si­den­tes na pro­vín­cia de Lu­an­da, das quais 6.919.613 re­si­di­am em ha­bi­ta­ções fa­mi­li­a­res e 23.460 em ha­bi­ta­ções co­lec­ti­vas co­mo cre­ches, la­res de ido­sos, or­fa­na­tos ou uni­da­des re­li­gi­o­sas, en­quan­to 2.313 não ti­nham ha­bi­ta­ção. En­tre as pes­so­as sem ha­bi­ta­ção, 28 por cen­to (qua­se 650) são cri­an­ças com me­nos de 15 anos, re­fe­rem as con­clu­sões do cen­so. A ní­vel pro­vin­ci­al, 18 por cen­to dos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res são cons­ti­tuí­dos por se­te mem­bros, mas a mé­dia não che­ga a cin­co.

Agri­cul­tu­ra e pes­ca

Os da­dos revelam que, em 2014, cer­ca de 12 por cen­to dos agre­ga­dos fa­mi­li­a­res na pro­vín­cia de Lu­an­da pra­ti­ca­vam ac­ti­vi­da­de agrí­co­la co­mo a hor­ti­cul­tu­ra, ce­re­al cul­tu­ra, fru­ti­cul­tu­ra e sil­vi­cul­tu­ra.

O mu­ni­cí­pio de Ico­lo Ben­go, com 53 por cen­to, re­pre­sen­ta a mai­or pro­por­ção de agre­ga­dos com ac­ti­vi­da­des agrí­co­las e o do Ca­zen­ga re­pre­sen­ta a me­nor pro­por­ção com oi­to por cen­to.

No sec­tor pes­quei­ro, os re­sul­ta­dos do cen­so in­di­cam que cer­ca de dois por cen­to dos agre­ga­dos pra­ti­ca ac­ti­vi­da­des pis­ca­tó­ri­as.

PAU­LO MU­LA­ZA

Mui­tos ha­bi­tan­tes vi­vem do mer­ca­do in­for­mal e a mai­or ta­xa re­cai so­bre as mu­lhe­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.