Pro­jec­tor de ví­deo

Jornal de Angola - - LAZER -

Um pro­jec­tor de ví­deo pro­ces­sa um si­nal de ví­deo e pro­jec­ta a ima­gem cor­res­pon­den­te nu­ma te­la da, usan­do um sis­te­ma de len­tes. To­dos os ti­pos de pro­jec­to­res de ví­deo uti­li­zam uma luz mui­to bri­lhan­te pa­ra pro­jec­tar a ima­gem e os mais mo­der­nos po­dem cor­ri­gir in­con­sis­tên­ci­as co­mo cur­vas, bor­rões e ou­tras, atra­vés de ajus­tes ma­nu­ais. Pro­jec­to­res de ví­deo são usa­dos prin­ci­pal­men­te pa­ra apre­sen­ta­ções, con­fe­rên­ci­as, trei­na­men­to e em sis­te­mas de ci­ne­ma em ca­sa.

Um sis­te­ma de pro­jec­ção de ví­deo po­de tam­bém ser cons­truí­do num ga­bi­ne­te com uma te­la pa­ra pro­jec­ção na par­te de trás pa­ra dar for­ma a um úni­co dis­po­si­ti­vo de ex­po­si­ção uni­fi­ca­do. Es­te sis­te­ma é po­pu­lar no ci­ne­ma ou em ca­sa.

As de­fi­ni­ções co­muns de exi­bi­ção pa­ra um pro­jec­tor por­tá­til in­clu­em sv­ga (800×600 pi­xels), xga (1024×768), 720p (1280×720) e 1080p (1920×1080).

O cus­to de um dis­po­si­ti­vo é de­ter­mi­na­do não so­men­te pe­la sua de­fi­ni­ção, mas tam­bém pe­la sua saí­da de luz, pe­la saí­da acús­ti­ca do ruí­do, pe­lo con­tras­te e pe­las ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas. Quan­do a mai­o­ria dos pro­jec­to­res mo­der­nos for­ne­ce­rem luz su­fi­ci­en­te pa­ra uma te­la pe­que­na à noi­te ou sob ilu­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al con­tro­la­da, co­mo den­tro de uma ca­ve sem ne­nhu­ma ja­ne­la, vai ser ne­ces­sá­rio um pro­jec­tor com uma mai­or efi­ci­ên­cia lu­mi­no­sa (me­di­do em lú­mens, abre­vi­a­do “lm”), pa­ra uma te­la mai­or ou uma sa­la com uma quan­ti­da­de mais ele­va­da de luz am­bi­en­tal. Uma ava­li­a­ção dos lú­mens de 1.000 a 1.500 an­si lú­mens ou me­nor, é ade­qua­da pa­ra pe­que­nas te­las com ilu­mi­na­ção con­tro­la­da ou bai­xa luz am­bi­en­te. En­tre 1.500 e 3.000 lm é apro­pri­a­do pa­ra te­las de ta­ma­nho mé­dio com al­gu­ma luz am­bi­en­tal ou en­fra­que­ci­da.

Com 3.000 lm é apro­pri­a­do pa­ra te­las mui­to gran­des num quar­to gran­de sem ne­nhum con­tro­lo da ilu­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al (por exem­plo, uma sa­la de reu­niões). O ta­ma­nho pro­jec­ta­do da ima­gem é im­por­tan­te, por­que a quan­ti­da­de to­tal de luz não mu­da, o ta­ma­nho au­men­ta e o bri­lho di­mi­nui.

O ta­ma­nho das ima­gens é me­di­do ti­pi­ca­men­te em ter­mos li­ne­a­res, di­a­go­nal­men­te, obs­cu­re­cen­do o fac­to de que ima­gens mai­o­res re­que­rem mui­to mais luz (pro­por­ci­o­nal à área da ima­gem, não ape­nas ao com­pri­men­to de um la­do). Au­men­tar a me­di­da di­a­go­nal da ima­gem em 25% re­duz o bri­lho da ima­gem em 35 por cen­to, um au­men­to de 41 re­duz o bri­lho pe­la me­ta­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.